terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Capitulo 27



                                                           Roxy’s Pov

Eu já estava sentada em um dos bancos do parque esperando o tal produtor chegar, estava ansiosa e completamente nervosa, afinal pelo jeito que ele havia falado, seria uma ótima oportunidade pra minha carreira. Olhei em volta e comecei a procurar pelo cara, sinceramente eu esperava um baixinho, gordinho e que mal tinha cabelos ser o produtor, mas, avistei um garoto extremamente elegante, com seus cabelos dourados meio bagunçados e olhos azuis claros, vir até mim. Confesso que gelei, afinal o cara era lindo, charmoso e... Calma Roxy se concentra.

- Roxy Muller. – me levantei e estendi a mão.

- Dave Steven, prazer! - ele pegou minha mão e a apertou.

- Muito bem... qual a sua proposta? Estou curiosa. – falei.

- Podemos ir até uma lanchonete? Aqui é muito aberto para esse tipo de conversa. - ele colocou a mão em seu paletó.

- Claro!! – sorri e fomos andando em direção a lanchonete, durante o caminho, o silêncio foi total. Fizemos os nossos pedidos e ficamos esperando nossos cafés chegarem.

- Então senhorita Roxy, andei pesquisando e vi alguns vídeos na internet, você tocando na Boyband The Wanted. você é muito talentosa e brilhante. - ele sorriu.

- Muito obrigada. – sorri.

- Então... vimos que você é a única garota na banda... e pensei se você gostaria de aceitar o convite de ser a baterista de uma banda composta apenas de mulheres que estamos lançando.

- Isso é incrível. – falei animada. – minha própria banda, a atenção voltada para nós, será inacreditável. Mas...

- Mas... – ele incentivou.

- Eu sei que vocês precisam dessa resposta logo, só que eu preciso pensar, colocar as ideias no lugar.

- Precisamos rápido. - ele respirou. - mas você quer um tempo para pensar?

- Eu agradeceria, e muito.

- Posso te dar o prazo de dois dias. - ele retirou um cartão do bolso. - aqui o telefone para você entrar em contato.

- Obrigada, pode deixar que eu vou pensar muito bem sobre isso.

- Sabe que essa proposta é tentadora não? Ter sua própria banda, ser reconhecida internacionalmente. - ele sorriu enquanto pegava o seu café.

- Eu sei, esse sempre foi meu sonho, ter uma carreira, ser reconhecida por todos. Uma das grandes bateristas na história da musica. – falei animada.

- Isso é o que pode acontecer senhorita Roxy! Ter fama e fortuna, ser reconhecida, ter seus fãs, agarre essa oportunidade.

- Ai como eu te odeio por isso. – falei rindo e abaixei a cabeça.

- Me odeia? Por que? – ele sorriu.

- Poxa como eu posso abandonar aqueles garotos assim? Eles são praticamente a minha família, eu não sei o que fazer.

- Conversa com eles, diz que é o melhor pra sua carreira, se você quer vencer, ser grande, o primeiro passo é abandonar vida social e amigos e se dedicar.

- Abandonar amigos, família, namorado... – falei meio triste.

- Se quiser ser uma estrela...

- Eu prometo que vou pensar, não vou conseguir te dar uma resposta agora. Estou muito confusa.

- Tudo bem. – ele sorriu.

Continuamos conversando por mais alguns minutos, perguntei várias coisas sobre como seria a nova banda e ele me explicou detalhadamente cada tópico. Nós pagamos a conta e fomos embora, ele se ofereceu pra me levar até a casa dos meninos e eu não recusei, já que era melhor do que voltar de táxi. Nos despedimos e eu caminhei calmamente até a porta da casa, abri a mesma e todos voltaram os olhares para mim.

- Aconteceu alguma coisa? – perguntei rindo.

- Como foi lá? – Megan perguntou.

- O que era Roxy? – Nathan veio logo até mim.

- Então gente é o seguinte... – me sentei em uma das poltronas. – eu recebi uma proposta para ser a baterista de uma nova banda só de garotas, tipo uma “GirlBand”. É uma proposta tentadora se me permitem dizer, e eu tenho que dar a resposta até daqui dois dias. – suspirei.

- O QUE? – Nathan falou alto.

- Não aceita Roxy. – Siva pediu.

- Por favor Roxy, não aceita. – Jay se levantou.

- O que será de mim sem você? – Tom dramático.

- Você não pode nos abandonar. – Max comentou.

- Se você sair Roxy... urgh! - Megan bufou de raiva.

- Eu não sei nem o que dizer. - Claire falou.

- Você não pode sair. – Naree comentou.

- Calma meninos, eu não decide nada ainda. Mas eu realmente tenho que pensar, gente é a minha carreira que esta em jogo, eu sempre sonhei com isso, só que tem mais uma coisa que esta me deixando com um pé atrás.

- E o que é Roxy? – Tom andava de um lado para o outro.

- Eu teria que me mudar pros Estados Unidos. – fechei os olhos com medo da reação deles.

- Você vai me abandonar? É isso? - Nathan segurou em meus braços.

- SE VOCÊ FOR, EU VOU JUNTO. – Megan escandalizou.

- Gente, eu não decidi ainda. Eu tenho muito o que pensar e... – não aguentei e abracei meus joelhos e escondi meu rosto.

- Roxy, por favor Roxy, eu não vou colocar pressão em você. - Nathan estava me abraçando. - eu não quero perder você, não outra vez.

- É uma escolha difícil Nath... eu realmente não sei o que fazer. – levantei o rosto e todos me encaravam aflitos. – gente eu não quero abandonar vocês, mas... é uma carreira na qual eu sempre sonhei, eu realmente tenho que pensar sobre isso.

- Pense o que quiser, mas eu vou com você. - Megan falou furiosa. - maldita pessoa que mandou esse contrato.

- Vamos dar um tempo pra Roxy. – Nathan pediu.

- É melhor mesmo. - Tom concordou cabisbaixo, partia meu coração ver eles daquele jeito.

- Vamos subir. - Jay pediu indo para a escada.

- Er... eu vou tomar um banho e descansar. – falei e caminhei até as escadas. Subi correndo e entrei no quarto do Nathan, eu estava desesperada, pela primeira vez eu não sabia o que fazer, estava assustada e com medo, se eu errasse na minha escolha poderia perder as pessoas mais importantes pra mim. Me joguei na cama do Nath e fechei os olhos, ali era um bom lugar para pensar, sentir o cheiro do perfume estonteante dele sempre me ajuda a colocar as ideias no lugar.

- Temos que conversar! - Nathan entrou no quarto rapidamente, batendo a porta e vindo até a cama.

- Nathan eu não sei o que fazer. – falei entre soluços por causa do choro.

- Shiu, calma, vamos pensar com calma hum? - ele me envolveu em seus braços e me puxou para perto dele, cheirando o meu cabelo.

- Eu não aguento ver vocês assim, muito menos você Nath. O que eu vou fazer? É uma oportunidade tentadora...

- Eu sei disso... mas você tem que escolher qual o melhor pra você. O que você quer de verdade, eu fui muito egoísta dizendo pra você não aceitar, se você acha que é o certo, eu vou ter que me conformar.

- Mas isso significa que nós iriamos nos separar, você ia me esquecer e iria arranjar outra namorada, enquanto eu seria obrigada a ver vocês dois juntos... e tem os meninos, eu amo eles com todo o meu coração. Mas como eu te disse eu quero isso desde pequena, definitivamente não é uma escolha fácil.

- Você esta se precipitando muito Roxy, está criando coisas antes de acontecer. Vamos com calma, veja qual a melhor escolha, eu não vou mais atrapalhar seus pensamentos. - ele começou a nos embalar como se estivesse me ninando.

- Me ajuda Nathan, me ajuda a tomar a decisão certa, por favor. – apertei meus olhos e mais lágrimas escorreram.

- Claro!! – senti-o puxar meu rosto e me dar um beijo demorado, segundos depois ele me soltou. -se isso ajudar.

- Isso sempre me ajuda. – sorri fraco.

- Fica bem. – ele sorriu.

- Meio difícil. – suspirei.

- Tenta pensar no melhor pra você, isso só cabe a você.

- Ótimo! Se eu ficar aqui vou perder a maior e melhor oportunidade que já tive, mas se eu for vou perder vocês. Você fala como se fosse fácil, mas não é.

- Mas eu não sei mais o que dizer Roxy! - Nathan passou a mão nos cabelos.

- Então não fala nada, só de pensar que eu posso fazer a pior escolha da minha vida eu já fico mal. – me levantei e fui até ao banheiro, joguei uma água no rosto e fiquei encarando o meu reflexo no espelho.

- Desculpa. – ele apareceu na porta com o rosto triste.

- Tudo bem, a culpa não é sua.

- Não queria te botar pressão.

- Não tem problema, eu só to com muita coisa na cabeça agora. – respirei fundo.

- Então... acho melhor eu dormir na sala. - ele saiu do meu campo de visão.

- Não Nathan, não precisa se preocupar... eu acho que vou pra casa, conversar com meu pai, ele sempre me ajuda. – fui até o quarto onde ele estava sentado na cama encarando o chão.

- Quer que eu te leve? – ele perguntou triste.

- Não... pode deixar que eu chamo um táxi ta bom?! – me ajoelhei em sua frente.

- Certeza?

- Tenho, agora não fica triste, por favor. – levantei o rosto dele, para poder olha-lo melhor.

- Não consigo. – ele sorriu tristemente.

- Por favor Nathan, não consigo te ver assim. – fechei os olhos e apertei suas mãos.

- Mas, eu não posso ficar alegre sabendo que você pode escolher sua carreira e eu ficar longe de você.

- Eu também não Nathan, mas, eu ainda não resolvi nada. Só fica bem ta bom?

- Tudo bem. – ele respirou fundo.

- Agora eu tenho que ir, preciso descansar e por as ideias no lugar. – sorri fraco e dei um selinho rápido nele.

- Fica bem. – ele pegou minha mão.

- Pode deixar. – me levantei, o olhei de novo, e sai correndo de seu quarto. Passei pela sala sem conversar com ninguém, e peguei o táxi o mais rápido possível, em poucos minutos já estava jogada na minha cama pensando sobre o que fazer diante de tudo aquilo.

                                 Tom’s Pov

Depois da notícia da Roxy, todos ficaram completamente aflitos principalmente o Nathan que tinha se trancado no quarto. Resolvi mandar uma sms para todos obrigando-os a se arrumar por que iriamos a um pub. Foi mais fácil convencer os garotos, mas, mesmo assim as meninas se renderam. Já estávamos no carro, Nathan estava do meu lado insistindo pra mim ligar pra Roxy ir com a gente, mas eu já tinha telefonado pra ela umas quatro vezes, e ela não atendia.

- Desculpa baby, mas ela não ta atendendo. – falei guardando o celular.

- Como será que ela está? - Nathan parecia falar sozinho.

- Ela esta bem Nathan, tenta se animar. – Max que estava dirigindo tentava o acalmar.

- Como se animar sem noticias da Roxy?

- Cara ela tava com você até hoje a tarde, fica tranquilo. A tia Rose já avisou a Megan que ela esta bem. – sorri.

- Mesmo assim não vou ficar bem.

- A gente vai te animar hoje, você vai ver. – Max riu estacionando o carro. Descemos e encontramos o resto do pessoal em frente a porta, Megan abraçou Nathan de lado e começou a conversar com ele. Entramos e sentamos em uma mesa um pouco mais afastada de todos, não demorou muito e já estávamos com nossas garrafas de cervejas na mão.

- Nada melhor do que espantar a tristeza. - Jay falou.

- É temos que animar nosso baby. – apertei as bochechas do Nathan.

- Ah Tom me larga! - ele bateu em minha mão.

- Já ta bem, esta até reclamando. – Max riu.

- Deixem ele em paz. – Meg resmungou.

- Os meninos só querem fazer ele rir Meg. – Nareesha tentou acalma-la. – não esta sendo fácil pra gente, imagina pra ele.

- Não estou para brincadeiras. - Nathan falou encarando seu copo meio triste.

- Então... só eu que acho que aquele cara ta vindo até aqui? – apontei com a cabeça.

- Não mesmo. – Max comentou.

- Quem é? – Megan perguntou.

- Não faço ideia, mas é bem bonito. – Claire comentou e eu a encarei bravo.

- É mesmo. – Nareesha falou.

- Charmoso até. – Meg sorriu ajeitando os cabelos.

- Da pra parar de falar do homem? – perguntei bravo.

- Er com licença... – o tal cara se aproximou. – vocês são os garotos do The Wanted certo?

- São eles mesmo! - Claire falou abobalhada.

- A Roxy não esta com vocês? – o cara perguntou e Nathan suspirou pesado.

- Ela não veio... e como você sabe dela? - Meg arqueou uma sobrancelha.

- Ah me desculpem... meu nome é Dave Steven, eu sou produtor, não sei se a Roxy já comentou com vocês mas eu fiz a proposta pra ela. – nessa hora pensei que o Nathan fosse voar no pescoço do cara, mas ele só se ajeitou na cadeira e passou a encara-lo.

- Senta ai cara. – Siva falou apontando pra uma das cadeiras.

- Er... obrigado. – Dave sorriu.

- Porque nos procurou? - Jay perguntou.

- Na verdade, eu esperava encontrar a Roxy com vocês.

- Para? – Nathan perguntou secamente.

- Precisava saber se ela já pensou na proposta, ela não atende os telefonemas e nem retornou, pensei que vocês tivessem noticias dela.

- Infelizmente não. – tomei mais um gole da minha cerveja.

- Se vocês a encontrarem podem avisar que o avião sai amanha a noite?

- COMO ASSIM? - Nathan se levantou e Jay pegou em seu braço.

- Precisamos ir para os Estados Unidos o mais rápido possível, e caso a Roxy não aceite, precisaremos fazer audições.

- E me fala, quanto tempo vão ficar por lá? - Siva perguntou.

- Teremos que trabalhar pesado com CDs, shows, turnês, enfim no mínimo uns dois anos, sem viagens, férias e nem nada do gênero.

- Mas... mas... – Nathan ficou sem palavras.

- É muito tempo. – Naree completou.

- É uma oportunidade de ouro, não sei pela Roxy, mas... duas das outras garotas já “abandonaram” os seus amigos e namorados para viver o sonho delas.

- Mas ela não faria isso... – Meg sussurrou em duvida.

- Olha, eu não sei como ela é, mas são poucas pessoas que recebem propostas tão boas como essas. E além disso, as oportunidades devem ser agarradas sempre que possível.

- É nós sabemos. – sorri fraco.

- Mas isso ela que tem que escolher. - Nathan falou ríspido e se levantou da mesa. - com licença, preciso tomar um pouco de ar.

- Er... esse deve ser o namorado dela, certo? – Dave perguntou.

- Sim. – Max respondeu.

- Me desculpem não queria causar isso tudo.

- Deixa, ele é assim mesmo. – Jay falou.

- Mas então, vocês tem mais alguma curiosidade sobre essa viagem?

- Nenhuma mais. – Nareesha falou.

- Bem, então eu vou indo. Preciso acertar os últimos detalhes da viagem, desejo todo o sucesso pra vocês rapazes e espero que fiquem bem. – Dave sorriu e se levantou.

- Obrigado, muito sucesso pra você também. – respondi e ele apenas assentiu e sumiu no meio das pessoas.

- Que barra! – Jay tomou sua cerveja.

- Gente... coitadinho do Nathan. – Naree comentou.

- Ele esta arrasado. – falei.

- Não é melhor ir alguém atrás dele? - Meg perguntou.

- Não precisa. - ele apareceu e se sentou na cadeira.

- Ta melhor? – Max perguntou.

- Um pouco.

- Tem certeza? – insisti.

- Tenho.

- Alguém quer mais tequila? – Max perguntou mudando de assunto.

- Preciso ficar bêbada depois disso. - Megan falou.

- A não Megan! A Roxy não esta... deixa quieto. – Nareesha parou de falar assim que Nathan suspirou pesado e virou seu copo de tequila.

- Vamos animar ai. - Jay jogou o copo para colocar mais para ele.

- É isso aqui ta muito pra baixo. Poe mais ai Max. – pedi.

- Vamos sair dessa depressão. – ele riu e encheu o copo de todos.

- Eh, legal. – Nathan falou desanimado.

- Jay, to preocupado com o Nathan. – sussurrei.

- Por que? - ele me olhou assim que deu um gole em sua cerveja.

- Ele nunca foi de ficar assim tão desanimado, ele esta muito mal. E se a Roxy resolver ir embora, como vamos fazer show com ele assim?

- Ah cara eu não sei. - Jay falou estressado. - eu não sei mais de nada.

- E ainda tem a questão de que teremos que contratar outro baterista se ela sair. – na mesma hora o DJ tinha dado uma pausa, e a minha voz saiu um pouco mais alto do que o esperado.

- Vocês já estão planejando isso? - Nathan me olhou furioso.

- N-não Nathan, mas é que nunca se sabe. – engoli em seco.

- Vocês estão fazendo planos dizendo que ela vai embora Tom!

- Nathan você tem que estar preparado pra tudo, me desculpa, mas essa é a verdade. Essa é a carreira dela, você deu de tudo pra alcançar o seu sucesso, ela tem o mesmo direito que você. Nós não podemos fazer nada se ela resolver sair a não ser apoiar. Eu sei que vai ser difícil pra você, e para todos nós. Só que os shows, turnês, composições... não podem parar.

- Foda-se você e essa merda toda! - ele se levantou rapidamente. - fala isso porque não é você que vai perder a pessoa que ama, a dor dos outros é sempre fácil de interpretar não é? - ele despejou as palavras e saiu pisando forte do local.

- Alguém vai atrás dele. - Megan pediu alarmada.

- Deixa que eu vou, eu fiz a merda. – me levantei e comecei a caminhar pelo pub a procura dele, passei em todos os lugares possíveis que tinha ali dentro, até que eu resolvi sair e o encontrei sentado na calçada abraçando os joelhos e com a cabeça baixa. Me sentei ao seu lado e fiquei olhando para o céu por um tempo, procurando um jeito de concertar a burrada.

- Olha Nathan, me desculpa, eu não falei por mal.

- Não é fácil Tom, isso tudo dela ir embora, mas é o sonho dela. E o pior que eu já passei por isso.

- Vamos esquecer tudo o que eu falei ta bom?! Pensa positivo, pensa que ela vai ficar e vai dar tudo certo.

- Mas não vai Tom, ela quer muito isso, e ela não esta errada. É o sonho dela.

- Se ela for Nathan, não quer dizer que vocês vão ficar separados pra sempre, certo?

- Não sei... isso ninguém sabe. Ela vai ter seus compromissos, e eu também, e não se sabe se poderemos nos ver.

- Mas se ela for Nathan, vocês vão ter que aprender a conciliar isso. Fácil não vai ser, vocês se verão pouco, e com menos frequência, mas vocês se amam e isso é o que importa.

- Mas tudo vai mudar. – ele suspirou.

- Uma hora tudo muda Nathan, amadurecemos e passamos a viver nossas vidas. Nada é pra sempre, mas se você realmente a ama, luta por isso.

- Eu não sei mais de nada. – ele apoiou a cabeça nas mãos.

- Quer ir pra casa? – perguntei. – acho que você precisa dormir.

- Sim...

- Vou mandar uma sms pros meninos avisando que a gente vai embora ok?!

- Tudo bem. – ele se levantou ajeitando as calças.

Avisei os meninos, e logo chamei um táxi para podermos voltar para casa. Assim que chegamos, Nathan correu para o seu quarto e se trancou lá dentro, definitivamente ele estava acabado, péssimo. Ajeitei a minha cama e coloquei um pijama mais quentinho por causa do frio que estava fazendo, não demorei muito e peguei no sono.

                                Megan's Pov

Já eram 9:00 hrs da manhã quando levantei. Max ainda estava dormindo e então resolvi tomar um banho e pensar em tudo que estava acontecendo. Se a Roxy fosse eu ia ficar totalmente deslocada, porque quando nossos pais fossem embora, eu iria morar sozinha, sacudi a cabeça para espantar os pensamentos que me deixariam mais tristes. Desliguei o chuveiro e sai, secando o cabelo, sai para o quarto e Max continuava roncando baixo, parecia um gatinho dormindo. Sorri abestalhada e procurei uma roupa na minha bolsa.

- Minhas roupas estão acabando. Tenho que ir para casa depois. - falei tirando qualquer peça e logo me vestindo.

- Mais tarde eu te levo em casa. – Max falou baixo.

- Desculpa te acordar. - me virei e o vi coçando os olhos, me olhando.

- Não tem problema, já estava na hora de acordar. – ele sorriu.

- Sério minhas roupas estão acabando. - sorri para ele e pulei de volta a cama.

- Faz assim, a gente se arruma, come alguma coisa chamamos os meninos e vamos ao seu apartamento, precisamos conversar com a Roxy.

- Pode ser. – sorri.

- Agora vem aqui ficar com o seu namorado que te ama muito. – ele bateu no travesseiro ao seu lado.

- Posso pensar? – sorri divertida.

- Não, por que preciso da minha dose matinal de Megan.

 - “Dose matinal de Megan”. – imitei a sua voz. – haha engraçadinho. – sorri e me deitei ao seu lado.

- Mas é a verdade, tenho que ganhar pelo menos um beijinho de manhã pra ficar feliz. – ele riu.

- E se eu estivesse no apartamento e não aqui? Teria que beijar o Thomas. - gargalhei alto.

- Credo!! – ele fez cara de nojo.

- Ah Max, é Tomax. – fiz coração com a mão pra ele.

- Mas eu prefiro a minha Megan, do que o Tom. – sorriu.

- Minha Megan. – repeti sorrindo besta.

- Eu te amo baixinha, você vai ser sempre minha. – ele me puxou e me beijou calmamente.

- Também te amo nanico. – sorri entre o beijo.

- Somos o menor casal já reparou?! – ele riu.

- Já sim! – sorri. - sempre tive raiva do meu tamanho, mas agora agradeço.

- É eu também, imagina se eu tivesse que pegar um banquinho pra te beijar.

- Ia ter que carregar o banquinho sempre. – gargalhamos alto.

- Nossa já pensou que constrangedor seria?!

- Seria capaz de você me abandonar de tão cansado iria ficar de levar o banquinho. – sorri.

- Eu seria louco se te abandonasse.

- Hum não me venha com essa história que se eu não tivesse aceitado o convite da Roxy naquela primeira vez, você tinha se pegado com qualquer uma ali. - olhei curiosa.

- Mas, eu ia acabar te conhecendo de qualquer jeito.

- Mas vai que se apaixonasse pela que tinha pego?

- Ai eu teria me apaixonado por ela, enquanto você eu estaria amando. São coisas diferentes.

- Mas uma paixão se torna amor.

- Nem sempre.

- Quer dizer que me amou na primeira vez que me viu? - sorri o fitando naqueles olhos verdes.

- Na verdade, eu senti algo muito forte por você, e diferente. Eu queria você ao meu lado mais que qualquer outra coisa.

- Acredita que eu também? Na verdade não demonstrei nada porque você também não, mas ai veio o Tom... - sorri envergonhada.

- É o Tom dificultou as coisas. Mas até que acabou dando tudo certo.

- Com certeza. – rocei nosso narizes.

- Você não vai se mudar com a Roxy né? – ele perguntou triste.

- Eu não sei Max... isso esta me deixando maluca. – passei as mãos no cabelo.

- Você não precisa ir, sua escola de dança é aqui falando nisso. Você não pode ir.

- Mas e ela Max? Vai ficar sozinha lá? Com pessoas que ela nem conhece? Aliás eu sempre cuidei dela.

- Uma hora todo mundo cresce Megan, ela tem que aprender a se virar.

- Mas Max... ela é minha família. – falei triste.

- Eu sei Meg mas... você tem a gente também.

- E ela? Ela vai ficar só Max, acho que se for a escolha dela, terei que ir.

- Megan ela vai morar com mais quatro garotas. Você vai ficar deslocada.

- Eu não sei, eu alugo um apartamento sei lá Max. - deitei em seus braços.

- Você não pode viver atrás dela. – ele mexeu em meus cabelos.

- Viver sem ela eu também ao posso.

- Você pode ir visita-la.

- Eu não sei. – suspirei fundo.

- Deixa isso pra lá, vamos comer?

- Vamos! - sorri e dei um beijo em sua bochecha. - o pessoal deve ter levantado já.

- Temos que avisar que vamos no seu apartamento hoje. - Max foi ao banheiro enquanto eu ficava sentada na cama o esperando. Depois de alguns minutos descemos para o café, todos já tinham levantado, menos Nathan que não estava presente.

                                   Nathan's Pov

Desci para a cozinha e todos já tinham tomado o café da manhã. Tomei o meu chá e logo soube que eles iam até o apartamento das meninas já que Megan precisava de roupas. Assim eu aproveitaria e ia ver se Roxy estava bem, entramos todos nos carros e logo estávamos na frente do prédio. Entramos no elevador e assim que chegamos no andar, Megan foi logo abrindo a porta já que tinha a chave. Christian estava sentado na sala lendo jornal e Rose na cozinha.

- Oi mamãe. - Megan sumiu de vista e sentamos no sofá.

- Olá senhor Christian. - falei, procurando pela casa Roxy, mas ela devia estar no quarto.

- Olá Nathan. – ele respondeu.

- Você sabe se eu posso subir pra ver a Roxy? – pedi. De repente ouvimos Megan gritar da cozinha “o que?” e Rose tentar falar com ela. Todos ficamos espantados e Christian me encarou.

- O que ta acontecendo? – Tom se levantou.

- Onde está a Roxy? - Jay tirou as palavras da minha boca, mas só conseguia encarar Christian com o olhar triste.

- Não... – falei desacreditado.

- Max! – Megan apareceu chorando na sala.

- Nathan... – Christian colocou uma mão sobre o meu ombro. – é que...

- A Roxy foi embora, saiu daqui com uma mala e ninguém sabe pra onde ela foi. – Bell continuou.

- Não pode ser. – ouvi a voz do Siva.

- Não. Isso não é verdade. - me levantei a olhando.

- Ela foi embora! Ela aceitou! - Meg não parava de chorar.

- Ela não pode ter feito isso comigo! Ela não... ela não se despediu. - encarei a porta, uma tristeza apertando o meu peito. Minha Roxy.

- Gente vocês tem certeza disso? – Max perguntou tentando parecer firme. – ela não avisou?

- Ela só desceu as escadas correndo e saiu com a mala não, sem falar nada. – August falou.

- MAS ELA NÃO PODE TER IDO SEM FALAR COMIGO... - cai no sofá fitando o vazio.

- Rose você pode fazer um chá pro Nathan? – Tom perguntou.

- Claro! – ela foi até a cozinha.

- Isso vai ajudar um pouquinho, eu acho. – Tom se sentou ao meu lado.

- Mas ela... ela Tom! - não conseguia terminar as frases.

- Desligado o celular dela. - Claire mostrou.

- Tentei do meu e também desligado. - Nareesha apareceu de volta a sala.

- Mas ela vai ficar sozinha lá! Eu tenho que ir... - Meg soluçava.

- Você não vai a lugar algum Megan. – August falou.

- Olha gente, hoje a tarde o produtor ligou pra ela, mas eu não pude ouvir a conversa. – Christian falou.

- Seu chá Nathan. – Rose me entregou a caneca.

- Mas ela foi, e não falou nada pra nós, para mim! - falei alto.

- Ela não avisou ninguém Nath. – Naree se ajoelhou na minha frente.

- Alguém tem o celular do produtor? – Max perguntou.

- Ela não passou o numero. – Rose comentou.

- Mas ela poderia ter menos a consideração de se despedir. – sussurrei.

- Ela não gosta de despedidas. – Christian suspirou.

- Mas... – fiquei sem palavras.

- “Whatcha gonna do with all that junk? All that junk inside your trunk? Imma get get get get you drunk, get you love drunk off my hump...” – a porta foi aberta revelando Roxy totalmente animada cantando, assim que nos viu ela parou. – por que ta todo mundo chorando?

- ROXY! - me levantei jogando a xícara em Tom, sorte a dele já está vazia.

- Nathan! Por que você ta chorando? – ela passou a mão por meu rosto. – por que ta todo mundo chorando? O que aconteceu?

- Você não foi embora?!? - sorri a agarrando pela cintura.

- Não! – ela sorriu largamente e me abraçou. – já falei que você não vai se livrar de mim tão fácil.

- Mas você saiu com uma mala. – Rose falou.

- Bem... esse dia em que eu fiquei trancada no quarto, eu não tinha nada pra fazer, então eu ajeitei o armário, e doei algumas  roupas.  – ela sorriu.

- Mas e a proposta? O produtor? – Megan a encarou.

- Ele me ligou hoje a tarde, e eu expliquei tudo e falei que não iria. Fala sério quem trocaria vocês por três garotinhas mimadas? – Roxy riu.

- Então vai ficar com a gente? – sorri.

- Sempre. – ela me deu um selinho rápido. – poxa, mas vocês choraram tanto assim?

- Pergunta ai pro Nathan. – Tom riu.

- Ah cala a boca que vocês queriam chorar também. - dei o dedo pra ele.

- Ontem ele foi embora até mais cedo do pub. – Max riu.

- Ele estava em uma animação. – Naree falou sarcástica.

- Ele quase não saia do quarto hoje. – Meg falou.

- Vão lá, me entreguem. – revirei os olhos.

- Oh God! Isso tudo era medo de eu ir embora? – Roxy arqueou a sobrancelha. Levantei os ombros envergonhado e sorrindo.

- Awn que lindo!! – ela me abraçou mais forte.

- Não suma mais. – pedi.

- Prometo. – ela sorriu e pegou as minhas mãos.

- Vamos todos nos acalmar. – Meg falou.

- Eu acho melhor. – Roxy comentou.

- Ainda bem que você não foi. - Jay falou.

- É eu não podia deixar vocês. – ela sorriu.

- Eu iria atrás. – falei.

- Ai esse menino não vive sem mim. – ela se jogou no sofá.

- Cadê o meu chá? – perguntei procurando.

- Você jogou em mim. – Tom falou bravo.

- Foi mal cara, mas agora cadê?

- Eu vou fazer mais. – Rose foi para a cozinha.

- Você bebe chá demais. – Siva falou.

- Também acho, tem que parar com isso. – Max comentou.

- Me deixem. – me joguei no sofá.

- Oh mãe era pra você ta mimando eu e não o Nathan. - Meg fez bico.

- Ah Megan ele estava tão mal. – Rose riu.

- E eu? – ela bateu o pé não chão.

- Awn minha maninha sentiu minha falta. – Roxy se jogou em Megan.

- Claro vadia! Ia embora sem falar nada. – ela sorriu.

- Se eu fosse embora eu iria dar tchau né gente, que tipo de pessoa vocês acham que eu sou? – Roxy perguntou indignada.

 - Sei lá... louca? – Claire sorriu.

- Nossa agora vou embora. – Roxy se levantou.

- Não vai não. - sorri e a puxei fazendo-a cair em meu colo.

- Não to magoada agora. – ela fez biquinho.

- Ah não fica assim. – sorri e dei um selinho nela.

- Consegue ser mais bebê que o Nathan. – Tom riu.

- Cala a boca Tom. – falei.

- Nossa é assim que vocês me agradecem por eu ter ficado? – Roxy perguntou.

- Ah não Roxy! - ele veio e a abraçou, logo todos vieram e pularam em cima de nós, sendo eu esmagado, pois estava com ela nas pernas.

- Não respiro. – Roxy fingiu estar sufocada.

- Socorro. – gritei embaixo.

- O Jay que é gordo demais. – Meg falou.

- Vocês todos são pesados. – Roxy falou.

- Gente preciso ir no banheiro. – Tom riu.

- Sai de cima. – Siva gritou.

- Sai logo. – Roxy gritou também. – o Tom ta no meu colo.

- Empurra o Max! Ele que ta em cima. - gritei e os pais das meninas estavam gargalhando alto.

- Vai Max. – Naree gritou.

- Porra eu não quero ser banheiro. – Roxy gritou mais ainda.

- SAI SAI SAI SAI. - empurrei todo mundo, até eles caírem no chão.

- Porra Nathan!! – Max falou bravo.

- BANHEIROOOOO! – Tom gritou e saiu correndo.

- Ai minhas costas. - Meg se levantou se ajeitando.

- Quem mandou subirem aqui em cima?! - falei sorrindo.

- Nossa vocês me esmagaram. – Roxy riu.

- Gordos! – sorri.

- O único gordo aqui é você. – Siva riu.

- Haha, sem graça. – revirei os olhos.

- Ai eu to com fome. – Roxy passou a mão na barriga.

- Vamos comer fora? – Naree sugeriu.

- Na verdade, eu tenho que fazer um negócio agora. – Max comentou.

- Mas agora? – Meg o abraçou pelo pescoço.

- Uhum, já era pra mim ter saído a muito tempo.

- Vai aonde então? – ela o encarou.

- Minha mãe vai se mudar, e ela precisa de ajuda. – ele se levantou.

- Por que você não falou antes?! A gente pode te ajudar. – Siva sorriu.

- Na verdade, não precisa. Já estamos terminando tudo.

- Sua mãe? Pra onde? – perguntei.

- Ela comprou uma casa mais afastada do centro de Londres.

- Posso ir? – Meg pediu.

- É melhor não... – ele caminhou até a porta.

- Mas... – ela ficou sem reação.

- Até mais tarde. – Max saiu.

- Estranho! – Roxy franziu a testa.

- Ele... fez isso mesmo? – Megan nos olhou confusa.

- Gente, ele só foi ajudar a mãe dele. – Naree tentou amenizar a situação.

- É deve ser isso. – Megan levantou os ombros em sugestão.
Almoçamos no apart delas, depois de horas resolvemos voltar para nossa casa. Megan havia pegado as roupas e Roxy também tinha pego as dela para ficarem lá em casa até os pais delas voltarem para o Brasil já que o apartamento estava muito cheio.

- Até que enfim chegamos. - Jay se jogou no sofá da sala.

- Ah Jay afasta ai. - Claire pediu se jogando ao seu lado.

- Gente... eu vou pro quarto. - Megan falou e subiu as escadas rapidamente.

- Ela esta triste, ninguém vai atrás dela agora. – Roxy falou.

- É, vamos deixar ela sozinha um pouco, talvez seja o que ela queira. - Nareesha falou.

- Vem, vamos subir! - peguei a mão de Roxy e a puxei.

- Hoje o dia foi cansativo. – ela suspirou se jogando na cama.

- E bem empolgante. – sorri me deitando ao seu lado.

- Não muito. – ela bocejou.

- Sono? – a puxei e a abracei.

- Um pouco. – ela se acomodou em meu peitoral.

- Na verdade o dia foi bem estressante. Acho que um soninho da tarde não faria mal. - comecei a fazer carinho em suas costas.

- Estressante? Por que?

- Pensar que você foi embora, nossa aquilo... – sacudi a cabeça.

- Ei! Eu ainda estou aqui. – ela começou a deslizar a mão pelo meu peitoral. – não pense mais nisso.

- Vou tentar, mas nunca mais faça isso, me assustar. – beijei sua testa.

- Pra você ficar desse jeito de novo? Nunca, não gosto de te ver triste. – ela sorriu.

- E nem eu de você ficar longe. Não me dava nenhuma notícia nem nada. – sorri.

- Eu precisava de um tempo pra pensar amor. – ela passou a mão pelo meu rosto.

- Eu entendo. – sorri.

- Já falei que amo seu sorriso?! – ela corou um pouco.

- Não, mas já falei que eu amo quando fica assim, vermelhinha?! - beijei as bochechas dela.

- Também não. – ela sorriu fraco. – aproveita por que é difícil me deixar assim.

- Mas eu consigo sempre, não é? - mordi sua bochecha levemente.

- A maioria das vezes. – ela ficou mais vermelha e levou as mãos ao rosto.

- Te amo muito minha princesa. - puxei as mãos dela e a beijei delicadamente.

- Te amo meu príncipe. – ela sussurrou contra os meus lábios.

- Eu te amo. – sussurrei entre os seus lábios e sorri.

- Eu te amo bem mais, não venha discutir eim. – ela falou em um tom divertido.

- Vamos brigar até por isso? - a olhei fazendo cara de zangado.

- Não! Nada de brigas. – ela sorriu. – declaro um empate.

- Então vamos dormir, nosso sono da tarde. - dei um selinho nela e a puxei para mais perto de mim, afagando os cabelos dela até sentir sua respiração mais leve, logo dormi também.

2 comentários:

  1. Nossa juro chorei nesse cap, mas tbm ri igual a uma boba quando a Roxy voltou. Sua fic é perfeita. Eu amo demais. Team Noxy

    ResponderExcluir
  2. Cara meu teclado ficou todo molhado aqui mano...
    Team Noxy ;D

    ResponderExcluir