quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Capitulo 26



                                                     Max’s Pov

Estávamos todos reunidos na sala, discutindo o que pedir para comer, resolvemos por pedir algumas pizzas. Peguei o telefone e liguei para a pizzaria, demoraria ainda uns trinta minutos para chegar, então ficamos sentados no sofá conversando pra passar o tempo.

- Da onde vocês tiraram que o homem de ferro é melhor que o capitão américa? – perguntei.

- A cala a boca, o homem de ferro é muito foda Max, e além do mais o Robert Downey Jr é extremamente charmoso. – Roxy comentou.

- Mas ninguém vence o arqueiro. – Megan sorriu.

- A outra também, gente por favor o Thor é lindo. – Nareesha comentou.

- Mas o capitão américa é muito gostoso. – Claire riu.

- Ta bom todos são lindos e maravilhosos, mas sério gente o homem de ferro é o cara, ele é muito... sei lá. – Roxy gargalhou.

- Gênio, bilionário, playboy e filantropo, como ele mesmo falou no filme. - Megan falou e começou  a gargalhar.

- Ai ele é o cara. – Roxy falou sonhadora.

- Sou mais o América. - Claire falou.

- Sou mais o Arqueiro. - Megan sorriu.

- Sou mais o Thor. – Naree comentou.

- É só tocar em um assunto que elas já começam a falar que os caras são bonitos. – Tom revirou os olhos.

- A gente não tem como discutir sobre mulheres por que a única que tem é a Scarlett Johansson, e todos concordamos que ela é muito bonita. – dei de ombros.

- Então calados que os homens de lá são perfeitos. - Megan sorriu.

- Concordo plenamente. - Claire falou.

- Vamos mudar de assunto? – Siva pediu.

- Lá vem ele falar de star wars. – Tom riu.

- A eu amo o Anakin Skywalker, mesmo ele sendo o vilão. – Roxy comentou.

- Lá vem elas falarem de homens de novo. – falei bravo.

- Eu gosto do Luke. – Naree sorriu.

- Vamos mudar de novo de assunto.

- Ai sobre o que vocês querem falar? – Megan cruzou os braços.

- Sei lá, tudo menos heróis e star wars. – comentei e Jay fez menção de falar. – muito menos Avatar Jay.

- Vamos falar sobre vídeo game. – Roxy sorriu.

- Adoro Mortal Kombat, por causa da roupa da Kitana. - Megan se sentou.

- Mortal kombat é muito bom. – sorri.

- É um dos melhores jogos de luta. – comentou Tom.

- Mortal Kombat é ótimo, mas um dos melhores jogos que existe é o God Of War, sem mais. – Roxy sempre nos contradizendo.

- Nunca joguei esse, aliás você nem deixa eu tocar no seu Play. - Megan cruzou os braços.

- Desculpa Meg, você sabe que tenho ciúmes do meu play, mas god of war é tipo o jogo cara. – Roxy riu.

- É muito foda a história. – Siva sorriu.

- O Kratos é demais, to ansiosa pro novo jogo.

- Eu gosto quando ele derrota Zeus, é tipo a melhor parte. – Claire comentou.

- Eu gosto quando ele derrota Hermes, é a parte mais legal. – Roxy sorriu.

- A parte que ele arranca as pernas dele né? – perguntei animado. – é muito louco.

- E eu de fora. – cruzei os braços.

- Você não é a única. – Naree sorriu.

- Ah vocês não entendem nada de vídeo game. – Roxy mostrou a língua.

- Por que somos mocinhas delicadas. – Megan deu o dedo.

- Nossa super delicada. – Roxy revirou os olhos.

- Ah meninas vamos mudar de assunto. - Nathan falou.

- Não tem assunto. – Tom sorriu.

- Vamos fazer assim, alguém faz uma pergunta e todos respondem que nem na entrevista hoje. Sobre o que quiserem saber. – Roxy comentou.

- Tipo um desafio? – Jay coçou o cabelo.

- Mais ou menos. – Roxy sorriu.

- Beleza, quem começa? – perguntei.

- A pizza! - Megan correu para atender a porta, depois de minutos estava de volta a sala, com as caixas nas mãos e um pedaço na boca.

- Ei eu também quero. – Siva puxou um pedaço.

- A gente come enquanto brinca. – Tom riu.

- Vamos começar. – Jay falou.

- Deixa eu pensar em alguma pergunta. – Naree se ajeitou.

- Vamos gente. – Megan deu uma mordida em sua pizza.

- Ta bom eu começo. – Tom se pronunciou. – com quantos/quantas vocês já dormiram até hoje?

- Com 3 até agora. – Claire falou.

- Bem... com umas sete talvez. – sorri fraco.

- Nossa Max. – Megan me olhou.

- Desculpa amor, mas... sabe como é né.

- Eu perdi a conta, acho que não conto. - Jay falou.

- Que horror Jay. São tantas assim? – Naree riu. – o meu foi uns dois só.

- Os meus foram só o primeiro peguete e o Max.  – Megan sorriu.

- O meu foi uns quatro eu acho. – Roxy falou corando rapidamente.

- Roxy! – Nathan falou e a encarou.

- Desculpa amor, mas eu comecei a namorar muito cedo e também... ah deixa quieto. – Roxy falou.

- Eu também não sei quantas. - Nathan falou.

- Também fui só duas. - Siva respondeu.

- Eu estou pela a faixa do Max, entre sete e oito, não me lembro muito bem. – Tom sorriu.

- Ta, próxima pergunta. – Jay se sentou no chão.

- Quais os desejos sexuais de vocês? – perguntei rindo.

- Eu sei um da Roxy!! - Megan ficou em pé. - Ela disse que queria ter sexytime na cabine da London Eye lembra? - ela sorriu.

- Eu falei brincando. – Roxy corou.

- Eu tenho vontade de fazer na chuva. – Jay falou pensativo.

- É quase a mesma coisa que no chuveiro. – Roxy deu de ombros.

- Sei lá, é mais excitante. – ele sorriu.

- Eu não tenho... – Siva falou.

- Como não? – Tom se apressou em perguntar.

- Não sei cara, acho que Naree já é o meu desejo. - ele sorriu.

- Awn Siva, você também é o meu desejo. – Nareesha o abraçou.

- Então, quem tem mais? – Megan perguntou.

- Você, a Roxy, o Tom, o Nathan, a Claire e eu ainda não falamos. – sorri.

- Um desejo sexual... humm, vejamos. - Claire ficou pensativa. - ver o Tom malhando apenas de Box. - ela sorriu.

- Se você quiser eu faço isso hoje mesmo. – Tom gargalhou. – o meu esta sendo, ver a Claire com aquela lingerie vermelha.

- Ah cara eu pensei isso pra Roxy. - Nathan o acusou sorrindo.

- Natal Nathan. – Roxy riu. – meu desejo é fazer na piscina, todo mundo fala que é bom. – Roxy deu de ombros.

- O meu é receber um stripper da Megan, desculpa amor mas... – sorri malicioso.

- Sério? Uau. - Megan levantou as sobrancelhas. - Bom, o meu é bom...o meu é em um parque de diversão, quando ele estiver fechado.

- Pode deixar que qualquer dia você terá o seu desejo. – pisquei pra ela.

- Então meninos, próxima rodada? - Megan estava vermelha.

- Primeira vez? – Jay fez a pergunta.

- Sei lá eu tinha uns catorze anos. – Roxy respondeu.

- Roxy?!? – Nathan a olhou.

- Eu falei que comecei a namorar cedo, desculpa Nathan... – Roxy respondeu.

- O meu foi aos 17 anos. – Megan mexeu nos cabelos.

- O meu foi aos 13 ou 14 não sei. – Tom deu de ombros.

- O meu foi aos 17 também. - Siva respondeu.

- E o meu também, não me recordo bem. - Nathan falou.

- 15 anos. - Jay falou.

- 17 anos. – Claire.

- Eu perdi aos 16. – Naree falou.

- O Meu foi mais o menos igual ao Tom. – comentei.

- Socorro estou no meio dos tarados. – Roxy riu.

- Salve-se quem puder. – Megan riu.

- Considerariam a hipótese... de levar surras na hora? - Megan perguntou dessa vez.

- Não curto essas coisas. – Roxy riu.

- Eu aceitaria leves mordidas. – Jay sorriu.

- Ah Jay isso dai não é tapas e essas coisas, mordidas é uma expressão de desejo. – Roxy filosofou. – se mordidas valerem, eu aceitaria.

- Ah eu também! - Claire falou.

- Mordidas o Max me morde toda hora, acho que essa eu pulo. - Megan sorriu.

- Você também me morde. – mostrei a língua. – mas eu concordo que só mordidas pra mim ta ótimo.

- Eu não curto essas coisas de apanhar. – Tom gargalhou.

- Então ninguém curte. – Nathan sorriu.

- Não mesmo. – Naree riu.

- E agora? – Nathan perguntou.

- Eu tenho uma pergunta. – Roxy falou. – melhor transa de vocês? Quero que sejam sinceros, não só por que tem namoradas aqui.

- Com o Max. – Megan sorriu.

- É o meu também foi com a Megan. – sorri.

- Com a Roxy. – Nathan piscou.

- É o meu foi com o baby, ele sabe o que faz. – Roxy riu.

- Ah vamos combinar que todo mundo vai falar que foi com as suas devidas garotas. – comentei. – quer ver? Tom, com quem foi?

- Com a Claire. – ele sorriu.

- Então Jay, e a sua? – Naree perguntou.

- Ainda não achei uma que eu pudesse dizer "foi a melhor noite da minha vida" - ele bebeu um gole da cerveja em sua mão.

- Ele esta esperando pela Tess. – Roxy gargalhou alto.

- Eu o que? Vocês inventam histórias. – Jay sorriu.

- A gente inventa e você confirma. – Naree riu.

- Eu não falei nada... – sorriu.

- Ontem você confessou que mandou uma sms pra ela antes de dormir. – Roxy falou.

- Ah gente eu mal conheço a garota. – Jay se levantou.

- Nada impede de conhecer. – Naree respondeu.

- Talvez... um dia eu penso nesse assunto. - ele sorriu e subiu as escadas.

- Ai que sem graça. – Roxy cruzou os braços.

- E agora que a brincadeira acabou, o que vamos fazer? - Claire perguntou.

- Dormir. – Roxy se levantou. – amanha o dia vai ser corrido.

- Então eu vou indo. - Megan se levantou. - tchau pessoas esquisitas.

- Eu também estou indo. – me levantei e subi as escadas junto com a Megan. Ao chegarmos no quarto, me joguei na cama e fiquei olhando para o teto. Senti Megan me empurrar, já que eu estava deitado no seu lado.

- Você não vai conseguir. – sorri e puxei-a fazendo com que ela ficasse por cima de mim.

- Ah Max, era pra você se afastar. – ela sorriu.

- Mas eu não queria me afastar, é mais legal assim.

- Eu vou dormir aqui? Em cima de você?

- É vai ser meio complicado. – sorri. – mas por enquanto não tem problema.

- Tem certeza que eu não estou sendo muito peso? - ela sorriu.

- Claro que não amor, eu aguento. Você não é pesada e eu também sou forte.

- Uhum forte. – ela rolou os olhos e sorriu abertamente.

- Sou mesmo. Ontem eu te salvei de um cara lembra?!

- Como esquecer, você me protegendo?

- Eu queria ter batido mais naquele cara.

- Não precisava mais, por que se não você ia se encrencar.

- E eu estava ligando pra isso? Ele tentou agarrar a minha namorada.

- Mas eu sim, já pensou se te levassem? O que ia causar aquilo tudo Max, você poderia ser preso por agressão. - ela ficou séria.

- Se eu fosse preso aquele cara também deveria por ter te assediado. E além do mais eu agi para te defender.

- E defendeu muito bem, posso sempre contar com você. - ela tocou meu nariz.

- É por que, eu te amo baixinha. Eu não vou deixar você correr riscos assim.

- Eu também te amo nanico. Obrigada por me proteger.

- Ah que isso Meg, é meu dever como seu namorado e herói. – sorri.

- Não, seu dever é me amar e me dar carinho não me proteger.

- Eu te amo, te dou carinho, te mimo, e como bônus te protejo. – dei um selinho rápido em Megan.

- Aww Max o que eu fiz pra te merecer? - ela sorriu.

- Você fez tudo pequena, tudo. – sorri.

- Agora eu devo estar pesando, não acha?

- Na verdade ainda não. Mas você esta com sono?

- Um pouco. – ela sorriu.

- Então vamos dormir, afinal temos muita coisa pra fazer amanhã.

- Vamos baby.

Megan saiu de cima de mim, ficando assim ao meu lado me encarando, soltamos um sorriso fraco por causa de nossas atitudes, dei-lhe um selinho demorado e sussurrei um “boa noite” ela se virou ficando de costas, e eu abracei-a por trás entrelaçando as nossas pernas. Fechei os olhos e fiquei pensando sobre assuntos aleatórios até que adormeci.

                                     Jay's Pov

Já se passavam das 00:00 hrs, mas eu não conseguia dormir. O simples fato das meninas ficarem falando coisas estava me deixando um pouco curioso, será que eu poderia estar gostando de Tess? Não acho que não. Já que eu mal a conheço, só a vi uma vez, como pode?

Rolei na cama, a fim de pegar no sono. Que droga! Eu não conseguia dormir, peguei meu celular e coloquei os fones a fim de escutar alguma musica, comecei a mexer nele e vi os últimos registros para saber o que eu fiz no dia anterior. E lá estava, a sms que eu mandei e a dela que recebi,  a curiosidade foi maior e então apertei o botão de chamadas. "No segundo eu desligo" pensei comigo mesmo. Assim que o toque soou pela segunda vez, fiz menção em desligar mas ela atendeu

- Alô? – ouvi.

- Er... Tess? – chamei.

- Ah... oi Jay.

- Desculpa te ligar essa hora... eu não sei o que estou fazendo... desculpa te incomodar, eu vou desligar.

- Não Jay, não tem problema. Eu não estava conseguindo dormir mesmo, vai se bom conversar om alguém.

- Então... me desculpa o horário, é que eu também não conseguia dormir, ai talvez você pudesse estar acordada e tal. Não esta conseguindo pegar no sono?

- É isso vem ocorrendo a uns dois dias, não entendo muito bem.

- Comigo está acontecendo o mesmo. Tenho tido poucas horas de sono, e logo nosso empresário vai notar e me dar um sermão. - sorri fraco com a ideia.

- As vezes é saudades de ficar acordado até altas horas, fazer shows frequentemente. – ouvi ela rindo.

- Talvez sim... mas esse é o meu caso, e o seu?

- Gritos histéricos da minha irmã vendo vocês em programas, responde? – ela voltou a rir. – mas, acho que não é só isso, não sei.

- Tenho certeza que isso não é toda hora. – sorri. - deve ser algo que está lhe tirando o sono... tem pensado no que ultimamente? Isso deve causar a sua insônia.

- Não sei, deve ser as ultimas provas da faculdade chegando, isso sempre me deixa nervosa.

- Ah... - suspirei. O que eu esperava? Ela dizer que era em mim que ela pensava? Claro que não né James.

- Então... como estão os preparativos pra amanha?

- Esta tudo indo bem, o pessoal está bem animado. Mas como eu disse, nem estou me importando muito. - sorri.

- Por que não? É uma época tão linda.

- Não estou com cabeça para isso no momento. - falei me deitando na cama.

- Você esta irritado? Não sei, eu falei alguma coisa que não deveria?

- Não, claro que não! - me alertei, não queria que ela desligasse. - é só... ah várias coisas que passam na minha cabeça.

- Quer conversar sobre isso? Eu não estou com um pingo de sono, posso ficar aqui até altas horas.

- Acho que você não iria entender e talvez... desligasse na minha cara. – falei.

- Você poderia tentar, eu não sou tão má assim.

- Tudo bem. – respirei. - eu vou falar a verdade, não quero enrolar muito... eu não consigo dormir pensando em você. Desde o dia que nos vimos na lanchonete, eu não sei. Não acreditava nisso, mas está me tirando o sono, e isso está perturbador. A intenção de te ligar foi essa, para te falar de uma vez assim eu tirava esse peso da consciência de esconder algo. - respirei fechando os olhos e esperando ouvir o som da chamada encerrada.

- Você acha mesmo que eu vou desligar? – ouvi-a rir. – fala sério Jay, você acreditou mesmo na história das provas? Eu já encerrei a faculdade, nem aulas estou tendo mais. Eu só não queria dar o primeiro passo e admitir que você e a causa de tudo. – ela falou um pouco mais baixo a ultima frase.

- Você me enganou direitinho. – sorri. - mas isso é serio, eu não consigo dormir pensando em você, sua imagem naquele dia e tudo. – sorri.

- Eu também não estou dormindo Jay, você entrou na minha mente de um jeito estranho, mas bom.  - sorri com o que ela disse.

- Então... podemos marcar de sair, o que acha?

- Eu acho que é uma grande ideia.

- Então amanha? No McDonald’s? – perguntei.

- Que tal algo mais tranquilo? Vamos ao Starbucks?

- Onde você quiser. – sorri.

- Então ta marcado, pode ser lá pras 14:00 por que eu ainda tenho que ajudar com os preparativos do natal.

- Tudo bem, a gente se encontra lá ok?

- Claro!! – ela falou animada.

- Então, vou deixar você dormir ok? Boa noite Tess, vê se dorme melhor agora. – sorri.

- Vai ser difícil dormir depois dessa ligação e desse convite. Boa noite Jay, tenha bons sonhos.

- Tenta pensar no dia de amanhã... terei, com você-sorri e esperei ela desligar.

- No caso, hoje. Boa noite. – ouvi ela soltar um risinho baixo e logo encerrou a ligação. Coloquei o celular na mesinha ao lado e me virei. agora sim iria dormir tranquilo e feliz.

Xx

Abri os olhos, com o toque do despertador ao fundo. Queria dormir mais 5 minutos, mas me lembrei do compromisso que tinha hoje, o que me fez saltar da cama na mesma hora. Olhei o relógio do celular e ia dar 13:00 hrs. Puxa, eu realmente tinha dormido bem, passei a mão nos cabelos a fim de diminuir o volume, nada feito. Entrei no banheiro, escovei os dentes e sai do quarto, apenas de calção de dormir, a fim de comer algo.

- Bom dia! - falei assim que entrei na cozinha e vi todos já almoçando.

- Bom dia! – todos responderam descompassados. Caminhei até o armário e peguei uma tigela, colocando cereal e leite, me sentei na mesa onde todos me olharam.

- Vai comer isso agora? - Megan perguntou, sempre a “Mãezona” da casa.

- Uê, meu café da manhã. - falei óbvio.

- Jay, estamos almoçando. - Claire falou.

- Mas eu tenho que tomar meu café. – sorri.

- Deixem o Jay gente. – Roxy revirou os olhos.

- Também acho, deixem ele comer o que quer. – Max concordou.

- Vamos, isso deixem o Jay comer as porcarias dele e ficar um gordo. - Siva retrucou.

- Não posso mais comer nada? – briguei.

- Come seu morto de fome. - Nathan empurrou minha cabeça, fazendo a porção de cereal em minha colher cair na mesa.

- Seu Gay! - empurrei sua mão fazendo sua comida cair na mesa também.

- Ei se querem brigar, por favor vão pra sala. – Tom falou. – mas não perto da comida.

- Aff Tom ninguém vai roubar tua comida não, come quieto seu guloso. - retruquei e continuei a comer meu cereal calado. Alguém de vez em quando perguntava algo, mas minha mente estava vagando para o encontro de mais tarde. Olhei o relógio na parede e me espantei, já eram 13:30. me levantei assustado, fazendo todos me olharem.

- Tenho que ir. - corri até a pia e joguei o resto lá.

- Vai aonde Jay? - Nathan perguntou.

- Sair, depois eu conto. - sorri e subi as escadas rapidamente.

Tomei um banho, peguei a roupa mais apropriada: uma calça Jeans preta, uma blusa de mangas curtas deixando a mostra o Jaybird, e uma jaqueta jeans. Passei os dedos no cabelo molhado e logo estava saindo de casa, com o carro e indo em direção ao local do encontro.

Entrei no Starbucks aproximadamente em cima da hora. A procurei pelo local e ela ainda não tinha chegado, me sentei na ultima mesa ao fundo para não ser reconhecido e pedi um cappuccino. fiquei encarando a embalagem, pensando em várias coisas. Já havia se passado 15 minutos desde o horário combinado. Será que ela não vinha? Porque eu falei aquelas coisas pra ela? Acho que ela ficou espantada e não quer nem mais ver minha cara, olhei para a porta onde um grupo de amigos entravam. Logo atrás ela entrou, estava Linda com aquele vestido curto.  Ela estava me procurando, e quando nossos olhos se encontraram, um sorriso cresceu em sua boca, na minha já tinha um sorriso desde a hora que a vi.

- Boa tarde Jay. – Tess deu um beijo estalado em minha bochecha e sentou-se de frente pra mim.

- Boa tarde Tess. - sorri meio envergonhado. - er... eu já pedi o meu, vai querer algo?

- Hum... eu vou pedir um frappuccino.

- Tudo bem. - sorri e chamei o atendente. Depois de alguns minutos ele estava de volta com o pedido dela.

- Obrigada. – ela sorriu amigável para o rapaz e logo depois ele saiu.

- Er... então, foi difícil vir? - sorri. “que diabos de pergunta é essa Jay?” pensei comigo mesmo.

- Na verdade não, eu moro aqui perto.

- Humm – sorri, sinceramente, eu não sei o que fazer.

- E então... dormiu bem?

- Perfeitamente bem... e você?

- Melhor impossível.

- Que bom. – sorri.

- É sim... – ela falou meio tímida.

- Então... como anda a Lia? – coloquei assunto.

- Aquela garota anda mais desesperada do que nunca. – Tess sorriu. – depois que conheceu vocês ela não para de falar disso.

- Ela ainda é jovem. Adoro fãs assim, que a gente consegue realizar um sonho, acho que ela vai ficar feliz ao saber que você saiu pra tomar um café comigo.

- Ela vai me xingar por que não trouxe ela junto, isso sim. – Tess riu.

- Ah qualquer outra hora, sai nós três não?

- Ela vai pular de alegria.

- Então ok. – sorri tomando um gole do meu cappuccino.

- Jay, eu tenho uma pergunta. – Tess se ajeitou na cadeira.

- Pode dizer. – sorri.

- É que... eu andei pensando na conversa de ontem. Jay, tudo aquilo que você falou, era verdade mesmo? – puxei o canto dos lábios em um sorriso.

- Tess... eu sei que você mal me conhece, nem nada, eu posso parecer para você apenas um famoso a mais, mas, aquilo que eu falei foi verdade. Tanto que depois que eu contei a você, eu consegui dormir, eu consegui descansar a minha mente e não ficar só pensando em te contar, é serio isso.

- Eu acredito em você, é só que eu tenho medo de me iludir. Afinal você é famoso Jay, pode ter quantas mulheres quiser, namorar com quantas quiser... enquanto eu sou apenas outra garota qualquer me entende?

- Eu entendo... eu já vi o que é isso de perto. - sorri ao lembrar de Meg e Roxy. - mas olha, eu não vou te enganar. Eu nunca fiz isso na minha vida, sempre foi só zoação e pegação, mas com você Tess, eu sei que vai ser diferente. - peguei em sua mão livre.

- Eu realmente espero que seja diferente Jay. – ela sorriu fraco.

- Vai ser. - apertei a mão dela. - olha, eu quero que você me ajude. Eu nunca fiz isso, sempre foi só... algumas que eu pegava, mas eu quero mais com você.

- Então um ajuda o outro, certo? – Tess sorriu.

- Claro! Eu só quero que tudo ocorra bem.

- É o que eu mais quero também.

- Então...

- Jay sinto muito mas, agora eu tenho que ir. Eu tenho que terminar de cozinhar, ajeitar os presentes... essas coisas.

- Mas... não vai. - me levantei junto com ela, peguei em sua mão. - por favor fica mais um pouco ou, vamos dar uma volta?

- Mas Jay... – olhei-a triste. – esta bem.

Caminhei ao balcão e paguei a conta. Saímos para o dia frio de Londres e começamos a caminhar em silencio até um parque. Nos sentamos nos bancos, vendo as crianças brincando na neve.

- Cuidado pra eles não acertarem bolas de neve. – falei.

- Ah você me protege né?! – ela me olhou.

- Claro. – sorri.

- Você é muito gentil Jay. – ela passou as mãos no braço.

- Está com frio? – perguntei.

- Um pouco. – sorriu.

- Você quer minha jaqueta ou... - já estava retirando ela.

- Não precisa, daqui a pouco passa. Foi só um vento forte.

- Vem aqui. - de impulso, puxei ela e a abracei.

- Obrigada...

- De nada. - continuei abraçado a ela e passando levemente as mãos em seu braço para esquenta-la.

- Ei!! – Tess exclamou. – aquela é a minha irmã.
 
- Ta parecendo. - soltei Tess e tentamos olhar a menina que brincava na neve.

- Ô pirralha. – Tess gritou jogando uma bolinha de neve nela.

- Ai! - Lia exclamou e se virou. Quando nos viu, arregalou os olhos. 
- Jay? Tess?

- Oi Lia! - acenei e ela veio até nós. Me deu um abraço e nos encarou.

- Ta fazendo o que aqui sozinha? Cadê a mamãe? – Tess perguntou preocupada.

- Ela foi ali ó, pegar algo pra mim. - ela apontou para uma barraca. - o que vocês dois fazem aqui? Desde quando encontra o Jay? Porque não me chamou? - Lia disparou nas perguntas.

- Nós combinamos de ultima hora. – Tess sorriu torto.

- Combinaram?  Desde quando Tess? - Lia parecia brava.

- Vem aqui pequena. - a peguei e a sentei em meu colo. - foi só um pequeno passeio em cima da hora.

- Entendeu maninha? – Tess piscou.

- Mas... vocês tem algo Junto? - Lia perguntou e olhei para Tess.

- Er... – Tess não conseguiu terminar a frase e me encarou.

- Que tal a gente tomar algo? - olhei para Lia na intenção de desviar o assunto.

- Eu quero doce. - ela sorriu. - Jay não acredito que eu te conheci. - seu sorriso se alargou e a abracei.

- Essa garota ama um chocolate. – Tess riu.

Nos levantamos e caminhamos pela neve, Lia correu e foi avisar sua mãe . Depois fomos até uma loja onde vendia apenas doces. Chegando lá Lia se distraia enchendo a cestinha, me aproximei de Tess que observava a irmã.

- Tess, sabe que pode confiar em mim. – sussurrei.

- Hum? – ela se virou para me olhar. – ah! Eu sei Jay.

- Então? Aceita sair comigo? Mais dessa vez um encontro formal?

- Er... claro! – ela sorriu tímida.

- Olha Jay! - Lia me mostrou um doce em forma de lagarto.

- Hum esconde se não eu como. - corri atrás dela pela loja, ela sorria alto.

- Mais uma criança pra minha vida. – Tess falou quando voltei para o seu lado.

- Mas essa criança sabe brincar direitinho. - sorri malicioso, mas me repreendi desviado o olhar, ela poderia se assustar.

- Arranjei uma criança tarada, socorro. – Tess brincou. Sorri com o seu comentário. Coloquei a mão nos bolsos para dar uma impressão de criança, o que fez ela rir.

- Pronto Lia? - ela estava perto de nós.

- Sim! - ela pulou. Fomos até o caixa, paguei os doces e voltamos para a praça.

- Então... - parei perto do banco onde estávamos sentados.

- Vou mostrar a mamãe. - Lia correu para onde sua mãe estava sentada com outras mulheres perto de várias crianças.

- Então... - coloquei a mão nos bolsos e olhei para Tess. - eu já tenho que ir.

- Er... eu também.

- Então... - peguei em sua mão e a olhei nos olhos.

- Obrigada pela tarde. – ela deu um beijo estalado na minha bochecha e se levantou. No impulso, puxei ela pela cintura e a segurei a centímetros de mim, nossas respirações descompassadas.

- Posso? – pedi.

- Po-pode. – ela sorriu nervosa.

Segurei em seu pescoço, e ela passou a mão em meus cabelos. Encostei de leve nossos narizes e então tomei seus lábios para mim, em um beijo lento e sufocante, depois que nossas línguas já brincavam em sincronia, partimos o beijo para respirar. Continuei a segurando seu pescoço e beijei a sua testa.

- Até logo.

- Até a próxima. – ela me deu um selinho rápido e correu em direção a Lia. Sorri vendo ela correr e dei meia volta, caminhando de volta para casa.

                                    Nathan's Pov

Estava me arrumando no quarto, as meninas já tinham ido em casa se arrumar e ficamos ajeitando os últimos preparativos. Ouvi a campainha soar no andar de baixo e logo depois a porta do meu quarto foi aberta e Roxy apareceu.

- Oi linda! - sorri fechando o ultimo botão da camisa.

- Oi amor. – Roxy sorriu. – que isso Nathan quer humilhar todo mundo? – ela colocou as mãos na cintura.

- Por que? Está feio? – examinei minha roupa.

- Muito pelo contrário, esta maravilhoso.

- Obrigado, sempre tento ser lindo. – sorri.

- E consegue. – Roxy me deu um beijo rápido na bochecha.

- Já estão todos ai? – perguntei.

- Aham!! – Roxy assentiu animada e correu até o armário.

- Vamos descer?

- Só vou pegar os presentes, pode ir descendo se quiser.

- Ok! - sai do quarto, descendo até as escadas e cumprimentando todos que estavam ali. Todos formalmente vestidos para a noite de Natal.

 - Oi Nath!  Naree sorriu.

- Oi Naree, como vai? – a abracei.

- Estou bem e você Nathan?

- Ai onde tem bebida? – o pai da Roxy se pronunciou e todos riram.

- Aqui Christian. - Jay o levou até a cozinha. Comecei a rir daquela cena, só podia ser o Jay mesmo.

- Estou muito bem Naree. - respondi ela.

- Amor vem cá. - Siva a chamou.

- Estou indo amor. – Naree sorriu e foi de encontro ao Siva.

- Oi cabeção. - Meg apareceu.

- Oi Megzinha. – falei.

- Não me chama assim! - ela me bateu no braço e sorriu.

- Ai! Cadê o espirito natalino?

- Pra você não tem! - ela falou rindo.

- Já ta tudo pronto? Eu estou com fome. – Tom falou.

- Falta a Roxy descer. – falei.

- E o amigo oculto. - Claire acrescentou.

- Ah ela encontra a gente na cozinha. – Tom disse empurrando as meninas.

- Mas gente o amigo oculto não é primeiro? - Siva perguntou.

- Para de ser morto de fome Tom! - Meg brigou.

- Ai ta bom, então a gente faz isso primeiro e depois come. – Tom se jogou no sofá.

- Mas cadê a Roxy? ROXY?!?! – gritei ela.

- Calma Nathan, daqui a pouco ela aparece. – Naree riu.

- Então...? – perguntei.

- Eu vou chamar o resto do pessoal. – Claire sorriu e foi até a cozinha.

- Gente da pra alguém me ajudar? – Roxy apareceu no topo da escada arrastando um monte de sacolas.

- Calma ai! - corri até ela e peguei metade das sacolas.

- Obrigada Nath. – ela sorriu. – trazer isso tudo foi um custo.

- Poderia ter pedido a minha ajuda. – sorri.

- Ah você já tava aqui embaixo e não queria incomodar. Mas, então o que vamos fazer agora?

- Amigo oculto. – Claire gritou.

- Quem começa? – Tia Rose saiu da cozinha acompanhada dos pais das meninas.

- Roxy!! – falei.

- Ai por que eu? – ela cruzou os braços e todo mundo começou a gritar pra ela ir. – AI TA BOM!! Bem... meu amiguinho secreto, é um amor de pessoa, pelo menos comigo né. Hum... é lindo, amo muito, é meu irmãozinho do coração.

- JAY!! – todo mundo gritou. Jay se levantou sorrindo e a abraçou, tirando ela do chão e a rodando.

- Muito bem... vejamos o que tem aqui. – ele analisou a caixa que Roxy lhe entregara, era realmente bem grande e nela se encontrava alguns furinhos. Quando Jay abriu a mesma, ficou tão feliz que parecia aquelas criancinhas que tomaram soverte pela primeira vez. – Obrigado Roxy!!

- Awn que isso Jay, eu sabia que você queria mais um. Então qual vai ser o nome?

- Ainda não sei depois resolvo isso. – Jay sorriu e colocou a caixa em um lugar seguro, todos ficamos curiosos e olhamos o que tinha dentro... mais um lagarto.

- Então gente... - Jay se abaixou na árvore e pegou uma caixinha média de veludo vermelho. - eu não sabia o que comprar pra essa pessoa, então optei pelo mais formal e bonito. Essa pessoa é muito feliz, ela é daquelas que “estou em todas se me chamarem”. Adoro ela demais, e conheci ela a pouco tempo e, o mais engraçado, que eu pensava que quando a conheci ela estava me cantando, mas enfim ela não morava aqui e...

- Claire! - Siva gritou.

- Siva seu língua grande. - Jay amostrou o dedo e começamos a sorrir. Claire se levantou e o abraçou.

- Abre eu quero ver. – gritei.

- Calma Nathan. - Jay rolou os olhos e ri. Ela abriu a caixinha e dentro continha um colar, com o pingente da London Eye banhado em ouro branco.

- É lindo! - ela sorriu com os olhos brilhantes. Jay colocou nela e se sentou.

- Eu quero um, ta ouvindo? – Meg apontou pra ele.

Claire colocou em cima da mesa cuidadosamente uma caixa um pouco grande, bem embalada.

- Bem pessoal... eu pensei nesse presente por vários dias. Decidi comprar ele hoje porque foi mais apropriado. Essa pessoa que eu tirei é a mais doce, amável e carinhosa que eu já tive contato. é uma pessoa que você quer ter muito a companhia. Ele é bem alto, e digamos... uma Diva. - ela sorriu.

- SIVAAAA! – as meninas gritaram.

- É você Siva! - ela sorriu e ele se levantou, a abraçando.

- Eu sabia que ele era uma Diva - Jay sorriu.

- Calado Jay. - ele resmungou.

- ABRE! - gritei outra vez.

- Nathan sua peste curiosa. - Megan sorriu. Ele desenrolou a fita que laçava a caixa e abriu a examinando.

- Não acredito. - ele sorriu abertamente. Me levantei correndo e fui olhar.

- Puta que pariu Siva eu quero um! - pedi. Era uma caixa repleta de chocolates e brownies.

- Sai fora Sykes são todos meus. - ele me empurrou.

- Podemos continuar? - Nareesha perguntou.

- Pessoal, eu não sabia o que dar. - Siva se pronunciou, levantando seu presente. - então tive que revelar a Nareesha pra ela me ajudar a escolher.

- Assim não vale!! – falei.

- Calado Baby!! - ele apontou. - então, essa pessoa, basicamente eu não conheço muito bem, só a convivência. Então desculpe...não sei o que falar. - ele sorriu. - é você Mandy. - ela se levantou e ele a abraçou.

- Vai ter que abrir! – falei. Ela abriu o embrulho e mostrou uma malinha de mão, cheia de maquiagens e coisas de meninas.

- Awn obrigada Siva, é lindo. – Mandy falou. Siva se sentou e Mandy pegou seu presente.

- Bem... – Mandy começou a falar. – a pessoa que eu tirei sempre foi especial para mim, ela é incrível, e eu a considero como uma mãe, já que sempre nos deu carinho e atenção. - Tia Rose. – Roxy comentou. Rosalie se levantou e a abraçou ternamente, ela abriu o presente e mostrou um perfume de marca. Rose caminhou para atrás do sofá e puxou uma caixa comprida e enorme. Ela posicionou ela ao seu lado, sendo quase do seu tamanho já que tinha a mesma altura que Megan.

- Bom, o que falar dessa pessoa que eu tirei... ela se tornou muito especial para mim. É uma pessoa bem animada, louca, tem um enorme talento e sabe fazer outra pessoa que eu amo feliz. No começo ele era meio estranho para mim, mas depois que eu realmente o conheci, soube que eu não poderia ter uma pessoa melhor em minha vida como ele, aliás, gosto dele porque ele tem quase a mesma altura que a minha. - ela sorriu.

- É o careca. – Tom gritou.

- É meu Genro! - Rose sorriu e todos rimos junto. Ele se levantou rapidamente e a abraçou. - espero que goste. - ela disse. Ele começou a rasgar o embrulho e a cada rasgo, mostrava a caixa preta envolta de espuma, ele abriu-a e começou a sorrir;

- CARALHO MAX! - gritei e me levantei junto com os meninos para ver o baixo que ele tinha ganhado, era azul escuro com o braço dele todo preto.

- Cara esse baixo é incrível. – Max falou animado. – obrigado Rose, obrigado mesmo.

- Agora vou ser trocada por um baixo mãe, valeu. - Meg fingiu raiva.

- Não te trocaria por nada amor. – Max piscou e Megan corou. – bem... eu não sabia muito bem o que comprar para essa pessoa, já que nos conhecemos a pouco tempo. Mas, como de costume vamos manter as coisas em família, espero que goste August. – Max entregou o presente pra ele.

- Vamos ver se acertou na escolha rapaz. – August arqueou a sobrancelha e abriu a pequena caixa que Max lhe entregou, tirou um relógio de dentro da mesma, realmente bonito. – Obrigado Max. – eles se abraçaram e Max se sentou.

- Eu não sou desses de ficar dando discurso então... toma Bell. – August entregou o presente para ela, que abriu o mesmo desesperada. Era uma bolsa da Chanel se não me engano.

- Nossa ela é linda! – Bell falou animada.

- Então... eu tirei um garoto realmente especial, é lindo, charmoso e divertido. Nós saímos juntos algumas vezes e eu pude perceber o quão legal e engraçado ele é. – Bell pegou o presente e veio até mim. – pra você Nath.

- O-obrigado. Sorri e abracei-a levemente.

- Abre Nathan. – Roxy me encarou irritada. Abri o presente e eram três bonés da marca que eu adorava, sorri involuntariamente.

- Obrigado! – falei. Joguei meus presentes em cima de Roxy, de propósito e caminhei até a arvore pegando os presentes.

- Bom, a pessoa que eu tirei, é extremamente, infinitamente chata, porca e morta de fome. – falei.

- É o Tom! – Siva riu.

- Você esqueceu do gato, gostoso e maravilhoso. – Tom se levantou.

- Não porque isso sou eu! – falei. - vem cá irmão. - o abracei.

- Fazendo o papel do Nathan agora... ABRE! - Jay gritou.

- Você consegue ser pior que ele. – Tom riu e abriu o presente, era um box da série Dexter e mais um livro. – Caralho isso é muito bom, obrigado Nathan!! – Tom falou animado e eu me sentei.

- A pessoa que eu tirei é um amor, dificilmente esta triste e sempre tenta animar os outros, ela é uma amiga que a gente pode sempre contar. Nossa que coisa gay. – Tom riu. – enfim... Naree vem cá.

- Awn Tom que lindo. – ela o abraçou e pegou o presente.

- Abre!! – gritei.

- Calma Nath! – ela riu e começou a abrir o presente, tirou da sacola uns quatro pares de sapatos. – Aiin obrigada Tom.

- To calmo! – sorri.

- Bem... eu amo a pessoa que eu tirei, foi fácil comprar um presente. Ela é incrível, super talentosa e se tornou uma grande amiga. – Nareesha pegou o presente e ficou calada por um tempo. - MEGAN!! - Megan sorriu e se levantou, indo a abraçar.

- A...

- Já sei Nathan! - Meg não deixou eu terminar. Megan rasgou o envelope que Nareesha tinha lhe dado

- NÃO CREIO! - ela gritou. - MARRON 5! EU VOU AO SHOW DO MARRON 5! - ela sorriu pulando e levantando os ingressos.

- Sabia que você ia gostar. – Naree sorriu e a abraçou.

- Ai tem quantos ingressos? Preciso ver o Adam gostoso Levine. – Roxy gritou.

- Tem 4 ingressos. – Megan mostrou.

- Já era um é meu. – Roxy se levantou.

- Outro meu. - Claire correu até elas.

- Outro pra Naree porque foi ela que me deu. - Megan falou.

- E eu? – gritei.

- Perdeu Nathan. – Claire sorriu.

- Ei vamos continuar? – Tom perguntou.

- O meu amigo secreto é mais que um amigo, é umas das pessoas mais maravilhosas da minha vida. Meu segundo pai. - Megan sorriu. - tio Christian.

- Obrigado Megan!! - ele se levantou e ela correu pulando nele e o abraçando, ele abriu o presente e mostrou a jaqueta de couro preta. Ela era Magnífica.

- A pessoa que eu tirei, é uma pequenina especial para mim, desde bebê ela nunca foi normal e bom, acho que ela puxou isso de mim. É você Roxy!! - ele sorriu para ela apontando o presente.

- Own ainda sou a pequenina. – Roxy pulou em seu pai.

- Toma, espero que goste. – ele deu o embrulho.

- Não acredito. – Roxy falou pausadamente e pulou em seu pai novamente.

- Acho que gostou. – ele sorriu.

- Gostei? EU AMEI PAI! Fala sério é incrível. – estávamos todos curiosos, já que Roxy ainda não tinha revelado o presente.

- Mostra. – pedi.

- Nossa isso tudo é curiosidade?

- Anda Roxy! – pedi com mais força.

- Ain ta bom. – ela mostrou duas baquetas.

- E o que tem de incrível nisso? – Tom arqueou a sobrancelha.

- Tem o autografo da Pink e dos caras do Red Hot. – Roxy falou com os olhos brilhando.

- Deixa eu ver? – Megan pediu.

- Toma. – Roxy entregou animada.

- É linda! - ela sorriu.

- Ah eu também quero ver. - cheguei perto. - essas você não vai quebrar. – sorri.

- Nem que eu quisesse quebraria essas, vão ser meus novos amores. – Roxy riu abraçado as baquetas.

- E eu? – fiz bico.

- Nossa! Não vive mais sem mim. – Roxy riu e me abraçou de lado. Sorrimos e fomos logo para a ceia antes que Tom atacasse a comida.

                                Megan's Pov

Fomos para a mesa de Jantar e logo a ceia foi servida. Nos sentamos nos devidos lugares e o silencio reinou enquanto jantávamos.

- Que silêncio. – falei.

- É que a gente ta comendo. – Tom falou de boca cheia.

- Mas gente, vamos conversar, sei lá falar algo. – sorri.

- Maroon 5. – Nareesha sugeriu.

- Vai ser muito perfeito o show! - Claire sorriu.

- Tenham cuidado meninas quando vocês forem. - tio Christian afirmou.

- Relaxa pai sou o juízo em pessoa. – Roxy riu.

- Se lembra da ultima vez? – Nathan abriu a boca grande.

- Que ultima vez? – papai me olhou.

- No show do Coldplay, um tarado tentou agarrar a Megan, mas o Max a salvou. – Naree falou com naturalidade.

- Megan? Isso foi verdade? - mamãe perguntou e eu fechei a cara para os linguarudos.

- Foi mas relaxa, porque naquele dia tinha muita gente. – sorri.

- Relaxa? – Max perguntou. – o cara quase te engoliu Megan.

- Gente, por favor isso não vai acontecer de novo. - rolei os olhos. - vamos voltar a ficar em silencio que é muito melhor.

- Melhor. – Tom continuou comendo. Depois de todos acabarem a ceia e a sobremesa, demos feliz natal.

- E então? - Nathan passou a mão na barriga.

- Vou dormir. – Roxy se levantou bocejando.

- Temos que ir. - papai chamou os outros. - meninas vocês vão? - ele perguntou indo para a porta.

- Eu não sei... - olhei para Max.

- Hoje elas ficam. – Max sorriu.

Sorri de volta a eles que logo nos despedimos e foram. Max e os outros resolveram ajeitar as coisas antes de dormir, então fui correndo para o quarto, pois tinha algo em mente. Entrei no closet e fitei a lingerie preta, peguei ela e corri para o banheiro. Me troquei rapidamente, vestindo-a acompanhadas de meias 3/4 pretas, soltei o cabelo e o afofei para ficar bem volumoso. Me olhei no espelho e fiquei com um pouco de vergonha, mas ele queria isso e seria o seu presente de natal.

- Megan vai querer cobertor? – Max entrou no quarto. Rapidamente me cobri com o roupão e respirei fundo, era a hora. Sai do banheiro e o encarei ajeitando a cama.

- Max... - o chamei.

- Fala amor. – ele me olhou.

- Senta. – mandei o empurrando na cama.

- O que aconteceu?

- Só uma coisinha que você pediu! - sorri me virando de costas e indo até a mesinha, ligando o Ipod no som. A musica logo soou, ainda de costas, abri o roupão e deixei que caísse em meus pés. Me virei e sorri maliciosamente para ele.

- Me...Megan você vai mesmo fazer isso? – ele mordeu o lábio inferior.

Comecei a andar lentamente até ele, sem chegar muito perto, de acordo com a batida, rebolava para ele, sem manter contato. As batidas me influenciavam e rebolei lentamente até chegar perto do chão, fazendo-o suspirar pesado da cama. Sorri maliciosamente e me aproximei mais, sentando em seu colo. Segurei seus braços para que não me tocassem e comecei a dançar de acordo com a musica, seus olhos eram o puro desejo por mim. Me levantei lentamente, colocando uma perna na cama e descendo a meia, retirei uma e joguei nele.

Me afastei e tornei a rebolar para ele, retirando a outra lentamente e joguei meu cabelo de modo sexy, o olhando sacana. Ele não se movia, apenas me encarava atento a cada movimento. Puxei um pouco a alça da Lingerie para baixo, caminhei de volta a ele e o empurrei na cama, fazendo ele se deitar. Subi em cima dele e fiquei em pé na cama, descendo rebolando lentamente até ele, já sentindo sua ereção. Sorri com aquilo e mordi o seu lábio inferior.

Ele tentou levantar sua mão para me tocar, mas o repreendi, a abaixando. Sorri com isso e pisquei para ele. Continuei me mexendo de acordo com a musica em cima de seu corpo, me sentei montada nele e rebolei, arranhando seu peito ainda coberto pela camisa, a puxei para retirar e ele me ajudou, se levantando um pouco. Desci até sua calça e a abri, retirando lentamente e passando entre suas pernas. Deixei-o apenas de cueca Box e continuei a dançar ainda de acordo com a musica.

Desci lentamente as alças da lingerie, puxando a parte superior e a retirando de uma vez. Coloquei a mão em meus seios os tampando e rodei a parte de cima nos dedos, jogando nele e ele logo a agarrando e cheirando, me olhado intensamente. Rocei com a mão livre a barra da calcinha e fiquei sorrindo para ele, mordendo o lábio. Fiquei de joelhos na cama, bem próximo a ele.

- Não posso mais esperar. - ele disse quase sufocado.

- Pode vir. - sorri e logo senti seus braços ao meu redor, me puxando para ele. Em um segundo já estava debaixo dele, sua boca desesperada na minha. Max desceu os beijos pelo meu pescoço até meus seios, os beijando e os sugando com força, me fazendo arfar. Logo ele se separou de mim, procurando algo em cima da mesinha e eu já sabia o que era. Depois de alguns segundos ele já estava de volta, sem a box. Ele retirou minha calcinha rapidamente e investindo em mim de uma vez, me fazendo arfar com o contato. Começou a se movimentar rapidamente dentro de mim, logo me fazendo alcançar o ápice e sentindo ele se entregar no mesmo instante. Ele se jogou ao lado da cama e depois de alguns minutos recuperamos o fôlego.

- Max.. - sorri me levantando e puxando o lençol, me cobrindo e indo desligar o Ipod.

- Megan... isso foi... foi... incrível. – ele disse ainda meio ofegante.

- Eu não sabia bem como fazer isso... - sorri voltando a cama e me deitando ao seu lado.

- Imagina se soubesse. – Max riu e me puxou para um abraço entrelaçando as nossas pernas.

- Iria te fazer muito mais feliz. – sorri.

- Ta brincando? Esse foi o melhor presente que eu já ganhei. – ele sorriu malicioso.

- Sério? Que bom amor que eu consegui o que você queria.

- Qualquer coisa que você faça, me deixa feliz.

- Que fofo isso Max. - sorri passando a mão em sua barba mal feita.

- Eu sei que sou fofo, e sexy também. – ele riu.

- Nossa Max. – bati em seu braço.

- To brincando amor. – Max me deu um selinho. Enquanto sorria, ouvi alguém chutar a porta, fazendo eu e Max levarmos um susto.

- Estou ouvindo tudo. - Nathan gritou do lado de fora.

- VAI ATRÁS DA ROXY, NATHAN! – gritei.

- Tchau! – ouvi-o sorrindo e logo não ouve mais barulho.

- Criança. - rolei os olhos, me apertando mais em Max.

- Estraga prazeres isso sim. – Max riu.

- Calma amor, ainda estou aqui. – sorri.

- E não vai sair tão cedo. – Max começou a mexer no meu cabelo.

- Não vou, nunca. – sorri quase fechando os olhos.

- Já esta com sono?

- Só cansada, sabia que tentar rebolar cansa? Mesmo eu sendo bailarina e tal.

- Huum... então eu te canso? – Max se apoio nos braços para me encarar.

- Não amor, mas você sabe né... – sorri.

- Uhum sei...

- Ta duvidando de mim Maximillian Alberto George? – questionei.

- falei que adoro quando você fala o meu nome todo?! – ele sorriu sem graça.

- Nunca falou. – sorri. - mas só de ouvir você dizendo que adora já valeu tudo.

- Não poderia ter uma namorada melhor. – Max me deu um selinho e sussurrou. – você é perfeita.

- Você que é perfeito. – sussurrei de volta.

- Somos o casal perfeição então. – Max riu.

- Os mais perfeitos. – gargalhei. Me abracei a ele e comecei a fechar os olhos lentamente, apreciando ele fazendo carinhos em meus cabelos, até que dormi.

                                    Tom’s Pov

Acordei com um barulho ensurdecedor vindo do andar de baixo, me virei na cama procurando por Claire, mas ela já não se encontrava mais lá. Suspirei pesado e me levantei, fiz a minha higiene matinal e coloquei uma roupa. Fui abrindo a porta de cada quarto, e pelo visto já estavam todos de pé, até mesmo o Nathan. Desci as escadas e não encontrei ninguém na sala, apenas a televisão ligada com um jogo qualquer de futebol passando. Caminhei até a cozinha e antes mesmo de entrar já ouvi as gargalhadas altas da Roxy e Nathan resmungando algo.

- Bom dia pessoal! – sorri adentrando o local.

- Bom dia!! – todos responderam.

- E então como passaram o restante da noite de natal?

- Caímos no sono. – Nathan falou.

- A minha foi ótima. – Max sorriu malicioso e eu logo soltei um riso baixo.

- É, o resto da noite de natal foi boa. – Meg sorriu.

- Eu dormi feito uma pedra. – Roxy riu.

- Eu também estava muito cansado. – Jay falou.

- Cai na cama logo. – Siva comentou.

- Vixe só pra Megan e pro Max foi animada. – Naree riu.

- Parece que sim. – Claire sorriu.

- Calado vocês! – Megan riu.

- Ai que frescura. – Roxy revirou os olhos.

- É todo mundo já sabe o que fizeram ontem. – dei de ombros.

- Vocês não sabem de nada. - ela se levantou e jogou a xícara na pia. - estão apenas inventando.

- Então... – olhei para Siva e ele estava com os seus chocolates. – ei da um ai?! – pedi.

- Não! São meus presentes. – ele fez cara ruim.

- Qual é cara, vai ficar gordinho. – Max riu.

- Não vou dar. – Siva escondeu eles.

- Guloso! – falei.

- Com prazer! - ele sorriu.

- Não acredito que vocês vão brigar por chocolate?! - Jay falou com sono.

- Só vocês mesmo. - Nathan sorriu.

- Agora eu fique com vontade. – Roxy fez bico.

- Quer um? Te dou só um. - Siva abriu a caixa e tirou um para Roxy.

- Own Siva. – Roxy correu até ele.

- Pra ela você da né?! – falei indignado.

- Claro que sim. – ele sorriu.

- Engraçadinho. – Max ironizou.

- Deixa o Siva ser feliz gente. - Meg rolou os olhos.

- Só por que você me deu chocolate, eu vou deixar você tocar minha bateria com as minhas novas baquetas. – Roxy sorriu.

- AH! ELE VOCÊ DEIXA. – Megan ficou brava.

- Ele me deu chocolate.

- E ai mano? E dai?

- É chocolate. – Roxy falou animada.

- Ah isso é bullying comigo. - Meg fez bico.

- Shiu! – Roxy riu.

- Vocês são terríveis. – comecei a rir.

- Alguém me da mais chá. – Jay pediu.

- Pensei que essa frase era do Nathan. – Roxy comentou.

- To na paz hoje. – Nathan sorriu.

- O que aconteceu com vo... – na hora que eu ia terminar de falar, o celular da Roxy começou a tocar.

- Alô... sou eu sim, quem fala?... Não acredito, jura... isso é incrível... sim, acho que da... que horas mais ou menos?... perfeito... no parque perto da London Eye então?... ok estarei lá. – Roxy desligou o celular animada e todos encarávamos ela a espera de uma explicação.

- E então... – incentivei.

- Ah!! Um produtor me ligou falando que quer me encontrar as 16:00 no parque perto da London Eye.

- Mas, você vai sair da banda? – Nathan se levantou.

- Eu não falei nada, só quero ver a proposta dele Nathan. – Roxy falou.

- E que horas é isso? – Jay perguntou.

- Umas quatro horas. – Roxy estava animada.

- Preciso ir? – Nathan perguntou.

- Não é necessário, você pode ficar e dormir. – ela sorriu.

- Certeza?

- Calma amor, eu só vou lá pra saber da proposta.

- Se você esta dizendo. – ele a abraçou.

- Pode ficar tranquilo.

- Torcendo pra essa proposta ser um lixo. – falei rindo.

- Toca ai. – Jay bateu em minha mão.

- Que horror. – Naree riu.

- Vocês são maus! - Claire suspirou.

- Terríveis. - Meg sorriu.

- Não é pra tanto. – Tom riu.

- Nossa, imagina. – Claire revirou os olhos.

- Alguém sabe que horas são? – Roxy perguntou.

- Três da tarde. – Megan falou.

- Fui, vou me trocar. Me desejem sorte. – Roxy mandou um beijo no ar.

- Boa sorte. – sorrimos.

- Não estou gostando disso. - Nathan resmungou.

- Eu sei o que faço. – Roxy piscou e saiu da cozinha.

- Já to curioso. – sorri.

- Espero que não seja encrenca. - Megan passou a mão na cabeça de Max.

- Qualquer coisa ela foge. – Max riu.

- Não né Max. – Nathan o repreendeu.

- O jeito é esperar e torcer para que a proposta seja ruim. – comentei.

- Ta, mudem de assunto porque se ela ouvir vai ficar com raiva. - Megan falou.

- Ela ta tão animada que nem vai ouvir. – Naree riu.

- Verdade. – Siva falou.

- Alguém quer alguma coisa?  - perguntei abrindo a geladeira.

- Me da uma maçã ai. – Jay pediu.

- Pensa rápido. – joguei a maçã.

- Peguei peguei! - ele tentou pegar, mas ela caiu no chão. - que droga!

- Tira a casca e come. – dei de ombros. Ficamos conversando até a hora em que ouvimos a porta da sala bater, Roxy tinha acabado de sair para o tal encontro com o produtor. Corremos para a sala para tentar conversar com ela antes, mas não tivemos muito sucesso.

- Ei o que faremos no ano novo? – Naree perguntou.

- Calma gente, pra que o desespero. – me joguei no sofá.

- Dá um tempo Tom, o ano novo já é daqui a 5 dias. - Megan rolou os olhos.

- Nossa é verdade! – arregalei os olhos.

- Então...? – Nathan perguntou.

- A gente vai ver os fogos na London Eye não é? – Naree perguntou.

- Ai que maravilhoso. – Megan sorriu.

- Pronto ta resolvido. – Max riu.

- Vamos só ver os fogos? – Siva perguntou.

- Antes a gente faz um jantar básico né? – perguntei.

- Pode ser em um restaurante de lá. – Jay falou.

- Boa Jay. – bati na mão dele.

- Então fica isso. – Meg sorriu.

- Pelo menos já temos tudo programado. – falei.

- Assim fica mais fácil. - Nathan se sentou no chão ligando a TV.

- Também acho. – Jay falou.

Ficamos sentados na sala vendo televisão enquanto combinávamos algumas coisas para o ano novo, porém ninguém conseguia se concentrar e o motivo era: Roxy e o tal empresário, estávamos completamente ansiosos para saber da tal proposta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário