quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Capitulo 28



                                Megan's Pov

Abri os olhos e percebi que já estava de noite. Eu tinha dormido a tarde toda depois que subi para o quarto. A escuridão estava tomando conta do local, e a preguiça do meu corpo. Me espreguicei na cama, pegando o relógio em cima da mesinha que marcava 6 hrs da tarde. De repente ouvi a porta ser aberta e a luz forte do quarto ser acessa, me cegando um pouco. Pisquei várias vezes até perceber que era Max.

- Oi amor! - falei sorrindo.

- Oi! – ele respondeu meio frio.

- O que você tem? - ele se sentou na cama e me arrastei até ele.

- Nada. – ele falou tirando os tênis.

- E então como foi a mudança da sua mãe? - perguntei tentando colocar assunto, ele estava preocupado.

- Foi tranquila.

- Que bom. - falei baixo e voltei a me deitar na cama, mexendo no celular.

- Vou tomar um banho. – ele se levantou e foi até o banheiro, batendo a porta.

Fiquei mexendo no celular, o que será que ele tinha? Parecia meio aborrecido, não falou direito comigo, joguei o celular na cama e fiquei sentada encarando o vazio, até que minutos depois ele saiu do banheiro.

- Vamos jantar? - perguntei enquanto ele procurava uma roupa.

- Na verdade, to sem fome.

- Não vai descer?

- Não.

- Tudo bem. - me levantei e peguei o celular. - eh...eu vou indo então. - caminhei até a porta e o olhei.

- Ok!

Fechei a porta e desci para a cozinha, primeira vez que eu queria ficar longe de Max. Ele estava sendo frio comigo. Cheguei na cozinha e todos já estavam se preparando para Jantar, me sentei e fiquei quieta os observando.

- Claire apaga o fogo do teu homem. – Roxy riu tentando afastar o Tom que a abraçava.

- Tom! Sai de cima da Roxy! - Claire gritou.

- Epa! A Roxy não! - Nathan jogou um talher em Tom.

- Assim ela não pensa mais em ir embora. – Tom riu.

- Eu não vou embora. – ela continuou tentando afasta-lo.

- Alguém traz algo pra separar eles. - Siva sorriu.

- Coitada deve ta morrendo. – Jay gargalhou.

- Vocês são loucos. - Nareesha sorria enquanto colocava a sua comida, que era macarronada.

- Me larga Thomas! – Roxy não parava de rir.

- Nops! – ele ria mais ainda.

- Vocês estão parecendo um casal. – Claire emburrou.

- Olha o ciúmes. – Siva riu.

- Vou trair o Nathan com o Tom. – Roxy ironizou.

- Sai daí antes que isso seja verdade. - Nathan se levantou e tentou puxar Tom que se agarrava mais em Roxy, me fazendo dar um pequeno sorriso.

- Faz greve de sexo com ele Claire. – Naree riu.

- Você não faria?! – Tom a encarou.

- Boa ideia Naree. - ela sorriu maléfica.

- Toma essa Tom. - Jay gargalhou.

- Não faz isso comigo amor. – Tom correu até ela, e começou a enche-la de beijinhos.

- Hum não adianta isso. – ela sorriu.

- O que você quer então? – ele perguntou malicioso.

- Ah não, na cozinha não. – Roxy comentou.

- Por favor eu não preciso presenciar essa cena. - Jay falou.

- Nem eu por favor. - Siva tampou os olhos.

- Ai gente que isso. - Claire estava vermelha.

- Me passa o suco. – pedi.

- MEGAN! – Roxy gritou. – tudo bem? – ela pegou o suco e se sentou ao meu lado.

- Tudo. – sorri fraco.

- Depois você me conta o que houve. – ela sussurrou, enquanto o pessoal ainda estava fazendo bagunça.

- Tudo bem. – falei e tomei apenas o suco.

Depois que todos ficaram quietos e começaram a jantar, me retirei da mesa e fui para a sala. Liguei a TV e não estava passando um filme qualquer, ouvi alguém descendo a escada e Max passou para a cozinha rapidamente. Depois de alguns minutos ele voltou e subiu de novo para o quarto. Voltei a olhar para a televisão, mas só tentava encontrar o que eu fiz para o Max ficar assim, estranho.

- O que ta rolando? – Roxy saiu da cozinha.

- O que? Esse filme é horrível. - falei tentando desviar a conversa.

- Megan!!

- O que foi Roxy?

- Primeiro, você chega na cozinha sem o Max e não fala nada, depois o Max aparece fala que ta com dor de cabeça e pega um copo de vodca, e agora você ta aqui sozinha falando que o seu filme favorito é horrível.

- Acho melhor você perguntar isso a ele. – falei mudando de canal.

- Ele esta estranho desde hoje cedo né?

- Estranho? - sorri debochada. - ele está frio, arrogante, mal falou comigo direito depois que chegou. Estou me perguntando o que eu fiz de errado. – suspirei.

- As vezes ele esta preocupado com alguma coisa Meg, respeita o espaço dele. Quando ele se sentir confortável pra falar, ele vai te contar tudo.

- Tudo bem, eu não vou falar nada em relação a isso. Mas poxa, precisava ser tão frio comigo? - a encarei.

- Ai Meg! Eu não conheço o Max tão bem assim, ele deve estar mal, por isso esta agindo assim. – ela me abraçou.

- Mas custava ele ao menos tentar conversar comigo? E essa saída pra ajudar a mãe dele, porque ele não me falou nada?

- É isso foi estranho.

- Posso dormir com você hoje...? Esquece tem o Nathan. Então acho que vou dormir já. - falei me levantando.

- Nem pensar, eu tive uma ideia e tenho certeza que as meninas vão concordar. – Roxy sorriu. – pega seu pijama, seu ipod, celular, travesseiro, cobertor e tranca o quarto com o Max lá dentro, eu vou conversar com as meninas.

- Ta pensando o que? – sorri.

- Vai logo. – ela riu e entrou na cozinha.

Subi as escadas e entrei no quarto. Max estava no notebook e assim que me viu arregalou os olhos e mexeu no mouse, não dei muita importância e peguei minhas coisas. Fui ao banheiro, tomei um banho e vesti o meu pijama, voltei ao quarto e ele continuava no notebook.

- Posso? - apontei para o travesseiro.

- Uhum. – ele nem me olhou ao responder.

Peguei o travesseiro e o edredom. Aproveitei que estava abaixada na cama e dei rapidamente um beijo em sua bochecha.

- Boa noite.

- Boa noite Meg!

Sai do quarto batendo a porta, ele nem ao menos perguntou onde eu ia dormir. Fiquei sem rumo no corredor, segurando as coisas nas mãos, sem saber o que Roxy planejava.

- ROXY! - gritei sabendo que ecoaria na casa toda.

- Cala a boca. – ela saiu do quarto do Nathan rindo. – o Nath já dormiu.

- Colocou o bebê pra dormir? – gargalhei.

- Amanhã ela vai acordar gritando igual bebê mesmo quando ver que eu não dormi lá. – Roxy riu.

- Sorte a sua. – revirei os olhos.

- Cadê as meninas? – ela mudou de assunto.

- Não sei, quem falou com elas foi você.

- Ei vocês não vão vim pra sala? – Nareesha apareceu na escada. – a gente já arrumou tudo.

- Sala? – olhei Roxy.

- Noite feminina. – ela sorriu e me puxou.

- O que é isso tudo? – apontei para a sala.

- Festa do pijama estilo Roxy.

- E essas coisas? E tudo isso? - apontei para os colchões de ar.

- Com um toque especial da Naree e da Claire.

- Sabe que eu não estou muito animada. - sussurrei pra ela.

- Por isso mesmo. – ela sorriu e me puxou até o meu colchão.

- Ah mais se eu dormir? – sorri.

- Não vai. - Claire falou.

- Então... por onde começamos? – Naree perguntou.

- Bebida! – Roxy gritou.

- Bebida? – a encarei surpresa.

- O Jay tem as melhores vodcas aqui. – ela riu.

- Vamos ficar bêbadas? Ta legal! - sorri tomando o litro da mão dela.

- Ainda tem os doces. – Naree levantou duas tigelas cheias de chocolate, balinhas, chicletes...

- Aluguei uns dvd’s também. – Claire mostrou uma sacolinha um pouco cheia.

- Pra mim isso daqui já basta. - abri a garrafa e dei dois goles dela. - ui é das fortes.

- Então, vamos começar isso aqui. – Roxy entregou uma garrafa pra cada uma e colocamos o primeiro filme.

- Então, qual o nome do filme? - perguntei pegando um pedaço de chocolate.

- Se beber não case. – Naree sorriu.

- Legal! – falei dando outro gole.

Ficamos em silencio até o começo do filme. Ele era muito engraçado e os personagens pareciam patetas, depois de horas o filme ha estava no meio, onde as partes mais engraçadas aconteciam, quando um dos caras arrancava o próprio dente, Naree e Claire fizeram zoadas de nojo.

- PUTA MERDA! - ouvimos Jay gargalhar alto, nos viramos rapidamente e ele estava parado atras do sofá assistindo.

- O que você faz aqui? – perguntei.

- Assistindo ué! - ele sorriu.

- Droga! Esqueci da porta dele. – Roxy bateu a mão na testa.

- O que? Ia me trancar? – ele se levantou.

- Todos estão trancados meu bem. – Naree mostrou as chaves.

- Vocês são malignas, socorro. - ele correu para a cozinha.

- TRANCA!! – Roxy gritou e correu até a porta trancando a mesma.

- Sem meninos. – Naree comemorou.

- Coitado ele ta preso na cozinha. - sorri apontando pra porta.

- Ninguém mandou invadir nossa festa. – Roxy gargalhou.

- Mas ele vai dormir lá? – Claire sorriu.

- As cadeiras são confortáveis. – Naree pegou a sua garrafa de vodca.

- Malvadas. – gargalhei, a bebida já estava fazendo efeito em mim.

- Sempre! – Roxy sorriu e começou a pular no colchão.

- Ah para! - me abracei com o vidro de vodca sorrindo com os pulos.

- Uhul. – Naree gritou e começou a pular, logo em seguida Claire entrou na onda.

- Assim eu não bebo. - tentei dar um gole na garrafa, metade do liquido caindo em mim.

- Ta toda molhada. – Naree riu.

- Fica você também. – Roxy jogou vodca nela.

- ÊÊÊÊ! - agitei a garrafa pra cima, molhando todas, realmente eu não estava em sã consciência.

- Vamos ver outro filme. – Roxy colocou outro dvd. Ficamos assistindo por um bom tempo até que meus olhos começaram a pesar e logo desmaiei de sono.

                                 Roxy’s Pov

Acordei com a claridade vinda das janelas da sala e alguns barulhos no andar de cima. Me sentei no colchão e esfreguei os olhos. Olhei em volta e comecei a rir do jeito em que estávamos, Megan com as pernas sobre a barriga da Naree, enquanto a Claire estava com metade do corpo no chão e a outra metade sobre o colchão. As garrafas de vodcas estavam vazias e jogadas em cima do sofá, enquanto os potes de doces estavam pela metade. Me levantei e senti pontadas na cabeça, maravilha, ressaca seria das melhores. Subi as escadas ainda meio tonta e pude ouvir alguns gritos vindo dos quartos.

- QUEM TRANCOU ESSA MERDA?!! – Tom gritava e eu segurava o riso.

- NAREESHA, CADÊ VOCÊ AMOR? – Siva parecia desesperado.

- ROXY! EU TENHO CERTEZA QUE FOI ELA! - Nathan chutava a porta.

- Caralho. – comecei a gargalhar alto.

- ROXY? NÃO ACREDITO. – Tom falou bravo.

- É ELA? É VOCÊ ROXY QUE TA AI? - Nathan gritava atrás da porta.

- EI! POR QUE MINHA PORTA ESTA TRANCADA? – ouvi Max gritar.

- NÃO ACREDITO QUE FIZERAM ISSO. – Siva gritou.

- Parem de reclamar o Jay ta preso na cozinha. – falei entre risos.

- ABRE ESSA MERDA!! – Tom estava revoltado.

- Eu só tenho a chave do quarto do Nathan. – falei caminhando até a porta.

- ABRE LOGO A MINHA. – Nathan gritou.

- Roxy! Jay está escandalizando lá embaixo. - Meg apareceu no 
topo da escada sussurrando.

- Abre a porta pra ele. – joguei a chave da cozinha pra ela e entrei no quarto do Nathan.

- Você ta doida? – ele me encarou.

- Talvez um pouquinho. – sorri.

- Você ta cheirando a álcool - ele se aproximou e cheirou minha blusa.

- É preciso de um banho, e de um remédio urgente. – me sentei na cama.

- É, precisa mes...

- Elas são loucas, LOUCAS! - Jay apareceu correndo no corredor em direção ao seu quarto.

- Coitado do Jay. – falei entre risos.

- Acho que você precisa destrancar outras portas. - ele sorriu.

- Não tenho as chaves, só tinha a chave do quarto que me interessava. – dei de ombros.

- E os outros? – ele perguntou.

- Roxy você me paga. – Siva passou na porta.

- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA. – gritei e sai correndo do quarto até a sala, onde as meninas riam descontroladamente.

- O J-Jay cara, el-ele quase se mijava nas calças. - Megan mal conseguia falar de tanto rir.

- O Tom! Ele tava gritando no quarto pedindo ajuda. - Claire gargalhou tanto que caiu no chão e começou a rolar.

- O Siva estava completamente desesperado. – Naree fazia uns gestos com a mão.

- É por que vocês não viram a cara do Nathan. – me joguei em um dos colchões.

- Haha que engraçado. – Siva apareceu rolando os olhos.

- É mesmo. – cai na risada.

- Que bagunça é essa? - Nathan pegou uma garrafa seca em cima do sofá.

- Er... nada de mais. – Naree sorriu.

- Naree você ta com chocolate no cabelo. – gargalhei mais alto.

- Cristo Nareesha! Você ta comendo pela cabeça. - Claire gargalhou rolando no colchão.

- Gente, menos. - Meg pediu silêncio e fez cara feia, colocando a mão na cabeça.

- Chocolate? Nareesha você ta com chocolate no cabelo? - Siva logo se aproximou sorrindo abertamente.

- Estou. – ela sorriu.

- Claire você não pode falar muito não. – sorri apontando pra blusa dela onde tinha uma minhoca de goma pendurada.

- Vocês estão tão comestíveis. - Meg sorriu levemente e fechou os olhos, cachaça demais.

- E bêbadas também. – Tom levantou duas garrafas de vodca vazias.

- Isso é o de menos, a loucura já passou. – sorri.

- Foi de mais. – Meg fez o símbolo do rock com as mãos.

- Meninas preciso de um banho. – Claire se levantou.

- Fala isso pro Tom e não pra gente. – comecei a rir de novo.

- Vai lá Tom. – Naree o empurrou.

- Vamos logo Claire. – ele a puxou e subiram as escadas.

- Hum isso vai dar coisa. – Megan gargalhou, mas logo gemeu.

- Também ta com dor de cabeça forte? – perguntei.

- Demais. – ela rolou no chão.

- Acho que vou pro hospital. – fechei os olhos. – ta doendo demais.

- Bem feito. – Nathan gargalhou alto.

- Cala a boca ô viado. - Megan jogou a tigela de balas nele, caindo a metade no chão.

- Olha isso Megan, eu me contorcendo de dor e nem pro meu namorado me ajudar, não ele fica rindo. – massageei as têmporas.

- Deixa eu dar um beijo. - ele se abaixou até mim e beijou minha testa. - gosto de bebida.

- Pelo menos tem o Nathan aqui. - Megan afundou a cabeça nos travesseiros. - ai que dor!

- Ah Megan, deixa o Max... Megan! O MAX! – me levantei rápido demais e cambaleei pra trás.

- Calma Roxy. – Nathan me segurou.

- Acho que bebi demais, preciso de um remédio. Megan você não abriu a porta do Max.

- Não, pensei que você tinha aberto. – ela me encarou.

- A chave não esta comigo.

- Ai cacete. - Megan bateu nos bolsos e levantou a chave. - se ele já estava com raiva de mim, agora piorou.

- Acho melhor você correr. – falei caminhando até as escadas.

- Calma ai. - ela saiu correndo pras escadas e logo sumiu de vista.

- Ele vai ficar furioso. - Nathan sorriu.

- Vai mesmo. – mordi o lábio inferior. – vou tomar um banho, você vai ficar aqui embaixo?

- Não. – ele sorriu malicioso.

- Então vamos. – peguei em sua mão e subimos até o quarto, quando passamos pelo corredor ouvimos alguns gritos vindos do quarto do Max, com certeza ele estava furioso. Entramos no quarto e eu logo fui para o banheiro, como eu esperava o Nathan foi atrás. Depois de um bom tempo, saímos do banho limpinhos e cheirosos apenas com as toalhas sobre o corpo.

- Deixa eu ver se ta limpa.  - ele me agarrou e beijou atrás da minha orelha.

- E então... – me virei para encara-lo.

- Muito cheirosa. – ele sorriu.

- Também, tive uma ajuda maravilhosa. – pisquei pra ele e sorri.

- Não é atoa que eu demoro no banho. – ele me abraçou.

- É você também esta muito cheiroso, perai... – me aproximei de seu pescoço e senti o cheiro de seu perfume. – eu amo esse seu perfume. – sorri.

- É sério? – ele sorriu e me empurrou na cama.

- Uhum. – sorri mordendo o lábio inferior.

- Eu também adoro o seu.

- É por isso que uso ele. – sorri vitoriosa.

- Posso sentir outra vez?

- A vontade. – sorri.

Me ajeitei na cama e ele caminhou lentamente até mim com um sorriso malicioso estampado no rosto, Nathan se sentou na cama ao meu lado e me puxou fazendo eu ficar sentada em seu colo, logo aproximou o seu rosto do meu pescoço e começou a distribuir beijos até chegar na minha boca, sua língua pediu passagem e eu cedi imediatamente. Queria entender onde ele arranjava tanta disposição, tínhamos acabo de sair de um sexytime no banheiro. Mordi seu lábio inferior partindo o beijo e ele encostou nossas testas, começou a passar as mãos sobre as minhas costas ainda coberta pela toalha, comecei a acariciar a sua nuca e depois levei as mãos ao seu rosto. Comecei a analisar cada traço, cada detalhe, e um sorriso começou a estampar o meu rosto.

- Você é tão... perfeita. – ele sorriu.

- Só quando estou com você. – passei a mão por sua bochecha fazendo um leve carinho ali.

- Você é sempre.

- Para de me deixar assim. – cobri o rosto com as mãos.

- Mas se você é linda, perfeita e... - ele apertou a mão na minha cintura. – sexy.

- Você me acostuma muito mal. – mordi seu lábio inferior lentamente.

- Gosto de te mimar.

- Se isso te deixa feliz então... pode continuar me mimando, mas eu também vou encher o seu ego. – sorri.

- Vamos lá gatinha. – ele mordeu meu pescoço.

- Nathan... – me afastei um pouco cruzando os braços sobre o seu peitoral. – gatinha é broxante. - comecei a rir.

- Vamos ver quem é broxante. - ele me empurrou e ficou por cima de mim, ameaçando retirar a toalha. Desci as mãos até o seu pescoço e o puxei pra mim começando outro beijo, cada vez mais intenso e demonstrando todo o desejo possível. Separei nossos lábios com um mordida no seu inferior e desci até o seu pescoço fazendo ele soltar um gemido baixo, sorri e continuei a morde-lo. Minhas mãos passeavam livremente por suas costas e as arranhavam, enquanto ele apertava a minha cintura cada vez mais forte me puxando para si na intenção de unir mais nossos corpos. Levei as mãos até a sua toalha e comecei a procurar o lugar onde ela estava presa, não demorei muito e o achei.

- Vamos... acabar logo com isso. – pedi ofegante.

- Pensei que não ia pedir. – ele sorriu agarrando a base da minha toalha.

- Roxy eu preciso... – Megan invadiu o quarto e eu rolei na cama caindo no chão. – AI MEU DEUS! Vocês iam...??

- Er... – passei as mãos no cabelo envergonhada pela cena que minha melhor amiga presenciou.

- Desculpa, desculpa mesmo. - ela colocou a mão nos olhos.

- Calma, espera. - Nathan se levantou ajeitando sua toalha e rindo.

- Nath, acho melhor você pegar esse travesseiro. – joguei o mesmo pra ele. – se acalma um pouquinho. – sorri fraco.

- Eu vou pro quarto do Jay... me joga aquela roupa ali. - ele apontou pra cama.

- Desculpa atrapalhar vocês. - Meg falou um pouco soluçando, mas com a mão ainda no rosto.

- Não amor... fica aqui, a gente vai precisar da sua ajuda. - me levantei e separei nossas roupas. – o que aconteceu Meg? – perguntei preocupada.

- Você sabe... aquilo, só que agora piorou

- O que ta acontecendo e eu não to sabendo? - Nathan gritou do banheiro.

- O Max amor, ele esta estranho. – respondi. – mas o que ele fez agora?

- Depois que eu abri a porta, ele ficou todo estressado perguntando porque eu tinha feito aquilo... ele passou a manhã inteira naquele computador e agora saiu de novo Roxy! Sem nem falar direito comigo, ele saiu rapidamente. - ela se sentou na cama.

- Ele ta sendo bipolar. - Nathan saiu do banheiro e se deitou na cama.

- Bipolar? Ele surtou de vez. – me levantei e entrei no banheiro para me trocar.

- Uma hora ele está todo carinhoso comigo ai de repente vira essa pedra de gelo. Acredita que desde que ele começou isso eu só dei um beijo nele, na bochecha ainda mais. - Megan choramingou.

- Mas ele ficou assim do nada? – Nathan perguntou.

- Foi desde ontem. – respondi.

- Se ele esta com raiva de mim, eu não sei, eu não fiz nada.

- Da um tempo pra ele.

- Eu falei a mesma coisa Nathan. – falei saindo do banheiro e espirrando o meu perfume.

- Para uma pessoa tipo Max George, não da nem um beijinho é porque ta acontecendo algo -Nathan falou cheirando o ar.

- E se... ele tiver outra? - Megan abaixou a cabeça.

- Megan ele te ama. – me sentei perto dela. – ele nunca seria capaz de fazer isso.

- Mas não é o que ta parecendo.

- Ele deve estar com algum problema. – Nathan falou pensativo.

- E porque ele não fala pra mim? Se ele diz que me ama tanto? Será que eu não posso ouvir um único problema dele? - ela nos encarou.

- O Max é assim, gosta de resolver sozinho os problemas dele. – Nathan se ajeitou na cama.

- Ta vendo Megan, da um tempo pra ele. – comentei.
 
- Só sei que eu não vou aguentar levar patada e ficar calada não. Quero ir pro apart.

- Calma Megan, olha amanha é ano novo certo? – perguntei incerta.

- Sim amor. – Nathan me abraçou por trás.

- Então, você vai vim pra cá de qualquer jeito, então... fica mais essas duas noites e depois você vai.

- Legal, passar o ano novo desse jeito.

- Para de ser pessimista, amanha ele vai estar bem melhor. – sorri.

- Vai mesmo. – Nathan concordou.

- Duvido. – ela se levantou e saiu do quarto.

- Que droga. – falei brava.

- O que foi? – Nathan me olhou.

- O Max é um merda quando quer.

- O que será que ele tem?

- Não sei Nathan, desde que não seja uma amante. – suspirei pesado.

- Será que ele teria...? Não acho que não, ele ama a Meg.

- Eu espero que ame mesmo, por que ela ama muito ele.

- Mas sei lá, o Max é tão apaixonado por ela, passou tudo aquilo pra deixar ela por outra?

- Paixão e amor são coisas diferentes. Mas eu acho que você tem razão.

- Ah Roxy, sei lá, ele não seria louco de trocar a Megan.

- Bem... isso é entre eles dois, não podemos fazer nada.

- É verdade. – ele sorriu.

- Bem, agora que já tomamos banho, fomos interrompidos, e ouvimos um desabafo, que tal um café da manha bem reforçado?! – sorri.

- Com toda a certeza. – ele sorriu e me deu um beijo rápido.

- Nathan... minha dor de cabeça passou. – comecei a rir assim que nos levantamos da cama.

- Hum passou foi? – ele sorriu abertamente.

- Uhum, efeitos colaterais de Nathan Sykes. – gargalhei alto e ele me acompanhou.

- Sou um bom remédio.

- Convencido. – mostrei a língua.

- Que nada. – sorriu.

- Só um pouquinho. – comecei a rir.

Descemos as escadas e fomos até a cozinha, as cadeiras estavam foras do lugar e todas juntas, provavelmente o Jay tinha dormido ali.  Ajeitei tudo e comecei a preparar o café da manhã enquanto o Nathan ficava mongando como sempre.

- Panquecas? – perguntei.

- Uhum. – ele sorriu.

Comecei a preparar as panquecas e um chá pro Nathan... depois que os dois estavam prontos coloquei na mesa e peguei algumas coisas na geladeira, arrumei a mesa caso chegasse mais gente para tomar café da manha e me sentei ao lado do Nathan. Roubei uma de suas panquecas e peguei um pouco de café.

- Já pode casar. – ele sorriu pra mim.

- Todo mundo fala isso, acho que cozinho bem mesmo.

- Demais. – ele falou com a boca cheia.

- Nathan come devagar, a comida não vai sair correndo. – comecei a rir.

- Mas ta gostoso. – ele bebeu seu chá.

- Meu Deus, você vai passar mal desse jeito.

- Hum, mas me diz como vai ser o ano novo? – ele parou de comer.

- Que eu saiba a gente ia comer aqui, e depois ia pra perto da London Eye ver os fogos. – falei animada.

- Então ainda ta de pé esse plano?!

- Mas é lógico que sim, se vocês desistirem eu vou sozinha nem que esteja chovendo, nevando... vai ser lindo.

- Calma aê. – ele levantou os braços. – a gente vai.

- Quero só ver. – tomei meu café.

- Roxy, amanha a gente vai pra London Eye.

- Ta eu já entendi, é que eu to animada. Ver como é o ano novo em Londres.

- Nada tão animador. Só vai ser bom porque vou estar ao seu lado. - ele pegou minha mão.

- Lógico que é animador. – sorri e entrelacei nossas mãos. – vai ser tudo perfeito.

- Onde ta o meu celular? – Jay entrou na cozinha.

- Perdeu mais um? – perguntei.

- Acho que sim. – ele passou a mão nos cachos.

- Jay deve estar no seu quarto, você não apareceu com ele ontem na sala. – falei.

- Ah, então vou procurar. – ele sumiu da cozinha.

- Ta todo preocupadinho por causa da Tess. – comecei a rir.

- Tess? Eles estão juntos?

- Ainda não, daqui uns dias ela começa a frequentar essa casa também. – sorri.

- Mas eles já se viram depois daquele dia? – Nathan arqueou a sobrancelha.

- Eu tenho quase toda a certeza que sim, ele esta tão feliz. Isso é bom pra ele.

- E eu sou o ultimo a saber das coisas nessa casa. – Nathan rolou os olhos.

- Mas ninguém sabe de nada Nath, é que eu conheço bem o Jay.

- Conhece é? – ele me olhou.

- Ei! Nós somos amigos Nath, ele é como um irmão mais velho pra mim. Você acha que quem me ajuda quando você faz merda? – arqueei a sobrancelha.

- Não sei, e vamos parar com esse assunto porque estou prevendo uma briga. - ele riu pelo nariz.

- Não por favor, chega de brigas.

- E então...?

- O que? – me levantei e coloquei as canecas na pia.

- Sei lá, vamos fazer o que? – ele se espreguiçou.

- Preciso das meninas. – falei rapidamente. – não tenho roupa pro ano novo, preciso de um banho de lojas.

- Então vão lá se divertir. Eu vou voltar a dormir.

- Nem pensar que você vai dormir mocinho, já dormiu demais.

- Ah Roxy deixa, aquilo tudo na hora do banho me deixou cansado. - ele esticou o braço e me puxou.

- Você não parecia cansado quando saímos do banho. – falei. – estava muito animado, isso sim.

- Mas agora de estomago cheio me deu preguiça.

- Vai se divertir com os meninos, sei lá façam uma tarde masculina enquanto estivermos fora. Vai ser bom pra vocês.

- Com eles? Tem certeza? Max não está em casa, Jay tem mais preguiça do que eu, Tom e Siva juntos.

- Para de ser preguiçoso Nathan, vai ser bom pra vocês. Pensa você e os meninos não passam um dia sozinhos a muito tempo, se divirtam, bebam façam bagunça. Mas nada de outra mulheres. – o encarei séria.

- Tentarei se a preguiça deixar. – ele sorriu.

- Que namorado mais folgado eu fui arranjar meu Deus.

- Ah Roxy. – ele me beijou.

- Ah Nathan... – sussurrei acariciando a sua nuca e ele estremeceu. – agora você já esta mais animado ta vendo?!

- Então é melhor você sair daqui se não quiser se cansar mais um pouquinho. - ele sorriu malicioso.

- Essa proposta é tentadora, mas eu tenho que fazer compras pro ano novo, tenho que estar bonita certo?! – sorri e dei um selinho rápido nele.

- Certo então vai lá.

- Tchau amor. – dei um beijo rápido nele e sai da cozinha, chamei as meninas e expliquei tudo pra elas que assentiram rapidamente. Conversei com os meninos também e eles logo se animaram por terem a casa só pra eles novamente. Pegamos um táxi e minutos depois já estávamos entrando no shopping para escolher nossas roupas.

- Não sei o que comprar pra vestir. – Megan olhou a vitrine.

- Vamos passar de branco? – Naree perguntou.

- Acho que sim né?! – sorri fraco.

- É ai a gente coloca alguns acessórios. - Claire falou

- Que deem cor. - Meg sorriu.

- Perfeito. – Naree falou animada.

- Ai eu gosto daquela loja. – sai correndo e entrei na mesma sendo acompanhada pelas meninas.

- É tem roupas bonitas. – Meg falou.

- Então vamos as compras. – Naree riu.

Começamos olhar cada peça de roupa branca possível naquela loja, como sempre saímos com várias sacolas da loja, entramos em lojas de acessórios, sapatos, maquiagens e até bolsas. Depois de todas aquelas compras nós fomos até a praça de alimentação, a fome estava grande como sempre.

- McDonald's? - Claire perguntou.

- Eu quero algo mais leve hoje, eu e o Nathan tomamos um café da manha reforçado. – sorri fraco e encarei a Megan que começou a gargalhar alto.

- Perdemos alguma coisa? – Naree perguntou.

- Quase. – Megan continuou gargalhando.

- Seguinte a Megan invadiu o quarto do Nathan quando nós íamos... erm... vocês entenderam.

- Megan destruidora de alegrias. – Claire gargalhou surpresa.

- Vou trancar a porta do quarto do Siva. – Naree riu.

- Se ela chegasse um pouquinho depois, pegava a gente no ato. – gargalhei.

- Eca! Que cena horrível. – Megan colocou a mão no rosto.

- Ah cala a boca. – a empurrei.

- Voltando ao que vamos comer, por favor. – Naree riu.

- Sei lá, tanto faz. – Claire deu de ombros.

- Escolham. – Megan sorriu.

- Eu vou comer comida japonesa. – relaxei na cadeira.

- Sushi é legal. – Megan comentou.

- Temaki também é ótimo. – me levantei. – alguém vai querer?

- Eu quero sushi. – Claire falou.

- Eu também. – Megan sorriu.

- Naree? – perguntei.

- Por mim tudo bem.

- Beleza. – sai e fui fazer os nossos pedidos. Enquanto eu estava fazendo o pagamento, os nossos pratos já estavam sendo preparados. Não demorou muito e eu já estava de volta a mesa comendo o meu temaki de salmão.

- Ainda bem que foi rápido. – Megan sorriu.

- Poucas pessoas gostam de comida japonesa. – dei de ombros.

- É verdade. – Claire confirmou pegando o seu prato.

- Os meninos vão destruir a casa. – comentei.

- Espero que não, pois ainda quero um teto para dormir. – Megan falou.

- Desde que não tenham mulheres lá. – Naree riu.

- Eu falei com o Nathan, e eles não iam levar nenhuma mulher até lá.  – continuei comendo e analisando as mesas ao redor, até que meus olhos pararam em uma não muito longe, uma moça jovem, bonita e muito bem vestida segurava a mão de um rapaz forte, bonito e charmoso. Se eu sabia quem era aquela cara? Ah sim, conhecia muito bem e também conhecia a minha amiga, que faria de tudo para não acreditar naquela cena.

- O que foi Roxy? – Claire me olhou.

- Na-nada. – desviei meu olhar para a minha comida.

- Anda Roxy deixa de ser... – Claire se calou.

- Mas o que esta acontecendo? – Megan perguntou,

- Também quero saber. - Naree olhou para trás e se virou rapidamente nos encarando espantada.

- Mas que tanto vocês olham pra trás? - Megan olhou. Ela apertou os olhos e continuou olhando chocada - Max?

- Não a gente deve estar confundindo. – sorri nervosa.

- É não deve ser o Max, o cara nem tem tatuagem. – Nareesha falou.

- É ele sim! Vocês não estão vendo? – Megan já estava chorando.

- Não é Meg! – Naree se levantou.

- Vamos embora. – me levantei rapidamente e puxei a Megan junto.

- É ele eu tenho certeza! Roxy ta na cara! Ele esta me traindo. - ela não parava de chorar.

- Vamos pra casa, vai começar a chover. – continuei a puxando chamamos um táxi. Assim que chegamos em casa a chuva apertou, chegamos correndo até a porta que estava trancada e começamos a chuta-la para poder entrar.

- Calma ai. – ouvimos a voz de Jay e ela logo foi aberta.

- Eu to congelando. – falei entrando totalmente molhada.

- Vamos nos secar. - Claire largou as sacolas no sofá.

- Como foi o passeio? - Nathan apareceu.

- Era ele... – Megan soluçava baixo.

- Ele quem? – Siva apareceu ajudando Nareesha.

- Jay... você ajuda a Megan? Leva ela até o quarto por favor?! – pedi e ele assentiu rapidamente.

- Vamos lá. – Jay a pegou no colo e a levou para cima.

- Eu não sei o que fazer gente.

- O que aconteceu? – Tom perguntou confuso.

- O Max estava com outra. – Falei me sentando encolhida no sofá.

- O Max o que? – Nathan me encarou.

- Ele estava de mãos dadas com outra. – Naree respondeu por mim.

- Eu não acredito! - Siva passou a mão nos cabelos.

- Mas logo o Max que até outro dia não largava da Megan. - Nathan se sentou ao meu lado e me abraçou.

- Por que ele fez isso Nathan? Poxa, a Megan sempre foi tão carinhosa com ele e tudo mais... – falei apertando-o cada vez mais ao meu corpo. – logo agora que eles estavam bem.

- Eu também estou tentando entender. – ele me abraçou de volta.

- Ela esta chocada. – Claire suspirou.

- Não é pra menos também poxa. – Tom se sentou em uma das poltronas com a Claire em seu colo.

- Ele fez mancada. – Siva puxou Nareesha até o sofá.

- Como será quando ele chegar? – Nathan perguntou.

- Não faço ideia. – peguei a garrafa de vodca sobre a mesinha.

- Já vai beber? – Jay voltou a sala.

- Esquecer os problemas. – dei de ombros e assim que ia virar a garrafa, Nathan a tomou da minha mão.

- Essa hora não Roxy. – ele me repreendeu.

- Só a gente pode. – Tom riu.

- Isso é maldade. – fiz cara de brava.

- Só estamos dando o troco. – Siva piscou.

- Haha gracinha. – Naree mostrou a língua.

- Fazer a gente morrer de frio estava nos planos? – perguntei.

- Não, isso foi por acaso que deu certo. – Nathan gargalhou.

- Eu te odeio. – continuei brava.

- Não fica assim. – ele me olhou.

- Começou o drama. – Tom comentou divertido.

- Não tem drama nenhum aqui. – falei.

- Chega disso, vamos subir que é o melhor. – Nathan chamou.

- Ah não, to com preguiça. – me deitei no sofá.

- Vocês são muito preguiçosos. – Nareesha se levantou e saiu com Siva.

- Então fica ai que eu quero dormir. – Nathan sorriu e caminhou para a escada.

- Ta bom. – dei de ombros, liguei a televisão e peguei a garrafa de vodca que tinha sido tomada da minha mão.

- Vamos Claire. – Tom a puxou e também sumiu.

- To subindo, sério que não vem? – ele estava parado na escada.

- Aqui ta tão quentinho. – me ajeitei no sofá pra conseguir olha-lo.

- Então posso ir? – perguntou.

- Vai Nathan, faz o que você quiser. – voltei a olhar a televisão.

- Ta perdendo o calor do meu abraço. - ele gargalhou e começou a subir as escadas.

- Nathan!! – gritei do sofá.

- Oi. – ele me olhou com um sorriso nos lábios.

- Me carrega?! – falei manhosa.

- Vem aqui. – ele abriu os braços pra mim.

- Ebaa! – me levantei e fui até ele que logo me pegou no colo, passei meus braços ao redor de seu pescoço, e ele voltou a subir as escadas.

                                       Jay's Pov

 Mais um dia, e não era um dia qualquer. Era véspera de ano novo, sai do banheiro logo após um banho demorado. Olhei no relógio e iam dar 8:00 hrs da manhã, puxa vida acordei cedo demais. Ouvi a porta de algum quarto bater e então abri a porta para ver quem era. Max estava saindo outra vez, todo vestido com roupa e frio.

- Vai aonde Max? - acho que ninguém havia contado a ele que o “segredinho” dele foi revelado.

- Resolver umas coisas. – ele sorriu animado.

- Vai lá. - rolei os olhos e fechei a porta. Como o Max estava sendo tão cara de pau a esse ponto? Me joguei na cama pensando onde meu amigo de antes foi parar. Quando os meus olhos estavam quase se fechando, meu celular começou a tocar. Sai procurando ele por debaixo das coisas, seguindo o som, até encontra-lo dentro do cesto de roupa suja, vi a tela e sorri.

- Tess? - falei assim que atendi.

- Oi Jay, tudo bem? – ela falou animada.

- Nunca mais tinha me ligado, estava com saudades. - sorri me jogando na cama.

- Eu estava meio ocupada esses dias, minha mãe pega muito no meu pé. – ouvi ela rindo. – eu senti sua falta.

- Eu também senti a sua, temos que nos encontrar mais.

- Concordo plenamente. Que tal hoje a tarde?

- Pode ser, a onde você quer ir?

- Não sei, pode escolher.

- Hum eu também não sei. – sorri sem graça.

- Vamos ao cinema? Esta frio, não temos muitas opções.

- Claro que horas posso passar ai?

- Que tal umas 10 hras, é até melhor irmos cedo, já que você não pode ser visto em publico. – ela riu.

- Tudo bem, daqui a pouco chego ai... vou matar a saudade. – sorri.

- Vou estar te esperando para matar toda essa saudade.

- Então até daqui a pouco. - ela riu e desligou. Sai do quarto e corri pelo corredor, descendo a escada pulando. Cheguei na cozinha e Roxy e Nathan estavam lá.

- Bom dia! - respondi abrindo a geladeira.

- Ótimo dia. – Roxy sorriu largamente. Comi rapidamente uma maçã e fui até Roxy a abraçando, bati na cabeça de Nathan e gargalhei.

- Tenho que ir! – falei.

- Tenha um bom encontro. – Roxy riu.

- Como sabe? – sorri.

- Já vai encontrar a Tess? – Nathan gargalhou.

- Para Nathan. – Roxy bateu no braço dele. – Jay eu te conheço muito bem, você não estaria tão feliz assim se não fosse para encontrar alguém.

- Eh... na verdade estou indo mesmo. E estou atrasado tchau! - sorri e sai correndo da cozinha, voltei ao meu quarto, troquei de roupa, vestindo uma camisa com capuz e logo já estava fora de casa. Dirigi com o carro até o local da casa dela. Parei em frente a bela casa e peguei meu celular, mandando uma sms pra ela.

xx Estou aqui :) xx Jay.

Esperei 5 minutos e ela logo saiu da casa, estava linda de Jeans e cabelos presos. Ela deu a volta no carro e entrou.

- Oi! - sorri pra ela.

- Oi! – ela beijou o canto da minha boca. Virei um pouco o rosto e nossos lábios se tocaram, nos afastamos e sorrimos um para o outro.

- Vamos para o cinema?

- Claro!

Dei a partida no carro e começamos a andar pelas ruas de Londres já meio movimentadas pela manhã. Ficamos conversando o caminho todo e a convidei para o nosso próximo show depois que nosso descanso acabasse.

- Chegamos. - parei o carro no estacionamento do Shopping.

- Até que não demorou muito. – ela sorriu.

- Vamos! - peguei em sua mão e caminhamos pelo shopping. Como era meio de semana e também feriado de ano novo, o shopping estava vago e o acesso até o cinema estava facilitado.

- Que filme quer assistir? – perguntei.

- Tem um de comédia romântica passando, só me esqueci do nome.

- Espera um segundo aqui. - falei pra ela e fui até a bilheteria. Comprei os ingressos e minutos depois voltei a ela - comprei esses daqui, a gente não vai prestar atenção no filme mesmo. – sorri.

- Eu já assisti esse filme mesmo. – ela sorriu e caminhou até a sala.

- Vou comprar pipoca. - corri até a lanchonete e comprei um balde de pipoca. Voltei até ela e peguei em sua mão, a levando para dentro da sala

                               Megan's Pov

Abri os olhos e eles estavam ardendo, acho que chorei tanto que acabei pegando no sono. Me lembro de Jay me trazendo para o quarto e me abraçando, ai depois disso apaguei totalmente. Olhei o relógio e ia dar 11:00 hrs da manhã, me espreguicei e mais uma vez, Max não estava na cama, e por incrível que pareça, agradeci por isso. Não sei qual vai ser a minha reação quando vê-lo. Ale está me traindo e isso eu não conseguia me conformar, estávamos tão bem ai de um dia para o outro ele fica estranho, me levantei e resolvi tomar um banho, para ver se toda a minha angústia ia embora. O que só piorou pois me fez chorar ainda mais debaixo do chuveiro. Sai debaixo da água e me enrolei na toalha, encarando o meu reflexo no espelho, quando ouço a porta do quarto bater.

- Roxy é você? – perguntei com a voz rouca.

- Bom dia amor! – Max se aproximou.

- Bom dia! - falei baixo e desviei dele, indo para o guarda roupa procurar alguma roupa minha. Agora ele vinha me chamando de amor, dando bom dia, depois que eu descubro tudo.

- Aconteceu alguma coisa? – ele se sentou na cama.

- Não. – respondi seca sem olhar em seus olhos.

- Então vamos tomar um café?

- Estou sem fome. - ajeitei o cabelo em um coque frouxo, me olhando no espelho sem ao menos me virar para ele.

- Então quer ir comprar alguma coisa, ver um filme?

- Não quero sair de casa. - me sentei na mesinha e liguei o Notebook afim de ignora-lo.

- Então a gente pode ver um filme aqui mesmo.

- Só quero ficar sozinha... um pouco. – pedi.

- Er... ta bom... eu to lá embaixo qualquer coisa.

- Não precisa, eu to descendo. - me levantei e sai, batendo a porta do quarto. Ouvi a porta se abrindo novamente, mas não olhei. Desci as escadas e me joguei no sofá, onde estavam todos assistindo uma partida de futebol.

- Bom dia também Megan! - Claire falou.

- Bom dia. - respondi e prestei atenção na TV.

- Quem quer chá? – Roxy saiu da cozinha trazendo algumas canecas.

- Eu! – Nathan pulou no sofá.

- Eu também quero, to com fome. – falei.

- Mas... – ouvi Max dizer baixinho.

- Então um pra Megan e um pro baby. – Roxy nos entregou as canecas e colocou o resto sobre a mesa.

- Obrigada. – sorri.

- E o meu? - Claire pediu.

- Toma um pouquinho. - dei um pouco a ela.

- O meu eu não dou pra ninguém. - Nathan falou.

- O bebê não vive sem o chazinho é? – Tom fez voz de criança.

- Cala a boca! - Nathan fechou a cara e mostrou o dedo.

- Então, dormiram bem? - Nareesha perguntou.

- Uhum! – Tom sorriu malicioso.

- Esse dai tem história. - Seev sorriu.

- Calado Tom! - Claire ficou vermelha.

- Ué gente só falei que dormi bem. – ele sorriu.

- Eu também dormi bem, junto com a Roxy. - Nathan sorriu.

- Nathan! – Roxy de um tapa de leve no braço dele.

- Nossa estamos com revelações então? – Naree perguntou divertida.

- Muitas revelações. – Siva sorriu.

- Parece que o Siva quer falar algo. – sorri.

- Fala sério, todos tiveram uma noite boa. – Tom riu.

- Nem todos. – falei olhando para a TV.

- É ANO NOVO. – Roxy pulou no sofá de repente, apenas para mudar de assunto, já que todos tinha parado para me encarar.

- Alguém segura essa menina? - Nareesha sorria.

- Roxy! Já sabemos que é ano novo. - Nathan sorriu.

- Qual é gente, vamos nos animar. – Roxy desceu do sofá e desligou a televisão.

- O que você vai fazer? – Tom perguntou.

- Musica. – ela respondeu e colocou um CD, reconheci como sendo um dos seus favoritos do The Black Eyed Peas.

- Vai dançar? – Nathan sorriu.

- Nós vamos. – Roxy o puxou.

- NÓS? – ele gritou praticamente assustado, o que me fez gargalhar.

- Uhum. – Roxy sorriu. – mas, espera ai. – Roxy puxou Tom e Claire, que puxaram Siva e Nareesha.

- Aê vamos dançar! - Claire sorriu.

- Vem amor. - Nareesha começou a dançar e Siva não sabia para onde se mexia, me fazendo quase rolar no sofá de tanto rir.

- Ó Nath, você põe as suas mãos na minha cintura, enquanto eu seguro em seus ombros. – Roxy foi o guiando.

- Meu Deus que desengonçado! - gargalhava tanto que chorava.

- Vixe eu to arrasando. – Tom riu.

- Ta, demais! - rolei no sofá rindo do modo que ele dançava, e o mais engraçado é que Claire era do mesmo jeito.

- Vocês são o casal perfeito. – Naree riu dos dois.

- São mesmo! - sorri e olhei para o lado onde Max estava encostado no sofá os observando.

- Nathan me ensina a rebolar. – ouvi Tom falando.

- Assim ó! - Nathan começou a mexer os quadris de uma forma tão estranha, mas tão estranha que eu comecei a gargalhar mais ainda.

- Vocês não sabem? É assim ó - me levantei e mostrei para eles.

- Você não pode ver essas coisas amor. – Roxy cobriu os olhos do Nathan rindo.

- Ah deixa o Baby ver. - sorri puxando ele. - vamos rebolem todo mundo.

- Olha amor to aprendendo. – Tom gritou para Claire.

- To vendo ai. – ela sorriu.

- Eu não aguento ver isso. – Roxy riu e foi para a cozinha.

- Er... eu já venho. – Max foi atrás dela. Fiquei olhando os dois sumindo pela porta da cozinha.

- É isso ai, mecham assim. - falei sem nem me dar importância.

- Siva se mexe direito. – Naree riu.

- Sou o que mais dança aqui. - ele se mexeu e começamos a gargalhar.

- Isso cansa! - Nathan gritou.

- Claro! Você é um obeso, não faz exercícios. – falei.

- Eu sou o melhor daqui. – Tom riu.

- NÃO ACREDITO MAX! – Roxy gritou da cozinha e paramos na hora.

- O que esta acontecendo? - Nathan caminhou rapidamente até a cozinha, os outros foram atrás dele e eu fiquei sozinha na sala. Depois de minutos que comecei a andar até lá, ele provavelmente tinha falado a verdade sobre a amante a Roxy.

- Não acredito que você vai fazer isso. – ouvi Nareesha comentando.

- Isso o que? – falei e todos me olharam.

- Nada! – Roxy sorriu nervosa. – preciso de um banho, você vem Nathan?

- Claro! - ele sorriu.

- Não vão me dizer o que é? - perguntei nervosa já sabendo o que seria. Max iria me deixar.

- Não é nada demais Megan, vai por mim. – Tom sorriu. Passei a mão nos cabelos nervosamente e olhei para Max, me virei e sai rapidamente, subindo as escadas e indo para o quarto. Cheguei lá me joguei na cama de cara virada no colchão.

- Megan, o que esta acontecendo? – ouvi a voz de Max.

- Me deixa. – pedi com a voz abafada.

- Olha pra mim Megan. – ele pediu se ajoelhando na minha frente. – você acha mesmo que eu te trai?

- Não acredito em você Max, não depois do que eu vi. - falei com a cara ainda no colchão.

- Eu sei o que você viu, e eu não estava com aquela mulher por esses motivos que você esta pensando.

- Ah não Max? Quer dizer que ela pegando na sua mão era apenas um cumprimento formal, nossa. - olhei pra ele, sentindo as lágrimas tentarem escapar.

- Não chora por favor. – ele passou a mão pela a minha bochecha. – hoje a noite você vai entender tudo, eu prometo.

- Hoje a noite você vai me deixar não é? Depois de tudo que você falou pra mim, porque não acaba logo com isso de uma vez?

- Te deixar? Da onde você tira essas ideias malucas Meg? Eu nunca faria isso.

- Não pareceu esses dias.

- Me desculpa por te ignorar, é que eu estava com alguns problemas e precisava resolver logo.

- Custava me dizer? Eu não sou tão assim incompreensível não, eu poderia escutar seu problema. -enxuguei as lágrimas.

- Eu sei, mas hoje a noite você vai entender tudo e espero que fique feliz. – ele sorriu.

- Tenho medo do que você vai aprontar. - olhei as unhas.

- Não precisa, vai ser maravilhoso.

- Não deveria ficar assim, tão mansa com você logo, não sei o que você aprontou ou vai aprontar. -me sentei na cama.

- É sério, confia em mim.

- Eu devo confiar?

- Sempre.

- Não sei. Perdeu pontos comigo. - o olhei nos olhos.

- Você não quer acreditar, então tudo bem. – ele se levantou. – mas eu não vou deixar de te fazer feliz hoje a noite.

- Esperarei para ver, talvez ganhe minha confiança novamente. – sorri.

- Tenho certeza que vou.- ele saiu do quarto.

Fiquei pensando em tudo que ele disse, não sabia se podia confiar nele outra vez, porque tinha que ter alguma explicação lógica pra ele ficar me ignorando, e aquela mulher no shopping? Resolvi lavar o rosto, voltei e me joguei na cama.  Fiquei por alguns minutos pensando e acabei dormindo. Acordei eram 19:00 hrs. Ouvia alguns passos pela casa, me levantei e sai para fora do quarto.

- Vamos Megan, só falta você e o Nathan. – ouvi a Roxy batendo na minha porta.

- Ann? Mas já? - voltei para o quarto. Tomei um banho e vesti a roupa do ano novo. Sai do quarto e Roxy estava muito ansiosa.

- Calma Roxy não precisa disso... nossa você ta linda. – sorri.

- Ann? – ela olhou pra sua roupa. – ah obrigada você também esta linda.

- Então como vai ser? - perguntei enquanto descíamos as escadas.

- Jantar aqui, virada de ano London Eye.

- Nossa, que maravilhosa. - Nathan babava em Roxy sentando no sofá.

- Obrigada amor. – ela corou e se sentou ao lado dele e sussurrou alguma coisa.

- Você esta linda Meg. – Max veio até mim.

- Obrigado. – falei e abaixei a cabeça.

- Então, nós vamos comer que horas? – Tom perguntou.

- Pode ser agora? Tom com fome. – Jay sorriu.

- Por mim, tanto faz. – Roxy deu de ombros.

- Então vamos logo jantar. - falei e caminhei até a mesa de Jantar onde as coisas já estavam prontas, nossos pais também já estavam lá e cumprimentei a todos.

- Deu fome só de olhar pra toda essa comida. – Max riu e sentou-se.

- Vamos comer antes que o Tom a engula só com os olhos. - Nathan falou e sorrimos.

- Vamos! – Roxy se sentou.

Começamos a Jantar e o silêncio reinou na mesa por alguns instantes, antes de todos começarem uma conversa formal. Fiquei calada enquanto comia, sozinha em meus pensamentos, que estavam diretamente ligados a pessoa sentada na minha frente. O que Max estava pretendendo fazer? Porque ele estava estranho? E aquela mulher? As perguntas não paravam de atormentar minha cabeça até que percebi que tinha terminado.

- Quem quer sobremesa? - perguntei me levantando sem animo.

- EU!!!! – Naree gritou.

- Calma, vou pegar! - sorri com o desespero dela e fui a cozinha. Peguei a sobremesa na geladeira e voltei a sala.

- Oba! - Tom esfregou as mãos.

- Podem se servir. - falei e deixei a sala, indo para o sofá.

- Ei não vai comer? – Roxy apareceu com dois potes.

- Não, estou cheia. – sorri.

- Ah eu trouxe pra você. – ela fez bico e sentou-se ao meu lado.

- Só porque você fez o favor de trazer eu como. - dei a língua e peguei o pote de sua mão.

- Eba! – ela se animou e colocou uma musica. - The clock hit 12, as she entered the room, but if looks could kill then we all would be doomed. After just one kiss you're not able to move, from her venomous lips and her poison perfume. – Roxy se levantou e começou a dançar em volta do sofa.

- She starts swaying so sexy, and looking at me, and it got me, caught in her mind control. This place is prison, I'm chained up, I give up and, I'm at her mercy, She wouldn't let me go. - comecei a cantar e me levantei, dançando junto com ela.

- She said she likes to dance all by herself, 'cause she's a party girl. She don't care for nobody else she's in her own world. – cantamos juntas essa parte enquanto Naree e Claire apareceram curiosas na sala.

- Mas McFLY? – Claire sorriu.

- Eu gosto das musicas deles. – Roxy comentou.

- São contagiantes. – falei.

- Então bora pra London Eye? São 23;00 hrs. - Nathan apareceu na sala.

- VAMOS! – Roxy gritou animada e pulou em Nathan.

- É, vamos. - falei pensativa, talvez parasse de ter medo e fosse logo descobrir o que tanto Max esconde e iria me contar.

- Vamos dividir nos carros. – Tom falou abrindo a porta.

Saímos da casa e nos dividimos: Nathan, Roxy, Jay, Max dirigindo e eu no banco da frente íamos em um carro enquanto no outro ia Tom, Claire, Nareesha e Siva dirigindo. Nossos pais não quiseram ir, foram para um pub ali perto então demos feliz ano novo a eles e fomos. Pegamos um pouco de congestionamento até conseguirmos chegar em uma rua para estacionarmos, descemos e fomos até o local onde estavam reunidos várias pessoas aos pés da London Eye.

- Aqui está ótimo. - Nathan falou.

- Ótimo? Aqui esta perfeito. - Roxy sorriu.

- Vamos nos sentar naquela mesa vaga ali. - Jay correu e se sentou na mesa antes de alguém pegar. Caminhamos até ela e nos sentamos.

- Desesperado. – Naree riu.

- Guardando lugar ou iriam ficar em pé até a hora dos fogos. - ele falou sorrindo, fazendo o vento bagunçar seus cachos.

- É não seria confortável. – Tom comentou.

- Ah eu to muito ansiosa. – Roxy estava inquieta.

- Calma que ainda são 23:30. - Siva falou.

- Deve ser lindo os fogos. – sorri.

- São maravilhosos. – Max comentou.

- Então, vamos pedir algo? – sugeri.

- Eu quero uma coca. - Roxy respondeu.

- Eu também. – Claire falou.

- Nada de refrigerante. - Jay se levantou. - volto já.

- Onde será que ele foi? – perguntei.

- Eu não quero beber hoje. – Naree falou.

- Eu também não. – Roxy concordou.

- Voltei. - Jay estava de volta e colocou em cima da mesa um litro de Champanhe. - podemos estoura-lo na hora do ano novo.

- Que chique. – sorri.

- Faltam quantos minutos? – Roxy balançava as pernas sem parar.

- 15 minutos. - Nathan sorriu e a abraçou para ela se aquietar.

- 15 minutos de angústia. - Claire falou.

- É muito. – Roxy deitou a cabeça na mesa.

- Logo passa. - Siva sorriu.

- Daqui a pouco começa. - olhei para o lado do rio.

- Gente vai demorar. – Naree falou.

- Acalmem-se. – Tom riu.

- 10 minutos. – Jay olhou o celular.

- Só se passaram 5 minutos? – Roxy perguntou indignada. – fala sério.

- Ta perto da meia noite, calma. – falei. Ficamos enrolando ali até que faltava 2 minutos pra 00:00.

- Gente vamos! - Claire se levantou puxando Tom até os pés da London Eye.

- VAMOS NATHAN! – Roxy o puxou fazendo-o quase cair da cadeira.

- Calma! - ele sorriu e saiu atrás dela. Jay, Nareesha e Siva foram e então eu resolvi me levantar para ir.

- Vamos! – Max pegou a minha mão e me puxou também. Paramos perto dos outros, todos olhando para o local dos fogos, quando começamos a gritar a contagem regressiva.

- 5.

- 4.

- 3.

- 2.

- 1.

- Feliz ano novo! - Todos gritaram e os fogos começaram a explodir no céu, iluminando a London Eye e o rio Tâmisa. Ouvimos o estalar do champanhe e Jay estava o jogando pra cima.

- Feliz ano novo! - Gritei para Todos. Roxy e Nathan se beijavam, assim como Claire e Tom, Nareesha e Siva. Jay estava bebendo o champanhe na boca.

- Megan... – Max sussurrou perto do meu ouvido.

- Feliz ano novo Max. - me virei e sorri para ele.

- Ainda não é feliz, eu preciso que você me responda uma coisa. – ele se afastou um pouco. O encarei aflita, o que será que ele ia fazer?

- Pode dizer. - falei em meio a toda a alegria da multidão.

- Vou ser direto. – ele se ajoelhou na minha frente. – você aceita se casar comigo?

- Ann? - senti todo o sangue do meu rosto sumir e minhas mãos começarem a tremer. Fiquei o encarando de joelhos a minha frente e eu tentava de todas as maneiras me aguentar nas pernas.

- Eu te amo Megan, e quero você comigo pro resto da minha vida. Você aceita?

- E-eu... - as lágrimas começaram a descer pelo meu rosto com velocidade. - Sim Max! sim! - quase gritei para ele, sorrindo.

- Mereço um abraço da minha noiva não? – ele se levantou e abriu os braços sorrindo.

- Eu te amo Max! - pulei em seus braços e o abracei. Ele começou a me girar no ar e logo parou.

- Desculpa por esses últimos dias, é que as alianças que eu tinha encomendado não tinha chegado, então eu tive que correr pra conseguir outra em dois dias. – ele falou e colocou as mãos no bolso retirando uma caixinha de veludo vermelha.

- Então, por isso aquela mulher pegando em sua mão? - sorri, limpando as lágrimas.

- Uhum. – ele me abraçou pela cintura. – eu não seria nem louco de te trair.

- Eu já estava com medo de você me deixar hoje. - sorri perto dele.

- Eu percebi. – ele riu. – eu não podia falar nada, se não ia acabar com a surpresa.

- Posso ver as alianças? – pedi curiosa.

- Eu já estava esquecendo. – ele sorriu e me entregou a caixinha.

A abri e as olhei, eram perfeitamente lindas, a dele era um pouco mais grossa e a minha fina. Retirei a minha e olhei dentro: tinha o nome "Max", puxei a dele e tinha gravado "Megan" sorri abobalhada com aquilo.

- São perfeitas! - falei as colocando na caixinha.

- Me daria a honra? – ele pegou a minha mão enquanto segurava a minha aliança.

- Com toda a certeza! - falei já prevendo outra seção de choro. ele deslizou o anel no meu dedo e puxou minha mão, dando um beijo em cima, comecei a chorar e sorrir ao mesmo tempo.

- Posso? - perguntei pegando a mão dele.

- Lógico. – ele sorriu. Peguei a sua mão direita, a mão de noivado, e coloquei a aliança, dei um beijo e sorri para ele.

- Pode soar idiota mas... nem acredito que vamos nos casar. – Max sorriu largamente.

- Nem eu Max. - selei nossos lábios em um beijo profundo, depois de minutos nos separamos.

- VOU CASAR! - gritei para os meninos que estavam reunidos bebendo o champanhe.

- AWWN MINHA MANINHA VAI CASAR. – Roxy gritou e se jogou em cima de mim.

- Foi por isso que gritou hoje de manhã na cozinha? - a abracei mais.

- Uhum! O Max ia me matar se o Nathan não aparecesse. – ela riu.

- Max! - bati em seu braço.

- Ela ia acabar com a surpresa. – Max deu de ombros.

- Parabéns! - Siva veio e me abraçou, depois empurrou Max, sorrindo.

- Obrigado cara. – Max sorriu.

- PARABÉNS!! – Tom gritou e me abraçou.

- Obrigada Tom. – abracei-o mais forte.

- Abraço coletivo. – Jay abriu os braços e veio até nós. Todos nos abraçamos e rimos com aquilo, as pessoas em volta sorriam, afinal, era ano novo.

- Meu ano começou maravilhoso. - abracei Max pela cintura.

- Você sabe né que esse ano, você vai ter que preparar tudo pro casamento, decoração, convites, roupas, buffet. – Roxy foi enumerando. – perai, vocês vão comprar outra casa?

- Calma Roxy! Acabei de virar noiva a apenas meia hora atrás, e eu não sei sobre casa... - olhei para Max.

- Isso a gente resolve depois. – ele sorriu e me abraçou.

- Ai vai ser tudo tão lindo. – Naree falou.

- Aê Max pra quem disse que nunca ia se prender a ninguém. - Nathan sorriu.

- Olha agora, vai casar. - Jay bateu em seu ombro.

- Só precisava achar a pessoa certa. – Max me abraçou por trás.

- Awwn ele é fofo. – sorri para os meninos.

- O ano novo começou bom eim?! – Tom sorriu e pegou o champanhe.

- Bom demais! - Jay tomou dele e encheu seu copo.

- Não vão beber demais. - Claire sorriu.

- Hoje é dia de comemorar. – Roxy riu já virando  garrafa de champanhe.

- Roxy! Vai devagar. - Nathan pediu. Eles dois pareciam duas crianças cuidando uma da outra.

- Mas amor... – Roxy fez biquinho.

- Não! Chega! - ele tomou a garrafa, dando um selinho no biquinho dela. - desmancha esse bico.

- Não!! Você não me deixou beber.

- Segura isso aqui. - Nathan deu a garrafa para Jay, caminhou até Roxy e a levantou no colo e começou a gira-la. - agora desfaz o bico.

- Crianças. - Siva rolou os olhos.

- Não vai adiantar você fazer isso. – Roxy cruzou os braços.

- Coitada. – Tom riu.

- Ah é, então só tem um jeito. - ele a colocou no chão e a puxou, colando o corpo dela junto com o seu e logo a tomou em um beijo intenso.

- Nossa alguém socorre eles. - falei e Claire sorriu.

- Deixa as crianças se divertirem. – Max riu.

- Gosta de ver essas coisas né? - belisquei ele de leve.

- Eu não! – ele fez cara de nojo.

- Parem de se engolir. – Tom deu um tapa no ombro do Nathan.

- Sai seu viado. - Nathan olhou para ele sem folego e começamos a gargalhar daquilo.

- Vocês amam nos atrapalhar não é?! – Roxy falou ainda abraçada com Nathan.

- Talvez, talvez. – sorri.

- Você principalmente. – Roxy apontou pra mim.

- EU? – gritei fingindo espanto.

- Tranquem os seus quartos. – Naree gargalhou alto.

Olhei para Nareesha e Roxy e começamos a gargalhar, os meninos sem entender nada, apenas Nathan que estava vermelho de vergonha. Ficamos ali por várias horas, nos divertindo com as pessoas que também estavam ali. Quando olhamos o relógio já era 03:00 hrs da manhã, resolvemos voltar para casa, arrastando Jay que estava bêbado por ter misturado cerveja e whisky. Em casa, entrei no quarto, tomei um banho e me deitei na cama depois de um dia bastante abalado e uma noite maravilhosa. Senti Max deitando-se do seu lado e puxando o cobertor para nos cobrir, ele me abraçou por trás me puxando para ele.

- Boa noite. - falei dando um selinho nele.

- Boa noite amor. - me virei, e enquanto Max mexia nos meus cabelos, fiquei brincando com a aliança até pegar no sono.

Um comentário: