sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Capitulo 21



                                                          Roxy’s Pov

Acordei com a claridade que invadia o quarto, olhei para o outro lado da cama e não vi o Nathan, provavelmente ele tinha acordado mais cedo e aberto as cortinas. Fui até o banheiro e fiz minha higiene matinal, troquei de roupa e voltei para a cama, liguei a televisão e fiquei assistindo desenho animado de novo já que não tinha o que fazer. Avistei um aparelho tremendo sobre o criado mudo e o reconheci como sendo celular do Nathan, havia chegado uma mensagem, eu como não sou curiosa nem nada, abri a sms e me arrependi profundamente de ter feito isso.

“Quando a gente vai se ver de novo? Sinto a sua falta xx Bel”

Quando eu estava para jogar o mesmo contra a parede a porta foi aberta, revelando Nathan se despedindo do Jay, continuei sentada na cama com o celular em minhas mãos e a raiva percorrendo o meu corpo.

- Oi linda acordou agora? - ele veio até mim, querendo me beijar, mas desviei o rosto.

- É infelizmente acordei agora.

- Porque essa cara?

- Acho que se você olhasse as suas mensagens você entenderia a minha cara. – joguei o celular para o lado e me deitei na cama evitando olhar pra ele.

- O que eu fiz... - ele se calou mexendo no celular. - olha Roxy, eu não tenho nada haver com essa garota ai.

- Ah não tem? Eu tomei a liberdade de dar uma olhada nas mensagens anteriores e pelo que eu vi vocês conversam mais do que eu imaginava não é?

- Ela anda me atormentando Roxy! Eu não sei como ela achou meu numero, mas ela anda me mandando sms. - ele se sentou ao meu lado.

- E você corresponde? Você é idiota Nathan? – subi um pouco o tom de voz.

- Você queria o que? Que eu a deixasse no vácuo? Que ela soubesse que estou viajando com você?

- Ah como se ela fosse descobrir alguma coisa só por você ter deixado de responder uma mensagem, minha prima é uma anta Nathan se toca. – me levantei.

- Eu não sei, eu não convivo com ela.

- AAAA você me deixa nervosa. – caminhei até a porta.

- Você pensa que vai aonde? - ele falou irritado.

- Pra longe de você Nathan, pra longe. – abri a porta e comecei a caminhar pelo corredor, já sentia as lágrimas escorrendo sobre o meu rosto. Pensei em passar no quarto da Meg mas provavelmente naquele horário ela ainda estaria dormindo.

- ROXY VOLTA AQUI! - Nathan gritava enquanto bateu a porta do quarto.

- Me erra Nathan. – revirei os olhos e continuei andando.

- Me espera Roxy.

- Qual a parte da frase “me erra Nathan” você não entendeu? – me virei de frente pra ele.

- Para de ser criança Roxy!

- Criança? Eu? – perguntei e logo parei de falar já que duas garotas estavam atravessando o corredor, continuei com os olhos fixos em Nathan e ele como sempre começou a analisar as tais garotas. – para de olhar pra bunda delas Nathan!! – falei irritada indo para direção contraria, ou seja, de volta para o  meu quarto.

- Eu não estava fazendo nada! - ouvi sua voz em riso.

- Vou começar a olhar o corpo dos caras que passar por mim também idiota. – revirei os olhos e continuei meu caminho.

- Ah Roxy releva isso.

- Ontem você não relevou quando fui chamada de “gostosinha” né?!! Você não presta Sykes.

 - Mas se você é gostosa, fazer o que? Ah Roxy, para de coisa.

- É, acho que os caras vão pensar nisso mesmo. – entrei no quarto e tranquei a porta atrás de mim, pude ouvir o Nathan batendo na porta, mas nem liguei, peguei a minha bolsa ajeitei algumas coisas ali dentro e depois me troquei novamente, coloquei um biquíni vermelho e um shorts branco por cima, peguei a minha bolsa com tudo o que eu ia precisar e voltei a abrir a porta. Nathan estava sentando do lado da mesma e assim que ouviu o barulho se levantou.

- Porque está com essa roupa? - ele me olhou de cima abaixo.

- Praia, mar, areia, caras interessantes. Simples Nathan é só pensar. – caminhei até o elevador.

- Você não vai assim. - ouvi ele correr atrás de mim.

- E por que não? – comecei a apertar o botão do elevador descontroladamente.

- Para Roxy! - ele conseguiu entrar no elevador.

- Parar o que Nathan? – perguntei já agoniada por estarmos só nós dois no elevador.

- Eu sei que você não esta com raiva de mim. - ele me prensou na parede.

- Olha meu andar. – o empurrei e comecei a andar para fora do hotel, por sorte a praia era ali em frente então não teria que andar tanto.

- ROXY!! – ele gritava atrás de mim.

- Ai não enche Nathan. – assim que cheguei na praia atrai alguns olhares masculinos, devo admitir que os caras eram bem interessantes, mas nada que chamasse tanto a minha atenção.

- Tão olhando o que? - ouvi Nathan gritar e correr ao meu lado. - para com isso Roxy!

- Eu já disse que não to fazendo nada, mas que saco!! – bati o pé e me virei pra ele.

- Ta com esse biquíni que mostra suas curvas perfeitas e eu não gosto disso. PARA DE OLHAR Ô MULEKE! - Nathan fez cara de mal para um garotinho que passava quase caindo.

- Que que tem o moleque olhar? Você também fica olhando pra bunda das outras na minha frente. NA MINHA FRENTE AINDA.

- Desculpa, tava comparando a bunda delas com a sua e definitivamente, as dela não são nada comparada a sua. - ele piscou.

- Idiota! – sorri fraco.

- Eu não. – ele riu.

- Quem fica comparando bundas Nathan?

- Só analisei...e vendo bem. - ele olhou pros lados. - tenho sorte.

- É também acho que você tem muita sorte. – cruzei os braços.

- Ih agora ela vai se achar. - Nathan me abraçou de frente e me olhou.

- Lógico que vou, os caras mais gostosos da praia estão com os olhares em mim.

- Mas só eu tenho você. - ele sussurrou no meu ouvido.

- É você definitivamente é muito sortudo, olha a cara de raiva dos caras. – comecei a rir.

- Invejem. - ele puxou meu rosto e selou nossos lábios.

- Eita se acalma ai garanhão. – separei nossos lábios e comecei a rir.

- Vamos voltar pro quarto. - ele sorriu malicioso.

- Boa ideia. – puxei ele pelo braço e logo estávamos voltando para dentro do hotel.

                                  Megan's Pov

Estava sentada encarando o notebook, a espera para Enrique entrar no Skype estava sendo angustiante. Eu não ia terminar com ele por ali, mas começaria a falar a verdade a ele, para na hora ser menos doloroso aos dois.

- Megan! - a tela apareceu, mostrando Enrique com um pouco de sono.

- Estava dormindo? - perguntei séria.

- Não, só deitado, mas me diga porque me chamou essa hora?

- Queria conversar, se não for incomodo.

- Não, não é. - ele se ajeitou na cadeira. - diga o que quer conversar?

- Sobre nós. – suspirei.

- Nós?...Meg o que esta acontecendo?

- Enrique eu não sei...eu, eu ando meio confusa e... - olhei para o chão.

- Ok Megan, sem enrolar. Eu já sei o que esta acontecendo. - o olhei, ele tinha uma expressão séria

- Sabe?

- Sim. Eu já temia isso quando você foi fazer essa viagem com ele...você viu que ele é o cara certo pra você. - fiquei em choque, como ele sabia disso? Será que eu era tão visível assim?

- Mas...

- Megan, eu sempre soube que você não era feliz ao meu lado, que ainda gostava dele. Eu estava mais com você porque achava que um dia eu ia lhe poder fazer feliz, mas eu estava errado, isso só te trazia dor...eu sei que é difícil dizer isso, porque eu gosto muito de você, mas eu deixo você livre... - as palavras fluíam da boca de Iglesias e eu ficava ouvindo atenta a tudo.

- Enrique, eu não quero te perder. - lágrimas desciam pelo meu rosto.

- Você não vai Megan, eu sempre vou estar aqui, pra ser seu amigo. Você pode continuar na turnê, se quiser é claro. - ele sorriu tímido.

- É claro que sim, eu te amo tanto Enrique.

- Eu também Megan.

- Promete não ficar triste? Por mim.

- Prometo.

- Agora pode ir dormir, não vou te incomodar.

- Estarei sempre aqui Megan. - ele riu e mandei um beijo pra ele, que logo desligou.

Parecia fácil, mas não estava sendo. Enrique me fez companhia em um dos meus momentos difíceis e sempre vou agradecer a ele, pelo menos ele viu que eu estava sofrendo e aceitou a minha amizade...me ajeitei na cadeira. Agora só falta avisar uma pessoa.

Me levantei e fechei a porta do quarto, caminhei até a porta onde eu ainda não tinha estado desde que eu cheguei aqui. Bati duas vezes e logo a porta foi aberta, mostrando Max de calção, sem camisa e de óculos de grau que lhe deixa...sexy

- Posso entrar? - pedi envergonhada.

- Er...claro! – ele sorriu fraco me dando passagem.

- Tava na Internet? - olhei seu notbook ligado em cima da cama.

- Twitter. – ele deu de ombros e se sentou na cama.

- Conversando com as fãs... - me sentei na ponta da cama e comecei a mexer nos dedos.

- É né. – ele se ajeitou. – então...

- Então Max... - olhei para ele, pensando como falar.

- Hum...?

- Eu conversei com o Enrique agora pouco... - o olhei, e ele me encarava com seus olhos verdes tão lindos.

- E ai? - fechei os olhos e suspirei.

- Nós terminamos. - falei por fim.

- Co...como?

- Foi repentino, ele disse que eu estava sofrendo e que ele queria o meu bem, ai ele disse que eu era livre porque na verdade...eu gostava era de você. - o olhei.

- Já tava na hora de dar um pé na bunda daquele cara.

- Não fala assim Max!

- Ta bom, parei.

- Então...? - o olhei pelos meus cílios.

- Então... você já terminou com ele e agora a gente pode ficar junto. - sorri com aquelas palavras e senti ele se arrastar na cama e se aproximar de mim.

- Talvez. – sorri.

- Talvez? – ele arqueou a sobrancelha.

- É, vou pensar no seu caso. Pensa que eu sou fácil Maximillian? - ri com sua expressão confusa.

- Mil perdões Megan Stark, mas é difícil conter um homem apaixonado e cheio de desejo. – ele se aproximou e mordeu o lóbulo da minha orelha.

- Pois você vai aprender a se contentar. - me arrepiei com sua mordida.

- Mas e se eu não resistir? – desceu os lábios até o meu pescoço.

- Ai eu vou pensar no seu caso de abrir uma exceção...ou não. - arranhei seu braço nu.

- Acho melhor você pensar logo. – ele apertou a minha cintura.

- Você pode sofrer um pouco. - me afastei dele, rindo vitoriosa pelo seu rosto de espanto.

- Você vai fazer isso comigo mesmo?

- Talvez Max, talvez. - pisquei para ele.

- Então vamos comer alguma coisa?

- Você quer algo?

- Quero, to com fome.

- Então vamos. - falei meio baixo, poxa não conseguia enganar nem enrolar Max.

- Só que a noite eu quero você no meu quarto ta bom? – ele me abraçou por trás e fomos em direção a porta.

- Pensarei no convite. - sorri e ele pegou uma camisa. Saímos pela porta em direção ao saguão do hotel, onde os outros almoçavam.

- Até que enfim os dois chegaram. – Jay comentou.

- Desculpa a demora, estava no banho. - menti descaradamente.

- Qual a sua desculpa Max? – Roxy riu.

- Eu...eu estava na Internet, e não é desculpa, é verdade. - ele puxou uma cadeira ao lado de Siva e me sentei ao lado de Jay.

- Então...quais as novidades de hoje? – Tom perguntou.

- Até agora nenhuma... - Nareesha sorriu, chegou a hora.

- Eu tenho uma. - todos me olharam.

- Fala logo. – Siva falou curioso. - respirei fundo e fiquei olhando atenta a todos.

- E-eu e o Enrique...a gente terminou. - soltei e fechei os olhos.

- Max o que você fez? – Tom perguntou indignado.

- Eu? Eu não fiz nada! - ele ria enquanto tomava seu suco.

- Eu não acredito, o que vocês aprontaram? – Roxy perguntou.

- Simplesmente a Megan é minha agora. - Max se gabou e eu rolei os olhos.

- Ai que lindo. – Nareesha falou animada.

- E Jay to vendo que a gente vai sobrar.

- Que nada já viu o tanto de mulher que tem nisso aqui?! – Jay falou e todos riram.

- Wow gente calma ai, eu ainda não falei nada. - levantei as mãos.

- Foda-se, vocês voltaram e é isso o que importa. – Roxy bebeu sua coca.

- É isso ai Roxy! - Max sorriu.

- Max! Fica calado! – briguei.

- Ai que drama vocês! – Roxy revirou os olhos.

- Nathan você ta vivo? – Siva perguntou rindo.

- To só vendo a cena de vocês, ah cara, Max e Megan estão juntos e daqui a pouco tão se pegando por ai, então relaxem. - ele falou.

- Megan, só controla o Max pra ele não ficar olhando pra bunda de outras garotas na sua frente. – Roxy segurou o riso.

- Max, cuidado pra Megan não vestir uma roupa curta e sair por ai para os homens olharem pra ela. - Nathan retrucou.

- Que diabos vocês estão falando? - perguntei sem entender nada.

- Eu tava de biquíni e meu shorts nem era tão curto. – Roxy revirou os olhos.

- Todos os homens da praia estavam te olhando. - Nathan falou, enquanto isso eu e os outros ficávamos boiando.

- Ninguém mandou ficar olhando pra bunda das meninas no corredor. – Roxy cruzou os braços e o Jay começou a rir.

- Você fez isso mesmo baby? – Jay perguntou entre risos.

- Eu já falei que estava só comparando as da Roxy. - Nathan fez bico.

- Onde já se viu comparar bundas Nathan? Se contente com o que você tem. – Tom segurou a risada.

- É que as das garotas eram nada comparadas as da Roxy. - ele riu.

- Nathan!! – Roxy corou.

- Fazer o que se você tem ela redondinha. - ele fez o gesto com a mão e eu quase me engasgo de rir.

- Nathan para. – ela colocou as mãos no rosto.

- Parei. - ele riu, esticando a sua mão e puxando a mão dela.

- Nossa que fofo, tendo ataque de diabetes aqui. - fingi colocar a mão no pescoço sufocada.

- Ta engraçadinha hoje eim. – Roxy mostrou a língua.

- Também, ela voltou com o Max. – Nareesha comentou.

- Mas você se esqueceu que Max é o rei das piadas sem graça. - Siva falou e começamos a rir.

- Vão se ferrar. – Max revirou os olhos.

- Ui, ele ficou com raiva. – brinquei.

- Vocês estão terríveis hoje. – Tom comentou.

- Nossa Tom, não que isso. - Nareesha sorriu.

- O que faremos hoje? – Jay perguntou.

- Eu vou ficar no quarto. - Max falou o que me fez olha-lo rapidamente.

- Eu não sei. - falei só pra contrariar.

- Eu pensei em dar uma volta por ae. – Roxy se pronunciou.

- Eu vou com você. - Nathan sorriu.

- Você não conta Nathan, onde você for ela vai, e visse e versa. - Tom riu.

- Ah cala a boca Tom, e deixa meu namorado em paz. – Roxy mostrou a língua pra ele.

- Um dia eu arranjo uma pra mim ai eu quero ver tu me maltratar assim. - Tom fez cara de pena.

- Ow Roxy não faz isso com o Tomtom. - me levantei e me abaixei para abraça-lo.

- Arranja logo então, você ta enchendo muito o meu baby, to desconfiando de vocês dois juntos ae. – Roxy cruzou os braços.

- Que isso Roxy?!? - Tom gritou.

- Nom é real. - Nathan piscou o que me fez gargalhar.

- Você vai ficar com a bunda dele? É isso mesmo? – Roxy fez cara de indignada.

- Não Roxy, eca! Sou mais a sua. - Nathan riu.

- Eu to brincando amor! – Roxy o puxou para um selinho.

- Ta muito bom aqui galera, mas eu vou indo porque quero dormir um pouco. - falei me levantando da mesa.

- Eu também vou indo, quero dar uma passada na praia. – Max também se levantou.

- Tchau vocês. - sai caminhando para o elevador, a preguiça já tomando conta do meu corpo. Apertei o botão insistentemente e nada do elevador chegar.

- Droga. – murmurei.

- Calma, pra que a pressa? – Max me abraçou por trás e sussurrou.

- Max! - me assustei. - pensei que fosse para a praia?

- Você acreditou naquilo?

- Pensei que sim. - o elevador chegou e me soltei dele entrando. Ele entrou  junto e a porta foi fechada.

- Fala sério. – ele começou a rir.

- Vindo de você Max, eu não espero mais nada. - sorri pelo vidro.

- Então... o que vamos fazer? – ele perguntou.

- Eu vou para o meu quarto. - sorri sapeca, sabendo o que ele queria ouvir, mas não dei o braço a torcer.

- Posso ir também? – ele mordeu o lábio inferior.

- Claro, mas quietinho enquanto durmo. – sorri.

- Sério que você vai dormir?

- Era a minha intenção. - saímos do elevador e caminhamos até a porta do meu quarto. Passei o cartão e o olhei. - vai entrar?

- E por que não? – ele entrou primeiro e logo se jogou na cama.

- Tava parado na porta. - sorri ajeitando meu cabelo em um coque frouxo.

- Você acha mesmo que eu ia ficar parado lá?

- Sei lá Max você é retardado. - sorri me jogando na cama.

- Ah é assim? – ele se levantou e começou a fazer cocegas em mim.

- P-para seu nanico! - comecei a rir e rolar na cama.

- Falou a baixinha.

- Nanico. - falei sorrindo para ele.

- Baixinha. – ele roubou um selinho.

- Nanico, nanico, nanico! - comecei a me mexer e cantar.

- Para com isso. – ele fez cara de bravo.

- Ownn o nanico ficou com raiva? - passei a mão em seu rosto.

- Fiquei.

- Não fique. - puxei seu rosto. - é dos baixinhos que eu gosto mais.

- Eu também prefiro as baixinhas, ate por que né...

- É baixinho. - beijei seus lábios delicadamente, estava sentindo falta daquilo.

- Senti sua falta. – ele começou a mexer no meu cabelo.

- Eu também senti muito a sua.

- Como vai ser quando voltarmos? Quero dizer... as primas da Roxy ainda estão lá.

- Eu não estou nem ai pra elas...mas vamos aproveitar o agora. – sorri.

- Você só quer dormir.

- Ta Max, eu me rendo. - sorri maliciosa.

- Já estava na hora. – ele me puxou e eu sentei em seu colo, começamos com um beijo calmo que logo foi ficando mais intenso, passei as mãos ao redor do pescoço dele e o puxei mais para mim, se é que era possível. Max colocou as mãos na minha cintura e foi se deitando e me puxando junto, como eu estava por cima resolvi me aproveitar um pouco. Desci os beijos até o seu pescoço e dei uma leve mordida ali, fazendo-o se arrepiar, sorri contra o seu pescoço e desci as mãos pelo seu peitoral ainda coberto pela camisa.

Comecei a desabotoar a sua camisa e fui beijando cada parte que ficava amostra. Max se levantou um pouco e terminou de retira-la, ele fez menção de se virar para ficar por cima mas, eu empurrei o seu peitoral para ele ficar deitado de novo. Max arqueou a sobrancelha e eu sorri maliciosa, qual é? É bom ficar no comando de vez em quando. Comecei a trilhar beijos de sua barriga até o peitoral, mordisquei o lóbulo de sua orelha e quando me afastei percebi ele morder o lábio inferior, sorri com isso e levei as mãos até a sua calça, sem que ele percebesse abaixei o zíper e abri o botão, puxei a mesma pra baixo e ele abriu os olhos, um sorriso malicioso escapou de seus lábios que já estavam completamente vermelhos e levemente inchados.

Voltei a selar nossos lábios em um beijo um pouco mais desesperado, senti ele apertando a minha cintura e sorri ainda com as nossas bocas coladas, ele pediu passagem da língua e eu cedi imediatamente, aprofundamos o beijo e ele subiu uma das mãos ao meu cabelo entrelaçando-os, continuamos assim até ele resolver inverter as posições, não pude impedir, já estava completamente fora de mim.

Com toda a pressa ele levou as mãos até a barra da minha camiseta e a puxou pra cima, ajudei-o e logo voltei a me deitar, fechei os olhos e comecei a sentir os seus lábios percorrerem a minha barriga , me arrepiei com aquilo e soltei um gemido fraco, aquilo o incentivou e ele começou a mordiscar a mesma até chegar ao meu pescoço onde deu demorados beijos. Direcionou as suas mãos até o meu shorts e o tirou rapidamente, começou a beijar o meu tornozelo e subiu os beijos até a minha coxa, apertou a direita levemente enquanto mordia levemente a direta. Continuou a subir os beijos até que senti os seus lábios contra os meus, mordeu meu lábio inferior e o puxou levemente, entrelacei as minhas pernas em suas costas e soltei um gemido fraco ao sentir o seu membro excitado, mesmo estando ainda por baixo da boxer azul escura que utilizava.

Me puxou e eu sentei novamente em seu colo, deslizei as mãos por suas costas e o pressionei mais contra o meu corpo. Assim que encontrou o fecho do meu sutiã começou a tentar abri-lo, continuei beijando-o e desci até o seu pescoço, ainda sem êxito com o meu sutiã, começou a xingar baixinho enquanto eu ria. Me afastei um pouco dele e levei as mãos até as minhas costas abrindo o meu sutiã facilmente, a alça caiu sobre os meus braços e sem delicadeza nenhuma Max o puxou e o jogou longe.

Deitamos novamente e logo ele desceu a boca até meus seios, enquanto apertava o esquerdo com uma das mãos, mordiscava o direito, eu já estava completamente entregue e não conseguia me segurar mais, eu precisava senti-lo dentro de mim o mais rápido possível. Puxei-o pela nuca e voltamos a nos beijar. Direcionei as mãos até a sua boxer e retirei a mesma com a ajuda dele. Max percebeu a minha urgência e deslizou as mãos pelo meu quadril, brincou com a minha calcinha, mas logo a retirou.

Se afastou lentamente e abriu a gaveta do criado mudo que tinha ao lado da cama, retirou um preservativo dali, abriu facilmente e o colou. Segurei em seus ombros enquanto ele apoiava as mãos em cada lado do meu corpo. Fechei os olhos e o senti me penetrar lentamente, cravei as unhas em suas costas e mordi o lábio inferior para conter o gemido. Depois que já estava completamente dentro de mim começou a se movimentar lentamente, estranhei um pouco vindo de Max, mas logo percebi ele retirando-se completamente. Olhei meio confusa pra ele e o mesmo só fez rir, voltou a me beijar lentamente enquanto ainda sorria, depois de segundos ele me penetrou novamente, dessa vez mais forte e mais rápido, mordi seu lábio inferior um pouco forte contendo outro gemido.

Ele continuou com os movimentos rápidos e fortes até eu atingir o meu ápice, soltei um ultimo gemido alto e relaxei o corpo, depois de alguns segundo ele relaxou o corpo e caiu ao meu lado na cama. Ficamos em silêncio até a nossa respiração se tranquilizar o que demorou uns dez minutos. Senti uma de suas mãos sobre a minha cintura e me puxou mais para perto, ficamos nos encarando por alguns instantes e eu roubei um selinho dele.

- Dorme um pouco. – sussurrou e eu fechei os olhos, eu já estava cansada e meus olhos estavam pesando então não resisti tirar um cochilo, Max continuou mexendo em meus cabelos até eu pegar no sono.

                              Jay’s Pov

Depois que almoçamos eu fui até o meu quarto ainda a procura do meu celular, eu não achava aquela droga em lugar nenhum até que uma coisa veio a minha cabeça, o ultimo lugar que eu tinha visto, foi na praia, provavelmente em um daqueles quiosques que tem lá.

Me troquei rapidamente e sai do quarto, minutos depois já estava perguntando pra tudo quanto é pessoa sobre o meu celular. Caminhei até a praia e fui para perto do mar respirar um pouco, fiquei uns dez minutos ali apenas sentindo a brisa no meu rosto. Logo quando eu estava voltando tropecei no pé de uma cadeira e cai, fechei os olhos e respirei fundo, quando eu fui perceber, não estava sobre a areia e sim sobre algo mais confortável. Abri os olhos e me deparei com um garota, ela estava com os olhos arregalados e esperava por alguma reação minha.

- Er... me desculpe. – continuei a olhando.

- Er....você pesa. - a linda menina de pele branca e cabelos pretos longos estava sem reação.

- Ah... desculpa, de novo. – me sentei ao seu lado.

- Só tome cuidado. Próxima vez eu possa não estar embaixo pra amortecer. - ela abriu a boca em um sorriso que lhe mostrava os dentes.

- Prometo que vou tentar. – sorri.

- Me diga uma coisa, você caiu do céu? Porque nossa, me desculpa mas você parece um anjinho. -ela sorriu.

- Você esta me cantando? – arqueei a sobrancelha.

- Não, é que você parece mesmo por causa dos seus olhos e dos seus cabelos. - ela voltou a se deitar.

- Todo mundo fala isso. – comecei a rir. – devo ser bonito mesmo.

- E tem um ego enorme. - ela riu.

- Se eu não me achar gostoso quem vai achar? – gargalhei alto.

- Você deve ter varias meninas no seu pé falando isso.

- Até que tenho algumas, mas não achei a pessoa certa.

- Que triste isso.

- É minha vida não é fácil.

- Então...qual seu Nome Sr. vida difícil?

- James Mcguiness, mas me chame de Jay e o seu?

- Clarie Santiago. - ela apertou minha mão.

- Bonito nome Claire. – disse pensativo.

- Obrigado. Você não é um dos The Wanted? Que canta Glad You Came.

- Er… sou eu mesmo. – baguncei um pouco o cabelo.

- Aw sempre tive vontade em ir em um show de vocês mas nunca dava. - ela sorriu.

- Estão todos ai no hotel, vamos lá e eu te apresento todo mundo se der.

- Não precisa Jay, é incomodo.

- Incomodo nada. A não ser que eles estejam em um sexytime, vamos esperar um pouco.

- Nossa Jay!!!! Como assim?

- Ah é que o Nathan namora e bem eles adotam um sistema de a qualquer hora e qualquer lugar, enquanto o Max acabou de ter uma reconciliação, então...

- Chocada com vocês. - ela sorria.

- Ué tem que aproveitar não?

- Com toda certeza. - ela sorriu fazendo seus olhos claros ficarem pequenos.

- E então... cadê o seu namorado? – perguntei rindo.

- Eu não tenho namorado, não sou boa o suficiente.

- Você ta me zoando né? Como não é boa o suficiente?

- Sei lá, acho que não fui feita pra namorar, ou até agora não encontrei o cara ideal.

- É definitivamente não é fácil achar a pessoa ideal. – suspirei e me deitei com os braços apoiando a cabeça.

- Então só o que resta é beber uma gostosa e gelada cerveja. - ela falou e a olhei.

- Você é das minhas então. – comecei a rir.

- Vamos tomar uma então. - ela se levantou, colocando o seu short.

- Er...claro. – me levantei e a puxei pela mão até chegarmos no quiosque mais próximo.

- Uma cerveja pra mim, e pra você? - ela olhou pra mim.

- Eu quero o mesmo.

- Hoje temos que comemorar...

- O que exatamente? – perguntei distraído.

- Pela primeira vez estou falando com um homem que conheci a 20 minutos e ainda não deu em cima de mim, e eu gostei disso. - ela sorriu.

- Ainda não te conheço muito bem pra isso. – sorri fraco.

- Você é muito cavalheiro Jay.

- Ah eu tento ser né.

- Me diz uma coisa, você é assim meio calado ou algo esta te preocupando? - nossas cervejas chegaram.

- Ah eu to preocupado só, problemas pessoais. Não ligue.

- Hm. - ela bebeu um gole de sua cerveja.

- Mas e então, da onde você é? - perguntei me ajeitando no banco.

- Londres.

- Esse mundo é pequeno. – balancei a cabeça negativamente e sorri.

- Qual é? O que foi? - ela riu.

- Eu também moro em Londres.

- Ai eu não acredito. - ela me encarou - é mesmo! Estou sendo burra! O The Wanted é Britânico mesmo. Desculpa, é que eu morava aqui antes e voltei pra Londres agora.

- Momento Claire sendo lenta. – gargalhei alto.

- Mais lenta do que eu, só eu mesmo. - ela me acompanhou no riso.

- Não o Nathan consegue ser mais devagar as vezes, ele ganha de você.

- Será? Acho que não, eu vivo esquecendo as coisas, pessoas e nomes.

- Espero que não esqueça de mim tão cedo. – dei mais um gole na minha cerveja.

- Acho que esses olhinhos azuis são difíceis de se esquecer.

- Eles são lindos, não são? – pisquei rapidamente fazendo-a rir.

- Os meus também são. - ela piscou da mesma forma que eu, começamos a rir.

- Não só os olhos, você é linda.
 
- Obrigado, você também. - ela sorriu envergonhada.

- Eu sei que sou gostoso. – estufei o peitoral e começamos a rir de novo.

- Nossa ele se acha. - ela falou apontando pra mim.

- Eu posso me achar. – fingi jogar o cabelo.

- Então...tenho que ir. - ela falou olhando pra cerveja que já havia acabado e a praia começando a ficar vazia.

- Não não, espera ai. Eu tenho que te apresentar o pessoal ainda. – me levantei.

- Mas ta ficando tarde Jay.

- Para nem ta tão tarde. Você vai fazer alguma coisa?

- Não. – ela sorriu.

- Você ta com medo de conhecer o pessoal? – arqueei a sobrancelha.

- Não, claro que não. Então vamos logo. – paguei as bebidas e puxei-a novamente, entramos no hotel e por sorte encontrei todos no saguão, Nathan estava abraçado a Roxy enquanto ela gargalhava alto com o Tom, enquanto Megan, Siva, Nareesha e Max estavam sentados nas poltronas.

-  Heeeey! Sentiram a minha falta? - perguntei atraindo a atenção de todos. - galera essa daqui é a Claire.

- Oi! - ela falou tímida e acenou pra todos.

- Ó esses daqui são: Nathan, Max, Tom e Siva. Aquela é a Megan e a Nareesha e eu me chamo Roxy. – Roxy apontou para cada um enquanto falava. – agora não precisa ser tímida, se solta da a louca.

- É que eu sou assim mesmo. - ela sorriu.

- Mentira que na praia você tava bem alegre. - falei e comecei a gargalhar da sua expressão.

- Oi! Não precisa ser assim, você vai ver como somos loucos e vai acabar querendo fugir da gente. -Megan se aproximou.

- Megan não bota medo na menina. – Roxy bateu em seu braço.

- É Megan, o que ela vai pensar da gente. – Nareesha riu.

- Eu nunca que ia fugir de vocês, vocês estão sendo legais comigo. - ela sorriu.

- Só não fica perto dessas três se quiser enlouquecer. - Max apontou pras meninas.

- Não fica perto da Megan isso sim, ela é super pervertida. – Roxy comentou e todos gargalharam alto.

- Max! Olha o que ela ta falando. - Megan fez bico e Claire riu.

- Vem amor. - Nareesha chamou Siva e ele se aproximou. - esse é o Siva.

- Não, é um poste. - Falei e começamos a rir.

- Haha sem graça. Prazer Claire. - ele acenou.

- Prazer Siva.

- Hey Tom, perdeu a fala? – Roxy perguntou rindo.

- E-eu não. - ele veio caminhando todo desajeitado e parou na nossa frente. Pela primeira vez, Tom não tinha nenhuma expressão no rosto.

- Tom, essa é a Claire. – apresentei.

- Prazer Tom. – ela sorriu.

- Prazer só na cama. – ele gargalhou alto e todos acompanhamos.

- E o Tom voltou ao normal. – comentou Siva.

- Tom e suas palhaçadas. - Nathan se aproximou e bateu em sua cabeça.

- Nossa Nathan você ta ai? Nem tinha te visto. – Roxy riu.

- Haha, mas naquelas horas você me enxerga, não é? - ele falou a abraçando.

- Naquelas horas é necessário. – Roxy mordeu o lábio inferior.

- Ta tudo bem? - Perguntei a Claire, que estava encarando Tom, ele também a olhava fixamente.

- Ta sim. - ela sorriu.

- E então o que temos pra hoje? – Nareesha perguntou.

- PUB! – Roxu levantou as mãos.

- Você é cachaceira. – sorri.

- Cala a boca que você também é. – ela apontou pra mim. – e ai quem topa?

- Eu topo. - Claire levantou a mão, eu simplesmente já sabia.

- To nessa. – Tom se pronunciou.

- Eu também. - falei no mesmo instante.

- Nath, Meg, Max, Seev e Naree vocês estão de acordo? – Roxy perguntou e eles apenas assentiram. – Aeee vou por meu vestido novo.

- Eu também! - Megan pulou radiante.

- Se for muito curto, você não vai usar não. – Max falou.

- Eu vou usar Sim! - Megan rebateu.

- Vai nada.

- Ai que drama Max. – Roxy revirou os olhos.

- Nem você Roxy. - Nathan se opôs.

- Mas o que? – ela se virou pra ele revoltada.

- Pra ficar mostrando a bunda igual hoje na praia? Pode esquecer.

- Ninguém merece, eu não mostrei minha bunda. – Roxy revirou os olhos e todos estavam segurando a risada.

- Tava desfilando com ela pra fora por ai na praia, se quer saber. - ele falou.

- Se for pra ir com um vestido curto igual o da Roxy, Megan, você não vai! - Max chiou.

- Vocês nem viram os vestidos ainda pra falarem se é curto ou não. – Roxy cruzou os braços.

- Deixem as meninas em Paz. - Siva falou.

- É deixem elas em paz, a gente comprou os vestidos tudo junto. – Nareesha se pronunciou.

- Vocês são uns babacas. – falei.

- Agora todos estão contra nós Nathan. - Max bufou.

- Ninguém mandou terem ciúmes excessivo. – Roxy mostrou a língua.

- Não é ciúmes, é zelo pelo que é nosso. - Nathan falou.

- Agora somos produtos pra sermos de vocês ou não? - Megan sorriu.

- Não é isso, é que...

- Gente, vocês vão ou não? - abri a boca.

- Foi mal Jay. – Roxy riu. – Megan vou me arrumar no seu quarto, vamos também Naree?

- Vamos...você vem Claire? - Megan a chamou.

- Ah minhas coisas estão no meu quarto, eu encontro vocês aqui embaixo. – Claire sorriu.

- Então vamos galera. - Nathan chamou.

- Tchau Claire. - a abracei.

- Tchau Jay! – ela sorriu.

- Tchau!! – o pessoal gritou já indo até o elevador.

- Até mais tarde. – ela gritou e foi para o outro lado.

                                      Megan's Pov

Subimos ao meu quarto. Estava cansada daquela tarde com Max, mas ainda tinha forças para ir para o Pub.

- Meninas vou tomar um banho, já que vocês já tomaram. - não esperei a resposta e fui logo pra o banheiro. Eelaxei com a água quente batendo em meu corpo e logo desliguei e sai enrolada na toalha. Nareesha estava sentada na cama enquanto Roxy se olhava no espelho (http://www.polyvore.com/cgi/set?id=69265033&.locale=pt-br).

- Ou hoje tem ou o Nathan vai ficar puto. - falei e Roxy me deu o dedo. Corri aonde estava meu vestido e comecei a me arrumar. Me olhei no espelho (http://www.polyvore.com/megans_clothes_23/set?id=69381093) e queria a opinião das meninas.

- Acham que o Max não vai querer sair comigo por causa do meu vestido?

- Ele vai querer te sequestra isso sim. – Roxy riu. – se eu fosse homem eu pegava.

- Se ele ficar falando besteira, é simples. Ele fica aqui no hotel e eu vou. – sorri.

- Problema resolvido. – Nareesha se levantou.

- Então vamos? - terminei de ajeitar meu cabelo.

- Claro! – Roxy caminhou até a porta;

Saímos do quarto e caminhamos pelo corredor, nem sinal dos meninos, resolvemos pegar o elevador e esperar no térreo. Paramos no saguão e nem Claire havia aparecido.

- Vamos esperar aqui. - me sentei no sofá.

- Será que eles vão demorar? – Roxy perguntou.

- Parecem mulheres se arrumando. - Nareesha sorriu.

- Ainda mais o Nathan. – comentou Roxy.

Enquanto estávamos ali. Vi três rapazes conversando perto do Restaurante do Hotel, eles falavam e apontavam com a cabeça para nós. Depois de alguns minutos, eles vieram em nossa direção. Os três eram musculosos, pareciam que faziam algum tipo de esporte pelo jeito.

- Olha. - falei fazendo elas acompanharem meu olhar.

- Bonitos. – Roxy deu de ombros.

- Diria menos, diria...elegantes. - Nareesha falou.

- Tanto faz. - falei.

- Oi meninas. - um deles falou com nós, nos viramos com tédio e os encaramos.

- E ai?! – Roxy respondeu.

- Estão tão lindas assim e sentadas...que tal darmos uma volta? - o outro falou.

- Estou esperando meu Namorado. - Nareesha falou.

- E eu também. - Roxy sorriu cínica.

- E eu...é...bem eu...estou esperando meus amigos. – falei.

- Mas... podemos ficar aqui com vocês? – o terceirou falou.

- Senta ae. – Roxy apontou para as poltronas vazias perto dela.

- Querendo curtir uma balada? - o maior perguntou.

- Sim. – sorri.

- O que vocês sugerem? – perguntou Roxy.

- Acho que uma balada bem agitada dia de hoje...ainda mais se estiverem acompanhadas.

- Nós não conhecemos nada aqui. – Nareesha riu. – qual a melhor?

- Nem nós, mas tem uma aqui perto do hotel que é ótima. Podemos levar vocês lá se quiserem. -eles se levantaram.

- Deixa que a gente leva. - Max chegou junto com os meninos.

- Caramba vocês demoraram. – Roxy se levantou.

- Quase não vinham. - andei até Max que me puxou e abraçou, de uma forma estranha, meio que protetora.

- Então a gente vai indo. - os rapazes passaram por nós e sumiram pelo hall.

- Coitados. – Roxy riu baixo.

- O que eles estavam fazendo? - Nathan perguntou.

- Conversando. – Roxy respondeu rapidamente.

- Certeza? - Max me puxou e beijou o topo da minha cabeça.

- Não Max, eles estavam nos agarrando. - rolei os olhos.

- Não viu que eu tava no colo do loirinho quando vocês chegaram. – Roxy falou irônica.

- Não quero esses dai em cima de vocês. - Nathan falou.

- Eles querem muito bem algo. - Max me olhou nos olhos.

- Porque não ficam calados Igual o Siva? Olha ele não esta falando nada com a Nareesha.

- Acho que é meio difícil pra eles Megan, entender que a gente não tava fazendo nada. – Roxy voltou a se sentar.

- Eu sei que vocês não estavam fazendo nada...é que eles estavam dando em cima de vocês. - Nathan sorriu.

- Foda-se o que eles estavam fazendo, o que importa é que a gente não estava dando moral. – Roxy revirou os olhos.

- Ta, já entendemos o lance todo, cadê a Claire? - Jay perguntou.

- Não sei Jay, não sei. – falou Roxy revoltada.

- Ta revoltada Roxy? - Tom gargalhou.

- Se zoar de novo meu salto vai parar na tua bunda.

- Roxy ta com raiva de Ti ó. - Max empurrou Nathan, me levando junto já que ele passara o braço em meus ombros e não me soltara.

- Vocês me irritam. – Roxy suspirou pesado e se deitou no sofá do saguão.

- Não né, vamos se levanta dai. - me soltei de Max e caminhei até Roxy, puxando seu braço.

- Para Megan!! Me deixa relaxar.

- Vamos, quero ir pra esse local logo porque já to cansada.

- Temos que esperar a Claire. – Nathan falou.

- Então vocês esperam ai, que eu preciso de um copo de vodca. – Roxy se levantou e começou a caminhar até a porta.

- Cheguei! - Claire apareceu. Jay e Tom olharam no mesmo instante que ouviram a voz dela, estou desconfiando de algo.

- Vamos então por que a Roxy já esta parando o táxi. – Nareesha riu e puxou Siva. Caminhamos todos para fora do hotel, nos dividimos em três táxis e fomos.

- Você não falou nada da minha roupa. - olhei para Max.

- Você esta linda, mas se alguém mexer com você, já sabe né? – ele arqueou a sobrancelha.

- Max, sem brigas.

- Não falei nada que ia brigar. – ele riu.

- Então pensou o que, Maximillian Alberto George. - falei seu nome rindo.

- Em te agarrar na frente deles, será bem mais proveitoso. – ele piscou.

- Porque você usa seu charme, beleza e encanto pra humilhar os outros? – sorri.

- Lógico. – Max respondeu e ouvi Roxy gargalhar alto que até então estava calada.

- Ta ouvindo isso Roxy? Agora me diz se eu mereço? - sorri pra ela.

- Não me envolve nessa, já tenho problemas suficientes. – ela riu e olhou para Nathan.

- Avá que esses meninos do The Wanted se acham demais. – falei.

- E nem são tudo isso. – Roxy completou segurando o riso.

- O que? Nós somos gatos e gostosos! - Nathan protestou.

- Eu e a Megan somos gatas e gostosas, meu amor. Vocês são...vocês! – Roxy falou e logo começamos a rir.

- Somos, gatos, gostosos, famosos e que existem várias garotas ao nossos pés. - Max se gabou. olhei para a rua e ainda não tínhamos chegado.

- Então vão atrás das outras que eu e a Megan achamos outros melhores. – Roxy mostrou a língua.

- Mas o que podemos fazer se queremos vocês? - Max me abraçou.

- Vocês mesmo sendo chatas, nós amamos, fazer o que?! - Nathan mordeu o braço da Roxy.

- Porra! Canibal. Gostei disso não. – Roxy fez biquinho.

- Deixa eu dar beijinho pra passar. - Nathan começou a beijar o braço de Roxy.

- Nem peço isso mais porque o Max é todo grotesco. - falei cruzando os braços.

- Que mentira Megan. Só não sou fofo igual o Nathan. – ele riu.

- A Megan não se preocupe por que a Roxy também é toda grosseira. – Nathan comentou.

- Ai que mentira. – Roxy fez biquinho de novo.

- Vocês que são brutos que se entendam, eu fico na minha carência sozinha.

- Para de drama. – Max puxou meu rosto e me deu um beijo na bochecha.

- Isso fez você subir a escala de bruto pra sem reação a coisas fofas. – sorri.

- Momento melação. – Roxy comentou.

- Fica quieta que isso é raro. - falei apontando pra ela.

Max puxou meu rosto e selou nossos lábios, mas não aprofundamos o beijo já que Roxy e Nathan estavam fingindo pigarrear ali. Depois de uns 10 minutos, paramos em frente ao Pub e descemos do Táxi. O outro estacionou e o pessoal desceu, entramos no Pub um pouco lotado já.

                                     Tom’s Pov

Assim que todos chegaram eu fui direto para o bar pegar as nossas bebidas, como sempre vodca para as meninas, enquanto a gente bebia cerveja. Me sentei ao lado da Claire, aquela garota estava mexendo comigo de um jeito inexplicável, todos já haviam reparado no quão interessado eu estava, mas o único que não estava gostando da situação era o Jay. Eu sei que ele é meu amigo, mas eu não consegui evitar sentir algo por ela.

- Então Claire, você mora a onde? – perguntei quebrando o silêncio.

- Eu moro em Londres também. – ela sorriu.

- Huum bom saber. Você faz o que? Eu digo, com o que você trabalha?

- Eu sou fotografa.

- Ah deve ser bem divertido. – dei mais um gole na minha cerveja.

- E cansativo também.

- Garanto que não mais que o meu trabalho. – me ajeitei na cadeira passando a encara-la.

- Ah melhor eu nem competir.

- Ta afim de dançar? – me levantei.

- Por que não? – ela respondeu rindo e me acompanhou, todos pararam de conversar e começaram a nos encarar mas não liguei muito pra isso.

Tocava uma musica eletrônica e logo começamos a nos movimentar, lógico que eu não era o melhor dançarino do mundo, mas eu conseguia dar uma improvisada. Coloquei as mãos em sua cintura e puxei-a para mim, com os nossos corpos já colados começamos a dançar novamente sem perder a troca de olhares. Aproximei meu rosto do dela, e nem por um momento Claire fez menção de se afastar, apenas continuava sorrindo. Até que selei nossos lábios em um beijo extremamente intenso e desesperado, eu ainda apertava a sua cintura enquanto ela segura em minha nuca e me puxava mais para perto.

- Tom, te achei legal sabia? - ela sorriu, partindo o beijo.

- Só legal? Poxa... – abaixei a cabeça fingindo estar triste.

- Não, você é lindo, carinhoso, engraçado, e não vou passar a noite aqui falando suas qualidades.

- Só pelo lindo você me ganhou. – falei rindo e coloquei uma mecha de seu cabelo atrás da orelha. – você também é linda.

- Obrigada. – ela corou.

- Por nada. – sorri fraco. – mas então, pensei que tinha gostado do Jay.

- Eu gostei dele. - ela falou sem entender o real motivo da pergunta.

- Então por que deixou eu te beijar? – arqueei a sobrancelha.

- Porque eu gostei de você. O modo que eu gostei dele foi diferente, ele é uma pessoa adorável, mas você me chamou atenção.

- Huum isso é bom. – sorri.

- E o que você viu em mim pra ter me beijado?

- Er... você é bonita, divertida, confiante, engraçada e mais umas coisas.

- Que bom. – ela riu.

O silêncio predominou e voltamos a dançar aquelas musicas bem agitadas que estavam tocando, depois de alguns minutos e de alguns beijos, resolvemos ir até o bar pegar alguma coisa pra repor as energias. Eu pedi outra cerveja enquanto Claire pediu um blue lagoon, ficamos conversando e rindo até a bebida chegar e nos sentamos na mesa onde todos estavam novamente.

                                   Nathan's Pov

Estávamos todos reunidos no Pub, e por incrível que pareça, ninguém tinha saído pra dançar ou fazer algo além de Tom e Claire. Jay não tinha gostado muito daquilo porque ele os olhava de modo estranho.

- Nathan, eu não estou me sentindo bem. - Roxy cochichou em meu ouvido.

- O que você tem?

- Um pouco de dor de cabeça. - ah não! Logo hoje que eu queria sair com Roxy ela estava sentindo dor? Respirei e sorri.

- Quer ir embora?

- Se puder. - ela sorriu. Nos levantamos da mesa e todos nos olharam, isso foi um pouco chato.

- Estamos indo. – falei.

- Porque? - Jay perguntou.

- Roxy esta com dor de cabeça.

- É só um pouco Nathan! Mas quero ir embora. - Roxy falou.

- Fica bem! - Megan falou, abraçada a Max.

Acenamos e saímos para fora do Pub. Chamei um táxi e logo estávamos retornando ao hotel. Roxy deitou a cabeça em meu ombro e eu afaguei seus cabelos.

- Já esta passando. - vi ela sorrir.

- Que bom. – falei. Chegamos ao hotel e fomos logo para o quarto. Roxy procurou em sua bolsa algum remédio.

- Está doendo tanto assim? - parei na porta do banheiro.

- Não, é que é melhor tomar para a dor não voltar. - ela sorriu pelo espelho.

- Ok, estou indo na recepção avisar do pessoal que vai chegar tarde. - caminhei até ela e beijei a sua cabeça, ela sorriu de volta e então me virei, saindo do quarto. Desci e cheguei a recepção, avisei sobre o pessoal e já estava tudo certo. Peguei o elevador de volta e comecei a cantarolar alguma musica enquanto o andar não chegava. Sai e andei pelo corredor, Roxy já devia estar se ajeitando para dormir.

- Roxy cheguei. - abri a porta.

- Oi, to aqui trocando de roupa. - ouvi ela. Tranquei a porta e quando me virei, vi Roxy apenas de lingerie preta. Ela estava com a bolsinha de remédios na mão, procurando algo dentro dela. Não deixei de olhar suas curvas bem destacadas na peça intima. Ela tirou a atenção do que procurava e olhou pra mim.

- O que foi Nathan? - ela sorria.

- Er...an, o que, oi? - tentei falar mas só balbuciava algo. Que diabos é isso?

- Nathan? Você ta bem? - ela se aproximou, e no mesmo instante, tive a reação de puxá-la pela cintura, fazendo seu corpo bater junto com o meu, e a bolsinha cair no chão.

- Desculpa, mas te ver assim, com essa lingerie eu não fico nada bem. - sorri malicioso a encarando, ela abriu um sorriso deixando seus lábios bem esticados e convidativos. Não esperei nenhum sinal e avancei em sua boca sem nenhuma calma. Pedi passagem com a língua e seus lábios se separaram, dando passagem para aprofundar o beijo. Depois de alguns minutos, partimos o beijo e comecei com leves mordidas em seu pescoço, fazendo ela se arrepiar. A arrastei lentamente até a cama e a deitei, deixando ela por debaixo de mim.

- E a dor de cabeça? - perguntei rindo.

- Passou. - ela respondeu e logo puxou meu rosto outra vez, para nossos lábios se tocarem. Meus dedos se enrolaram em seus cabelos e ela agarrava os meus com força, deslizei beijos pelo seu pescoço até o limite do seu sutiã. Trilhei beijo e lambidas pela sua barriga, quando fiz menção em chegar em sua calcinha, ela me puxou e tocou em minha blusa. Fiquei de joelhos na cama e a tirei rapidamente, e quando ia retirar a calça, Roxy levou suas mãos ao botão e a desceu. Começou a passar a mão por todo meu corpo e vi seus olhos carregados de luxúria.

Voltei a beija-la e a descer os beijos. Cheguei em seu sutiã e Roxy levantou o tronco para que eu desabotoasse. Fiz isso e logo ele foi jogado em algum lugar, comecei a sugar um de seus seios e apertar o outro, fazendo Roxy arfar e isso me excitar, desci outra vez pela sua barriga e cheguei em sua calcinha. A desci vagarosamente, olhando para Roxy que estava me encarando com puro desejo no olhar. Sorri e a retirei completamente, nunca tinha feito isso, mas comecei a beijar a parte sensível dela, fazendo gemidos sair de sua garganta. A estimulei com o dedo, e mais gemidos eram ouvidos de Roxy.

- Nathan... - ela sussurrou e sorri vitorioso. Parei com os movimentos e ela me olhou, ansiosa.

Tateei na mesinha e peguei um preservativo, retirei a Box e coloquei, ela me olhou e sorri malicioso para ela, que quando menos esperava, investi, fazendo nós dois arfar com isso. Comecei lentamente, fazendo Roxy choramingar por causa disso, os movimentos de vai e vem vagarosamente, até que aumentei a velocidade de acordo com os nossos gemidos. Quando senti que ela já estava chegando em seu ápice, aumentei mais ainda e chegamos junto ao nosso limite. Me apoiei no braço para não  botar peso em cima de Roxy, que estava de olhos fechados, tentando recuperar o folego. Me deitei ao seu lado e ficamos alguns minutos, tentando se recuperar. Roxy olhou pra mim com os olhos brilhando. Sorri com isso, como eu conseguia fazer ela ficar assim? A puxei e beijei seus lábios.

- Eu te amo Nathan. - ela falou entre meu pescoço.

- Eu também te amo. - falei e ela sorriu. Puxei o lençol e ficamos abraçados até ouvir a respiração de Roxy ficar lenta. Ela tinha dormido, sorri e fechei os olhos também.

                                      Max’s Pov

Acordei por volta das onze horas, a noite passada ainda estava muito vaga na minha memoria. Me levantei lentamente e caminhei até o banheiro, fiz a higiene matinal e tomei um remédio pra dor de cabeça. Caminhei até a minha mala e peguei o meu calção, nada como um ultimo dia na praia antes de ir embora. Troquei de roupa ficando apenas com a parte de baixo, coloquei uma toalha sobre os ombros e peguei meu Ray Ban.  Peguei o cartão do meu quarto e sai do mesmo. Parei em frente a porta do quarto da Megan e comecei a bater na mesma.

- Quem é? – sua voz soou rouca.

- Sua avó. – revirei os olhos rindo. – é o Max.

- Engraçado você não? - ela apareceu na porta.

- Sempre. – sorri. – então... vamos aproveitar o ultimo dia?

- Como? – ela sorriu.

- PRAIA!! – gritei levantando os braços.

- Para de ser escandaloso! - ela bateu em meus braços. - eu vou me trocar.

- Te espero lá embaixo. – dei um selinho nela e caminhei até o elevador, por sorte já estava ali no andar, então não demorei muito até chegar ao saguão. Me sentei em uma das poltronas e comecei a ler uma revista qualquer que tinha ali. Depois de dez minutos a Megan ainda não tinha descido então peguei meu celular e fui dar uma olhada no twitter.

- Cheguei.

- Nossa pensei que já tinha desistido. – me levantei e caminhei até ela.

- Tentando se livrar de mim? Sou difícil nisso.

- Eu? Tentando se livrar de você? Nunca Megan. – roubei outro selinho.

- É bom mesmo. – ela cruzou os braços.

- Vamos então. – peguei em sua mão e caminhamos até a praia falando algumas besteiras, assim que chegamos nos deparamos com a Roxy, a Claire e a Nareesha tomando sol enquanto os meninos estavam no mar.

- Vou ficar por aqui. - ela selou rapidamente nossos lábios. Acenei para as meninas e depois andei calmamente até o mar, a praia estava um pouco cheia, mas nada que incomodasse. Assim que o Tom me viu, ele veio correndo e começou a me molhar feito uma criança que nunca tinha feito aquilo, o empurrei e ele caiu de bunda. Logo todos começamos com a brincadeira de ficar se empurrando, pura criancice, mas bem divertido para desviar a atenção.

- Vou beber alguma coisa. – Tom comentou.

- Eu também vou, e aproveito e fico por lá. – Nathan sorriu.

- Vou com vocês. – falei e logo saímos, caminhamos calmamente fazendo bagunça e continuando a empurrar uns aos outros, Jay e Siva quiseram ficar no mar para aproveitar mais um pouco. Empurramos o Nathan e ele esbarrou em uma menina, os dois caíram de bunda no chão, ajudamos eles a se levantar e logo já estávamos conversando com ela e com as amigas dela.

- Não são vocês que cantam Glad You Came? – uma delas perguntou.

- É sim... – Nathan respondeu.

- Nossa eu amo essa musica. – a morena se aproximou de Tom

- Mas e então... vocês são daqui mesmo? – Nathan perguntou.

- Na verdade, somos australianas. – a loira se aproximou dele.

- Lá é muito bonito. – comentei.

- Você não faz ideia. – a outra loira um pouco mais baixinha se aproximou de mim e começou a passar a mão por meu peitoral, engoli em seco e me afastei um pouco, mas não adiantou muito.

- Então Tom, eu e as meninas estávamos pensando em... – Claire veio acompanhada de Roxy e Megan enquanto Nareesha foi em direção ao Siva. Elas não haviam percebido a presença das tais garotas, mas quando chegaram perto de nós pararam rapidamente.

- Acho melhor voltarmos em outra hora, eles estão meio ocupados. – Roxy cruzou os braços.

- Desculpa atrapalhar. - Megan virou de costas, voltando a barraca. Merda.

- Er... nos deem licença. – comentei.

- A gente tem que ir. – Tom correu atrás das meninas.

- Ei onde vocês vão? – a morena perguntou.

- Atrás das nossas namoradas. – Nathan respondeu e logo nós dois corremos até a onde as meninas estavam, as três encontravam-se deitadas de costas, tomando sol novamente. Provavelmente estavam com os olhos fechados por que nem notaram a nossa presença, até que Nathan pigarreou e Megan se apoiou nos braços e levantou o óculos.

- O que querem aqui? – ela fez cara de deboche.

- Eles já voltaram? Pensei que fossem aproveitar. – Roxy comentou.

- Estava tão bom lá rapazes, por que saíram? – Claire falou irônica.

- Parem com isso. – falei bravo e agachei na frente de Megan.

- Com licença, você esta tampando o sol. – Meg falou.

- Sério que você esta com ciúmes daquela loira? – segurei o riso.

- Eu? Não Max, sou muito mais eu. Nós três ganhamos delas e eu não vou ficar com ciúmes por causa de você. - Meg sendo irônica.

- Ainda bem que você sabe que é muito melhor que aquela loira, sou muito mais você. – sorri.

- Por favor, não estou com paciência pra você hoje.

- Megan para com isso, o que eu tenho que fazer pra você entender que eu te amo e que eu não vou sair por ai agarrando outro menina. Caramba Megan.

- Não sei. Só quero tomar meu sol. - ela abaixou os óculos.

- Olha pra mim. – puxei o rosto dela e joguei os óculos longe. – eu te amo baixinha, e niguém vai mudar isso.

- Isso foi lindo da sua parte. – ela sorriu.

- Então esta tudo bem? – encostei minha testa na dela.

- Nunca esteve mal.

- Ai que lindo o casal. – Roxy riu.

- E você amor? Ta com raiva de mim? - Nathan se sentou na areia.

- Er desculpa... ta falando comigo? – Roxy se sentou e apontou para si mesma, eu e a Megan começamos a gargalhar alto da cara de merda que o Nathan fez.

- Roxy, por favor amor, eu não fiz nada! Só tenho olhos pra você. - ele tentou tocar seu braço mas ela puxou, o que fez nossos risos ficarem mais altos.

- Ai Nathan, você me mata de rir. – Roxy sorriu sarcástica.

- Pra você ver o que eu faço, sou motivo de risos só por causa de você.

- Não, você já paga mico muito bem sem mim.

- Roxy, por favor, eu não fiz nada, me perdoa ou sei lá, fala que me ama outra vez. Eu te amo. - ele sorriu pra ela.

- Mas que merda Nathan!! – ela se deitou de barriga pra cima e suspirou pesado.

- Fala bebê que me ama. - Nathan deitou ao seu lado.

- O único baby aqui é você e eu não vou falar nada.

- Ok! - de repente ele beijou a bochecha de Roxy e se deitou de volta na areia. Olhei para Megan que queria rir dos dois discutindo.

- Qual é Nathan, você fala ok e me da só um beijo na bochecha? – Roxy se levantou e fez cara de indignada. – esperava mais de você.

De repente Nathan sorriu, quando o baby faz essa cara é que tem algo de errado. Em um lance, derrubou Roxy na areia e ficou por cima dela e a beijou calorosamente.

- Vai ser ao vivo mesmo? – sorri.

- Te amo Nath. – Roxy partiu o beijo.

- O baby ta crescendo. – Tom gargalhou trazendo as bebidas.

- Então, o que vocês queriam falar? – perguntei.

- Ah eu e as meninas fizemos reserva em um restaurante hoje, já que amanha vocês vão embora. – Claire sorriu fraco.

- É e ele é meio... chique. - Meg ficou vermelha.

- Vou ter que usar terno é? – perguntou Nathan.

- Se você não quiser parecer um mendigo lá, sim. – Roxy riu.

- É hoje que eu quero ver a gente tudo empacotado. - Tom deu seu sorriso maníaco.

- Você vai estar lindo. – Claire roubou um beijo de Tom.

- Temos um problema. – Nathan bagunçou o cabelo.

- Qual Nathan? – Megan revirou os olhos.

- Quem trás roupa social pra praia?

- A gente já cuidou disso. – Roxy respondeu

- E ai o que temos pra hoje? – Jay se jogou ao lado de Roxy e logo Siva e Nareesha apareceram.

- Uma noite de gala. - Meg sorriu, fazendo a abraça-la.

- Huum que interessante. – Nareesha sorriu.

- Sério que vou ter que usar terno? – Jay perguntou.

- Para você fica lindo de terno. – Roxy o abraçou de lado.

- Todos nós vamos. – respondi.

- Que horas esta a reserva? – Siva perguntou.

- As 20:00 hras. – Claire falou.

- Ótimo. – falei.

- Tom passa a garrafa de vodca ai. – Roxy pediu mudando de assunto.

- Começou a cachaceira. – Meg sorriu.

- Max controla a sua mulher. – Roxy revirou os olhos.

- Vocês que são amigas que se entendam. – falei.

- Toma Meg, se anima um pouquinho. – Roxy entregou a garrafa.

- Ei eu comprei pra mim. – Tom resmungou.

- Você ia beber tudo aquilo sozinho? – Siva arqueou a sobrancelha.

- Se dependesse dele, ia sim. - Meg deu uma golada na vodca e a olhei torto.

- O que foi Max? - ela me encarou.

- Não quero te ver bêbada. – sorri.

- Não vou ficar nanico. - ela passou a mão em meu rosto.

- Ta mais pra anão Megan. – todos começaram a gargalhar do que Roxy dissera e eu fechei a cara.

- Calada Roxy, a única que pode chamar ele de pequeno sou eu. - Megan me abraçou e eu retribui.

- Bler... muita melação. – Roxy mostrou a língua.

- Presente pra você. - Meg mandou o dedo pra ela.

- Chega vocês duas. – Jay se pronunciou.

Como sempre ficamos bagunçando e conversando, voltamos para o mar algumas vezes e arrastamos as meninas que saíram xingando até a nossa quinta geração. Quando o sol já estava se pondo, resolvemos voltar para o hotel, precisávamos descansar um pouco e nos arrumar para o tal jantar.

                                      Roxy’s Pov

Já eram 18:40 e eu  estava largada na cama apenas de roupa intima passando os canais a procura de algum filme interessante, Nathan ainda estava no banho e pelo visto não sairia dali tão cedo.

- Nathan!! – gritei e caminhei até a porta do banheiro.

- O que?

- Sai do banho.

- Só mais cinco minutinhos. – suspirei pesado e me sentei no chão de frente pra porta esperando a criança sair, poxa ele já estava lá a mais de quarenta minutos, e eu ainda precisa tomar o meu banho. Abracei meu joelhos e abaixei a cabeça esperando ele sair.

- Pronto! To cheiroso agora. – ele abriu a porta e eu corri pra dentro do banheiro sem falar nada. Tirei o restante da roupa e liguei o chuveiro, a medida que a água quente escorria sobre o meu corpo, várias coisas vinham a minha cabeça, e a pior delas era como seria quando voltássemos para Londres, já que minhas primas ainda estariam lá. Acordei de meu transe ao ouvir uma pancada na porta e Nathan gritando. Me assustei e desliguei o chuveiro rapidamente, me enrolei na toalha e abri a porta desesperada.

- Aconteceu alguma coisa? – perguntei.

- Não, só tava te provocando mesmo.

- Puta Nathan, eu me assustei. – caminhei até o armário e joguei o meu vestido sobre a cama, peguei outra roupa qualquer e entrei no banheiro novamente, me troquei e fiz um coque meio frouxo, por sorte minhas maquiagens estavam na minha maletinha que estava sobre a pia. Comecei a me arrumar e em menos de trinta minutos o make estava pronto.

Abri a porta e dei de cara com Nathan apenas de boxer cinza me encarando com um sorriso malicioso, não resisti e mordi o lábio inferior. Quando ele ia levar as mãos até a minha cintura, me esquivei para o outro lado.

- Agora não é hora pra isso. – sorri e fui até a cama pegar o meu vestido, ele bufou e entrou no banheiro. Me troquei ali mesmo e coloquei o scarpin, por sorte tinha um espelho bem grande ao lado do armário,  depois de pronta (http://www.polyvore.com/cgi/set?id=69382338&.locale=pt-br) comecei a me olhar no espelho e dar uma ultima ajeitada no cabelo. Me sentei na cama e voltei a assistir televisão já que o Nathan ainda estava trancado dentro do banheiro, já tinha recebido uma quatro mensagens da Megan, fora as que o Tom já havia me mandado. Me encostei no travesseiro enquanto assistia “Casa comigo?”, eu estava tão entretida com o filme que nem estava mais ligando para a hora.

- To pronto. – Nathan parou na minha frente e eu logo desviei minha atenção para ele, estava com um blazer preto quadriculado por cima de uma camisa social branca, a gravata preta devidamente arrumada e uma calça jeans bem escura e um sapato social também preto. Não pude deixar de sorrir ao vê-lo daquele jeito.

- Você esta lindo. – me aproximei e dei um beijo em sua bochecha.

- Você também esta perfeita.

- Obrigada. – abaixei a cabeça ainda um pouco envergonhada.

- Então minha princesa, quer ir a esse Jantar com este humilde homem? - ele fez graça.

- Mas é claro senhor. – peguei no braço dele. – quem não aceitaria?

- Não sei. – ele fez carinha fofa.

- Sem querer acabar com todo o romantismo mas... já recebi umas quinze sms. – eu disse rindo e Nathan me acompanhou, pegou na minha mão e saímos do quarto, entramos no elevador e em poucos minutos já estávamos indo em direção ao pessoal.

- Até que enfim. - Megan falou assim que nos viu.

- Culpa o bonitinho aqui. – apontei para Nathan e depois analisei a roupa da Megan (http://www.polyvore.com/cgi/set?id=69382355&.locale=pt-br). – vixe que essa menina ta toda elegante.

- Mas pra esta a altura do meu acompanhante, tem que esta.

- Deixa eu ver. – olhei para Max e fiquei o analisando por um tempo. – é ta bonito, mas o Jay ta mais interessante. – falei rindo.

- Ele ta parecendo um anjinho olha. - Meg sorriu.

- Ele é um anjinho. – apertei as bochechas dele. Depois de uma discussão rápida sobre a divisão no táxi, tudo ficou como sempre. Eu, Nathan, Megan e Max no primeiro, enquanto no segundo iam Tom, Claire e James e no ultimo Nareesha e Siva. Explicamos o endereço para o motorista e logo estávamos a caminho do tal restaurante. Eu e a Megan estávamos cantarolando uma musica que tocava até que começou a tocar Glad You Came, olhei para Meg e ela riu.

- The sun goes down, the stars come out and all that counts, is here and now, my universe will never be the same, I’m glad you came. – começamos a cantar juntas e apontar para os meninos, eles começaram a rir desesperandamente enquanto a gente continuava cantando.

- Alguém faz elas pararem? - Max sorriu.

- Vai Nathan sua parte. - empurrei o braço dele e revirou os olhos. - You cast a spell on me, spell on me, you hit me like the sky fell on me, fell on me. – cantei já que ele não vazia nada.

- Vamos meninos! - Megan gritou.

- Nada de cantar hoje. – Max falou. – estamos descansando.

- Chatos. – cruzei os braços.

- Vão ficar descansando pra sempre? Porque faz dias que não cantam. - Meg o desafiou.

- A gente canta quase todo dia, deem um relaxada. – Max fechou os olhos.

- É que eu amo sua voz. - Megan falou sexy.

- Gente não é hora pra isso. – cortei o clima. – moço a gente ta chegando?

- Vai demorar só mais um pouco. – o motorista respondeu.

- Obrigada. – falei e olhei para Nathan.- por que esta calado?

- Só na minha mesmo.

- Não gosto disso, parece que você esta bravo quando fica assim. – falei, Megan e Max estavam conversando e nem reparando em nós dois.

- Não bebê, só estou na minha mesmo. - ele me envolveu com seus braços. Fiquei olhando pra ele por algum tempo enquanto ele encarava a rua com a sobrancelha arqueada, ri baixinho e continuei encarando o seu rosto, virei-o para mim e iniciei um beijo mais calmo e tranquilo.

- Te amo Nath. – parti o beijo e colei nossas testas.

- Eu também.

- Nossa que insensível. – empurrei o braço dele rindo.

- Tudo bem. - ele respirou fundo. - Roxy eu te amo como nunca amei ninguém, isso tudo é muito novo pra mim, mas mesmo assim, te pedindo em namoro foi como se eu estivesse escolhendo a garota certa e você foi a garota certa pra isso porque você me completa. - ele falou de olhos fechados e rapidamente.

- Eu me contentava com um simples eu te amo. – sorri segurando em seu rosto. – mas isso foi realmente maravilhoso, você é perfeito Nath, não sei como teve coragem de ficar comigo.

- Por que você me completa.

- Nathan eu não tenho o que falar. – sorri envergonhada. – por que você faz isso? – bati em seu peitoral e ele riu.

- Por que eu te amo. – ele sorriu.

- Também te amo. – puxei o rosto dele e selamos nossas bocas, assim que partimos o beijo olhei para Megan e para Max que estavam sussurrando algumas coisas, não dava bem pra entender mas pelo visto estavam que nem eu e o Nathan. Continuamos assim até o motorista avisar que tínhamos chegado, paguei o mesmo e agradeci, caminhamos até um balcão onde uma moça estava com uma lista. Dei os nomes e acompanhamos ela até a nossa mesa, o resto do pessoal ainda não tinha chegado então não fizemos nenhum pedido.

- O que é isso? - Max olhava o Menu com cara feia.

- Max isso são lagostas. Típicas da região. - Meg explicava a ele.

- Poxa Max não paga mico. – comentou Nathan.

- Você que deveria entender dessas coisas. – segurei a risada.

- Sou mais meu bife com batatas fritas. - Max falou.

- Ou McDonald's. - Tom apareceu com os outros.

- Finalmente, já estou com fome. – sorri.

- E eu. - Nareesha se sentou.

- Vamos pedir logo antes que eu e a Naree ataquemos a cozinha. – comentei e todos riram.

- Vamos ser refinados hoje por favor. - Megan rolou os olhos.

- Ta legal o que vamos beber? – Siva perguntou.

- Coca cola. – Tom respondeu rindo e logo levou um tapa de Claire.

- Tom! Eu acho que champanhe certo? – perguntou olhando para Meg.

- Certo, hoje nada de cerveja, nem coca. No máximo whisky e champanhe. - ela falou.

- Droga! – Jay murmurou e pegou o menu.

- E pra comer? – perguntei.

- Pode fazer qualquer pedido.

- Alguém ta afim de comer comida japonesa? Aqui tem aquelas barcas, sem contar os temakis que devem ser ótimos. - comentei.

- Pede ai. – Tom sorriu.

- Eu passo essa. – Jay comentou. – eu vou pedir uma dessas saladas super incrementadas.

- Aé Jay foi mal. – bati a mão na testa.

- O que foi? – Claire perguntou.

- O Jay é vegetariano, e eu vou pedir tudo de salmão. – sorri.

- Vocês deviam comer salada sabiam? – Jay ia começar o seu discurso, mas Tom mandou ele parar. Chamei o garçom e pedi tudo, não optamos nem pelo champanhe e nem pelo whisky, já que o garçom sugeriu um bom vinho para acompanhar. Minutos depois os pedidos chegaram e logo começamos a degustar o nosso prato.

- Amor me passa o molho. - Megan chamou Max de Amor? Todos a encararam enquanto ela comia o sushi tranquilamente.

- Você me chamou de que? – Max falou meio surpreso.

- De Max ué? - ela o encarou. - anda me passa logo!

- Aqui, amor. – ele piscou e entregou o molho para Megan, segurei a risada e logo peguei meu temaki, a Meg surtou um pouco por que eu não utilizei o hashi, mas pegar aquele negócio com os palitinhos era meio complicado.

- Ta boa a salada Jay? – Siva riu.

- Melhor do que o de vocês. - ele fez cara de nojo.

- Não enche Jay. – Tom fez careta.

- Amor, não to conseguindo pegar o salmão. – Naree fez bico.

- Aqui Nunu. – ele pegou e deu na boca dela, todos reproduziram um “own” ao mesmo tempo.

- Porque tão fofos assim? Porque Max é bruto? - Megan fazia perguntas com cara fofa pra Siveesha.

- Por que eu amo a minha namorada. – Siva mostrou a língua.

- Ei! Não sou bruto. – Max resmungou.

- Fofo igual o Siva é que você não é.

- Convenhamos que o que me atrai não é o lado fofo. – Max sorriu malicioso, eu e o Nathan apenas observávamos a cena sem parar de comer.

- Max já ta começando...daqui a pouco sobe nas paredes. - Tom falou e começou a gargalhar alto, mas olhamos o repreendendo e ele ficou quieto.

- Idiota. – Max deu um pedala nele.

- Sim gente, quanto mais vocês falam, mais eu como. - Nathan falou.

- Poxa Nathan, não acaba com a comida. – Nareesha riu.

- Vocês não comem, eu aproveito. - ele sorriu.

- Nathan gordo. - Megan falou.

- Te garanto que ele não é. – comentei e nem percebi o que tinha falado.

- Hmmm ela garante. - Megan falou.

- Aan? – perguntei confusa, eu definitivamente estava longe.

- Você disse que o Nathan não é gordo...já sabe todos os caminhos né safada?

- Chega de falarem do meu corpo, isso é desagradável.  -Nathan sorriu comendo mais sushi.

- Mas olha aqui se ele é gordinho. – levantei a camisa dele e logo todos começaram a rir, menos Nathan que estava completamente vermelho.

- Nossa o Nathan ta parecendo um pimentão. - Claire sorriu.

- Nossa amor, você ta vermelho mesmo. – virei o rosto dele pra mim segurando o riso.

- Mas o que você fez me deixou envergonhado não é Roxy? - ele falou sério.

- Desculpa Nath. – falei baixinho.

- Ta desculpada. - ele continuou comendo.

- O casal ai já se resolveu? – Jay perguntou.

- Já Jay. - Nathan respondeu.

Continuamos falando algumas besteiras e fazendo graça, tentei conversar com o Nathan mas, ele estava um pouco irritado para isso. Resolvi deixar de lado e continuei o papo com o pessoal que estavam super animados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário