quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Capitulo 14



                                     Roxy's Pov

Acordei naquela manhã com uma puta dor de cabeça, o que me lembro da noite passada? Nada, simples assim, a lembrança era muito vaga, a única coisa que me lembro de interessante, foi ter recebido uma proposta irrecusável do produtor da Pink. Tocar na banda dela era com certeza um sonho realizado. Peguei o meu celular e vi que tinha uma nova mensagem.

Precisamos conversar, me encontra naquele restaurante azul no centro da cidade... xx Zach

Legal! Mais uma conversa com Zach, mais uma que vai acabar com minha vida ou resolve-la, olhei para o relógio e marcava 11h30m, ele podia esperar um pouquinho não? Tomei um banho longo e relaxante e depois me troquei (http://www.polyvore.com/cgi/set?id=66883327&.locale=pt-br).

Sai de casa uma hora depois, Meg ainda dormia então eu deixei um recado em cima da mesa explicando onde eu me encontrava. Chamei um táxi e minutos depois já estava em frente ao restaurante, Zach estava sentado em uma das mesas perto a porta, agradeci por aquilo, já que se algo acontecesse eu poderia correr dele facilmente.

- Vamos acabar logo com isso. - eu disse me sentando na frente dele.

- Você já sabe o que eu vou lhe dizer, estou esperando a resposta da pergunta que te fiz ontem.

- Que pergunta?

- Você não se lembra?

- Não sei nem onde eu estava ontem, quanto mais me lembrar de que conversei com você. - recebi um olhar surpreso dele.

- Então vou refazer a pergunta...

- Estou esperando.

- Você aceita ou não voltar a namorar comigo? - ele perguntou e eu soltei uma gargalhada extremamente alta.

- Você acha mesmo que eu vou voltar? Da onde tirou essa ideia?

- De você ontem.

- Como é que é?

- Isso mesmo, você disse que me perdoava, e que nunca tinha me esquecido.

- Eu estava muito bêbada pra te dito isso.

- Dizem que quando estamos bêbados revelamos muitas verdades.

- Nem sempre...essa por exemplo é uma completa mentira, não acredito que disse isso. Tenho certeza que você esta inventando.

- Pergunta pra Megan então.

- Pode ter certeza que vou... então era só isso?

- Não ainda precisamos acertar mais alguns assuntos.

- Então trate de fal... - eu ia terminar de responder quando senti alguém me arrastando pra longe do local. Eu estava meio tonta então de primeira não reconheci, mas logo quando ele largou meu braço percebi quem era.

- O que você ta fazendo? - ele perguntou bravo.

- Na-Nathan? - perguntei ainda surpresa.

- Não é a sua avó! - ele respondeu revirando os olhos. - anda to esperando a sua resposta.

- Como você soube que eu estava aqui?

- Megan.

- Merda...ela tinha que comentar.

- Anda Roxy, o que estava fazendo conversando com esse idiota? Estou esperando explicações.

- O que eu faço ou deixo de fazer é problema meu Sykes, não te devo nenhuma satisfação. - respondi com a voz firme. Não sei como achei força para responde-lo já que aqueles olhos verdes cheios de raiva insistiam em me encarar.

- Como é?

- Isso mesmo Nathan, vai cuidar da sua vida. Eu já sou bem grandinha pra cuidar da minha, e sei o que faço, não preciso que fiquem me atormentando.

- Você sabe que só faço isso pra te proteger, não quero que fique sofrendo, caralho Roxy você não percebe que eu gosto de você e te ver triste por outro cara me machuca? Eu acho que não sou nada pra você não é mesmo?

- Se gostasse de mim Sykes não sairia por ai pegando uma qualquer, estou me lembrando muito bem de ter te visto beijando outra. Você acha que aquilo foi fácil pra mim? Ver o cara que eu gosto nos braços de outra? Me poupe de suas mentiras Sykes, já não aguento mais isso.

- Ah e quanto a você que ficou aos beijos com um cara na sua própria casa enquanto o babaca aqui pensava que estavam conversando ou pelo menos tentando.

- Você acha que eu queria ter beijado ele? Por favor Nathan, se eu gostasse dele eu nem estava aqui fora perdendo meu tempo com essa discussão.

- Não sei Roxy, não estou te entendendo depois desses últimos dias. Você esta completamente diferente.

- Não Sykes, eu sou assim, problemática, confusa, e uma completa idiota por pensar que você tinha um sentimento por mim... e o pior é que você acabou sendo igual a ele. - eu disse já com os olhos enchendo de lágrimas. - eu não sei como vou fazer isso mas, eu vou deixar vocês e vou aceitar o contrato com a Pink...

- Roxy... por favor não faz isso, não peço por mim agora, mas em nome da banda, você não pode fazer isso com a gente, não em um momento como esse. Eu prometo parar com esses surtos Roxy, mas por favor não vai embora.

- Desculpa Nathan, mas eu já tomei minha decisão e nada vai me fazer voltar atrás. E não adianta me fazer promessas, a primeira você já não cumpriu, tenho certeza que com essa não seria diferente. - eu sai correndo deixando um Nathan Sykes completamente paralisado para trás, eu precisava de um momento só meu, precisava pensar e por as ideias no lugar.

                                   Megan's Pov

Depois que Nathan apareceu no apê perguntando sobre Roxy, me vesti (http://www.polyvore.com/megans_16/set?id=67097685) e sai para a Academy. Caminhava lentamente por causa da minha cabeça que doía bastante e o remédio ainda não tinha feito efeito. Cheguei no imenso prédio da Escola e fui logo a sala que a assessora do Iglesias tinha alugado para o Ensaio, sim, aquele seria o primeiro ensaio antes da Turnê dele. Entrei no Local e ele já estava lá com as outras duas bailarinas, sorri e caminhei até eles.

- Dormiu bem Megan? - Enrique perguntou

- Não tanto depois daquelas vodcas. - sorri e as outras duas nos olharam confusas, elas não sabiam e nem deveriam saber.

- Vamos começar. - ele bateu as mãos o que fez minha cabeça latejar. Depois de horas pegando a coreografia que ele ensinara, finalmente finalizamos.

- Perfeito. - falei e as outras saíram para pegar suas coisas assim como eu que fui até minha bolsa.

- Megan... - virei bruscamente e vi Iglesias sem camisa, com uma toalha pendurada no pescoço bem atrás de mim, ele estava suado e não deixei de reparar seu Peitoral musculoso.

- Oi!

- Que tal tomarmos um café? Não conheço bem a cidade e você poderia me fazer companhia. - ele sorriu passando a mão nos cabelos.

- Hm...claro. – sorri, era só um café, nada de mais.

- Espera eu me trocar e já volto. - ele saiu, e fiquei encarando o nada, mas precisamente pensando em Max e no que ele iria falar sobre isso.

- Ele não é nada seu Megan...e é só um café. - falei para mim mesma.

- Vamos? - Iglesias retornou (agora de camisa, mais precisamente) e fomos até uma cafeteira mais próxima. Pedimos os nossos cappuccinos e ficamos ali sentados, rindo e falando besteiras por um bom tempo.

- Você é uma pessoa legal Megan! - Iglesias sorriu, levando à cabeça o óculos de sol.

- Não sou nada, sou muito estressada, chata, e sou mais focada no trabalho, o que me distância das pessoas, só tenho rosto de legal. - ele sorriu.

- E...porque aquele...Max tem ciúmes de você e tudo? Ele é seu namorado? - ele perguntou e imediatamente fitei a mesa, pensando nele.

- Não...a gente...eu não sei bem o que temos, ou tínhamos. - falei triste, o que eu sentia por Max era muito forte, não sabia ao certo o que era. Amor talvez?

- E ele tem tanto ódio de mim... - ele sorriu sem graça.

- Isso é uma longa historia.

- Ontem eu fui dormir e comecei a pensar e a lembrar das coisas, me lembrei de um show de uma menina que eu levei no palco, e era você. - ele sorriu.

- Ah...aquele dia. - fiquei envergonhada.

- É naquele show eu vi...

- Max?

- Não!...

- Não, ali é o Max! - o interrompi me levantando da mesa e caminhando até fora do estabelecimento, ele estava atravessando a rua junto com Tom, parei no estacionamento e eles vinham em direção ao local conversando. Enrique parou ao meu lado, quando Max levantou o rosto e nos viu.

- Ferrou! -Tom falou cantando e desviou de nós, passando a mão em meus braços e entrando no estabelecimento. Max parou na nossa frente, com as mãos nos bolsos e o capuz na cabeça.

- Max... - minha voz saiu cortante, o poder que ele exercia sobre mim era extremo, meu coração pulava só em vê-lo.

- Você já esta com ele outra vez, e agora saindo...assumam logo o namoro. - ele falou serio e ríspido, o que fez meu coração doer.

- Max, não é isso por favor. - minha vontade era de abraça-lo.

- Então o que é? Anda me diz. - seus olhos verdes pousaram no meu, o que me fizeram arrepiar.

- Ele só me convidou para um café, Max, ele é meu chefe, eu preciso construir minha carreira, você sabe que é meu sonho, por favor pare com isso. - olhei para trás e vi Iglesias voltando a cafeteria, ele queria nos deixar a sós.

- Construir carreira com ele é uma coisa, sair é outra bem diferente.

- Max, eu não vou mais insistir nisso, se você quer pensar assim, continue.

- Eu não estou pensando nada, estou vendo a realidade. - ele cuspiu as palavras na minha cara.

- Pelo menos ele não me faz sofrer.

- Eu nunca te fiz sofrer. - ele arregalou os olhos.

- Ontem, quando você estava agarrado a uma qualquer na festa.

- Você me fez de babaca indo com ele. - ele falou, já gritando.

- Porque você foi idiota e me deixou, lá em casa, nem sequer ligou perguntando se eu ia! - minha voz já não queria sair, pois já queria chorar. Prometi para mim mesma nunca chorar por homem nenhum, mas aquilo estava acontecendo...

- Isso...você esta chorando? - vi ele dar um passo em minha direção, mas parou.

- Me deixa em paz.

- Megan...

- Eu só quero construir meu sonho, só isso, eu gosto de você, e me odeio tanto por deixar isso ter acontecido, pensava que nunca ia sofrer igual a Roxy, mas olha, já esta acontecendo. - falei enxugando as lagrimas que escorriam.

- Meg, me desculpa... - Max começou a falar, mas senti alguém pegando minha mão livre.

- Vamos Megan. - Iglesias tinha voltado e me puxava pela mão, me virei e vi Max com o olhar triste sobre mim, aposto que o meu estava igual, só que banhado em lágrimas de dor. Paramos em frente a porta do apartamento, estava seria encarando o nada.

- Quer alguma coisa? Sei lá eu posso...

- Não obrigado, eu quero só...deitar e dormir. - falei e Enrique assentiu. Beijou meu rosto e saiu para o elevador, assim que ele sumiu, entrei no apartamento e fechei a porta. Sentei no chão e as lagrimas começaram a rolar outra vez pelo meu rosto, agora com soluços altos da minha garganta.

- Oh God! O que aconteceu Megan?

- Max...o que eu estou sentindo? - falei entre os soluços.

- Ai Meg, você se envolveu mais do que esperava com ele, infelizmente você esta apaixonada.

- Eu não queria...juro que não queria. Eu estou sofrendo assim como você.

- Meg vem cá. - ela disse se sentando ao meu lado e me puxando para um abraço. - tudo o que você tem que fazer agora é tentar se acalmar.

- Como? Isso não era para ter acontecido...eu prometi não amar ninguém e agora, amo uma pessoa que não quer meu bem.

- Uma hora ele vai entender Megan, é uma crise de ciúmes por que o Iglesias é gostoso e tem cabelo. Ele se sente ameaçado, e não quer te perder.

- Ele também é gostoso. - ri com isso.

- Eu sei...mas tenta se acalmar ta bom, meu dia ta complicado hoje também e não quero mais preocupações.

- Nossa...o que houve?

- Zach...Nathan...

- Conte-me mais sobre isso. - falei enxugando o rosto.

- Eu fui almoçar com o Zach e ele começou a falar um monte de merda até que o Nathan me puxou pra fora do restaurante e...

- E?

- Começamos a discutir de novo...ele ficou perguntando o por que eu estava ali com Zach, e eu comecei a falar algumas coisas que me doem o coração, até que eu mencionei o contrato.

- Não...por favor não aceita! Você já esta muito bem no The Wanted, não sai! – implorei.

- Meg...eu não posso mais ficar perto do Nathan, ele me faz sofrer e o único jeito de parar com isso é me afastando dele.

- Mas e os outros meninos? Como ficam? Seja profissional, não se afaste por causa dele.

- Eu...eu não sei Meg, eu vou sentir falta deles, mas eu preciso ficar longe do Nathan por um tempo, eu me apeguei rápido demais a ele e acabei me ferrando de novo.

- Mas isso só vai piorar as coisas Roxy!

- Eu sou assim Meg, eu fiz o mesmo com o Zach e não vou hesitar em fazer o mesmo com o Nathan, ele quebrou a promessa.

- Se você acha o melhor, quem sou eu para questionar.

- Se você ouvisse as palavras dele Megan, dizendo que eu não sinto nada por ele...isso simplesmente me desfez.

- Aposto que foi do mesmo jeito que o Max dizendo que eu o fiz de babaca.

- Por que eles fazem isso Meg? Por que a gente não tem sorte no amor? O que a gente tem de errado?

- A gente é azarada demais, nunca me apeguei assim a ninguém e quando acontece, olha a merda que causa. Somos idiotas. - me afundei nos seus braços e as lágrimas desceram outra vez.

                                      Nathan's Pov

Eu estava em casa conversando com os meninos, até que o assunto chegou na Roxy, definitivamente não era o que eu queria ouvir naquele momento.

- Eu acho que vamos ser abandonados pela Roxy. - Max comentou fazendo todos olharem pra ele.

- Por que acha isso cara? - Siva perguntou preocupado.

- Ela estava conversando com o produtor da Pink, e me parecia bem feliz.

- Ela não seria capaz de fazer isso. - disse Jay.

- Ela já fez... - me pronunciei atraindo todos os olhares.

- Como assim Nathan? - Tom perguntou dessa vez.

- Nós discutimos hoje de manhã e... ela disse que ia deixar a gente e que ia assinar o contrato.

- A CULPA É SUA NATHAN. - Jay gritou.

- EU NÃO FIZ NADA DEMAIS.

- NÃO? SE VOCÊ NÃO TIVESSE DISCUTIDO COM ELA, ISSO NÃO TERIA ACONTECIDO.

- TALVEZ NÃO, MAS...

- MAS O QUE NATHAN? NÃO TEM MAS, VOCÊ É O CULPADO DE TUDO, VOCÊ É UM BABACA, NÃO SEI COMO DEIXEI VOCÊ CHEGAR PERTO DELA.

- TA AFIM DELA JAY?

- NÃO NATHAN, MAS EU A CONSIDERO COMO IRMÃ, VOCÊ NÃO SABE NEM UM TERÇO DO QUE ELA JÁ PASSOU, REALMENTE NÃO SABE COMO ELA SE SENTE COM TUDO O QUE TA ACONTECENDO.

- SE VOCÊ A CONHECE TÃO BEM, VOCÊ SABE O MOTIVO DELA ESTAR FAZENDO ISSO.

- POR SUA CAUSA IDIOTA, ELA FEZ O MESMO COM O ZACH, VAI SE DISTANCIAR DE VOCÊ, PRA QUE O SOFRIMENTO PASSE, É ISSO O QUE ELA FAZ SYKES, SE AFASTA, SE ISOLA, TENTA ESQUECER. - respondeu Jay subindo as escadas, enquanto eu me jogava no sofá, eu realmente não esperava por isso, precisava saber se aquilo tudo era por minha culpa.

- A onde você vai? - ouvi Siva perguntar.

- Atrás da Roxy. - respondi colocando minha jaqueta.

- Perai que eu vou com você, preciso conversar com a Megan. - Max se levantou do sofá e me acompanhou até o carro, estava um completo silêncio, provavelmente ele estava na mesma ansiedade e desespero que eu, pensando no que ia falar quando ficasse frente a frente com elas.

Depois de alguns minutos chegamos em nosso destino, o porteiro liberou a nossa entrada sem ao menos falar com as meninas, acho que já estava acostumado com a nossa presença, pegamos o elevador e chegamos... a porta estava meio aberta então empurrei ela rapidamente e me deparei com a cena de Roxy e Megan sentadas no chão, abraçadas e chorando.

Assim que elas ouviram o barulho que a minha ação ocasionou olharam diretamente para nós, Meg analisou Max e depois subiu correndo as escadas, Max rapidamente correu atrás dela, sumindo para o segundo andar, assim me deixando a sós com Roxy que ainda estava sentada no chão, procurando forças para se levantar mas simplesmente não conseguia.

- Er...podemos conversar? - cheguei mais perto dela, querendo ajuda-la, mas ficando imóvel sem saber qual seria a sua reação.

- Sobre o que Nathan? Já não basta a discussão de hoje cedo?

- Eu queria falar justamente sobre isso.

- O que eu posso fazer a não ser te escutar?

- Você pode sentar e me ouvir sem falar nada? - me joguei no sofá.

- Já estou sentada se você não percebeu... - ela revirou os olhos

- Não vou falar com você sentada no chão né? - bati no espaço ao lado do sofá.

- Vamos logo com isso. - ela disse se jogando ao meu lado.

- Bruta. – resmunguei.

- Grosso.

- Idiota.

- Vai ficar me xingando ou vai falar logo, por que se não você pode ir embora.

- Por isso que você é uma bruta...mas enfim, você vai sair da banda por minha causa ? - falei logo o que eu queria.

- O que você acha Nathan?

- Eu não sei, me diga você.

- Odeio esses seus joguinhos... - ela soltou um suspiro pesado. - e sim, é por sua causa.

- Me explica.

- Explicar o que Nathan? Não tem nada a ser explicado.

- Você quer sair da banda por minha causa, eu não fiz nada e se você quer sair vai estar sendo injusta com os meninos....e....comigo.

- Você não fez nada Nathan? Como você tem a cara de pau de falar isso?

- Me desculpa se eu fiz algo que não lembro, mas por favor não aceita.

- Você é completamente ridículo Sykes. Fez algo que não lembra? Quer que eu refresque sua memória?

- Se puder...

- Huum, por onde começar... brigou comigo por um ex que não tem mais nada haver com a minha vida, depois beija outra garota...

- Primeiro: ele estava dando em cima de você, ainda não quer que eu fique com ciúmes? Segundo: eu estava bêbado e com raiva.

- Você não confia em mim, esse é um dos grandes problemas, você acha que eu não ligo pros seus sentimentos e que só brinco com eles.

- Mas é o que você demonstrava, não se importou quando aquele idiota te beijou.

- Ele me agarrou a força babaca, você acha mesmo que eu queria aquilo? Eu gosto de você Nathan e não dele.

- Foda-se ele, quero saber se vai sair da banda ou não? Se for sair terei que fazer algo contra isso. - falei jogando todas as minhas cartas.

- Desculpa Nathan mas eu vou sair. - fiquei calado pensando na minha mente outras maneiras de a convencer, mas nenhuma vinha na minha cabeça.

- Foda-se se você vai me matar. - falei e a puxei, selando nossos lábios. Essa era a ultima alternativa pra ela sentir que eu gostava dela.

- Nathan, por favor... não piore a situação. - ela falou entre o beijo.

- Só me diz se você não quer ficar comigo? - sussurrei perto de seu ouvido após separar nossos lábios, rocei meu nariz em seu pescoço.

- Não posso dizer isso.

- Não pode ou não quer? - mordi seu lábio inferior puxando devagar, vendo ela suspirar pesadamente.

- Não posso... não posso dizer que não quero ficar com você enquanto...

- Enquanto? - a incentivei.

- Enquanto...você é tudo o que eu preciso.

- Então me diga que não vai sair da banda que isso será seu. - falei malicioso.

- Você quebrou uma promessa Sykes... – ela disse dando selinhos em meu pescoço.

- Mas ainda é tempo de cumpri-la. - apertei a sua cintura com uma das minhas mãos.

- E se você não conseguir? - ela disse mordendo de leve a minha orelha.

- Você vai ter que me ajudar. - a puxei para meu colo.

- E se eu recusar? - ela disse deslizando a mão por meu peitoral.

- Ai eu terei que me esforçar ao máximo. - apertei sua coxa.

- Acho que é um bom começo, mas você foi muito mal Sykes. - ela disse desabotoando a minha camisa.

- Então o menino mal merece uma lição. - falei maliciando e puxando sua blusa.

- Ele merece sofrer. - ela disse abaixando o zíper da minha calça.

- O que você vai fazer com o menino malvado? - deslizei a minha mão pela sua barriga.

- Talvez faze-lo implorar por meu corpo, ou apenas mata-lo de prazer... - ela disse retirando a minha camisa.

- Isso seria muita, mas muita judiação com o menino malvado. - a apertei junto a meu corpo.

- Ele merece isso depois de tudo o que fez. - ela beijou meu peitoral descendo até a minha barriga.

- Isso é um castigo bastante pesado. - soltei um gemido fraco com isso.

- Acho ele fraco...

- Fraco o castigo ou o menino? - levantei seu rosto e mordi a sua orelha.

- O menino com toda certeza é mais fraco. - ela começou a mordiscar o meu pescoço.

- Será? - a derrubei no sofá, fazendo ela ficar embaixo de mim.

- Ele ainda não me provou o contrário. - ela disse acariciando as minhas costas.

- Esse menino é um idiota, não mostrou a você como é forte o suficiente. - abri o zíper do seu shorts.

- Ele é um completo idiota de não me proporcionar isso. - ela disse mordendo meu lábio inferior com força.

- Vamos faze-lo entrar em ação e lhe mostrar o quanto é forte. - beijei o colo de Roxy.

- Estou esperando ele me mostrar do que é capaz. - ela disse desabotoando a minha calça.

- Vamos ver se será capaz de aguentar a força do menino. - comecei a puxar seu shorts.

- Eu sou forte o suficiente pra isso. - ela disse abaixando a minha calça.

- Se você diz... - tentei abrir seu sutiã, sem sucesso. – Droga! – murmurei.

- Ele definitivamente anda perdendo o jeito. - ela disse levando a mão até o fecho e o abrindo com facilidade.

- Só um acidente de percurso para o menino mal. - comecei a descer os beijos do seu pescoço até seus seios.

- Só espero que nenhum acidente aconteça quando a sua tentativa for mais abaixo. - ela disse brincando com a minha cueca.

- O menino pode ser muito mal e forte a partir dai. - brinquei com seus seios, o que fez ela suspirar.

- Acho bom, não quero que ele broxe no meio do caminho.

- Vamos ver. - joguei seu shorts longe, a deixando apenas de calcinha.

Assim que ia retirar a minha Box, ouvimos algo sendo derrubado no andar acima. Me levantei de cima de Roxy e vesti a calça rapidamente, ela fez a mesma coisa.

- O que será que foi isso? - perguntei vestindo a camisa;

- Max e Megan?

- Talvez, vamos ver. - puxei sua mão e começamos a subir a escada.

- Megan abre essa porta! - Max estava falando alto.

- Olha Roxy! - apontei para Max que estava encostado batendo na porta do quarto de Meg.

- Max o que que você ta fazendo? – perguntou Roxy correndo até ele.

- Megan não quer abrir a porta...PARA DE SER CRIANÇA MEGAN! - ele gritou batendo na porta.

- SAI DAQUI SEU IDIOTA! EU NÃO QUERO TE VER. - ela gritou de dentro do quarto, comecei a rir da cena que era até um pouco engraçada.

- Roxy você não pode fazer nada? Uma chave reserva? – perguntei.

- Se tem ta perdida no meu quarto, mas...a gente vai demorar um século pra achar ela lá dentro.

- E agora? – perguntei.

- MEGAN ABRE ESSA PORRA DE PORTA. - Roxy gritou chutando-a.

- MANDA O MAX SAIR DAQUI! EU NÃO QUERO VER ELE! - ela gritou, provavelmente perto da porta.

- EU SÓ SAIO DAQUI DEPOIS DE CONVERSAR COM VOCÊ. - ele gritou.

- Megan por favor, conversa com ele logo e se resolvam. - Roxy falou mais calma.

- Manda ele voltar pra aquela vadia de ontem! - Meg falou normal, o que fez eu rir da cara de Max quando ouviu o que ela disse.

- Mas...

- Cala a boca Max que eu to falando com a Roxy! - ela gritou.

- Meg me ouve...só conversem ta bom? - ouvimos a porta ser aberta e mostrar Megan segurando um pote de creme nas mãos e os olhos vermelhos.

- Pra que isso? - apontei para o objeto em sua mão.

- Para jogar em Max se ele aprontar algo. - gargalhei alto imaginando a cena dela mirando bem na careca dele.

- Ai Megan. - Roxy balançou a cabeça negativamente e começou a rir.

- Entra Maximillian! - ela ordenou e ele entrou de cabeça baixa. Logo a porta foi fechada.

- E agora? - olhei para Roxy que me encarava.

- Depois que fomos atrapalhados, só nos resta esperar.

- Podemos começar outra vez...o menino ainda não recebeu a lição. - peguei sua mão e sorri.

- Ele quer mesmo sofrer eim...

- Com certeza. - sorri malicioso.

- Quarto ou sala?

- Banheiro.

- Nathan!! Quer tomar banho é?

- Quem sabe....lá também é um bom lugar.

- Então vamos logo, antes que nos impeçam de novo.

- Ok. - a abracei pela cintura e caminhamos até a escada.

                                     Megan’s Pov

Ainda estava tudo girando na minha mente, primeiro tinha saído com o Iglesias, depois encontrei Max e ele me falou coisas que me deixaram bastante triste, o que confirmou a minha hipótese de eu estar apaixonada por ele, agora ele aparece aqui querendo falar comigo...eu acho que estava ficando louca. Subi na cama e me sentei, Max veio e se sentou no outro lado, os dois encarando a porta.

- O que você queria dizer? - minha voz saiu rouca, droga! Ela estava me entregando que eu tinha chorado.

- A gente precisa conversar sobre... bem tudo.

- Estou ouvindo...tentando.

- Ta bom... ontem a noite, quando  eu beijei aquela garota, eu estava bêbado e com ódio de ver você e o Iglesias juntos.

- Precisava ter beijado ela? Eu nem ao menos trisquei no Iglesias e você... - me calei antes que as lagrimas caíssem outra vez.

- Eu sei que eu não devia ter feito isso mas... eu não contive o ciúmes Megan.

- Porque você tem ciúmes dele? Ele é apenas meu chefe e...meu segundo cantor favorito. - falei pensando em algo.

- Justamente por que ele é seu cantor favorito, e eu sei o quanto você era doida pra conhecer ele, eu tenho medo de...de te perder.

- Você não me ouviu? Ele agora é meu segundo...porque o primeiro é você. - sorri timidamente.

- Sério? - ele sorriu. - Meg...por favor me perdoa, eu não queria que nada disso acontecesse, mas é que a ideia te perder é completamente absurda.

- Você fica dando esses ataques de ciúmes sendo que... ah não era preciso.

- Megan eu não quero te perder, eu sei que não era preciso mas eu nunca gostei tanto de alguém como eu gosto de você, tudo é meio novo.

- Eu também Max, você acha que eu queria isso tudo? Não sei talvez sim, mas...

- Por favor Megan. - ele se ajoelhou. - eu te peço de joelhos que me perdoe.

- Para com isso Max, isso é constrangedor. - sorri da besteira dele.

- Não enquanto você não me perdoar.

- Sério que vai ficar desse jeito ai?

- Sério!

- Então ta Max, eu te perdoo. - rolei os olhos.

- De coração? Ou só ta falando isso pra mim me levantar?

- Pra você se levantar bocó. - bati em sua cabeça - sério, de coração, não to falando só por falar.

- Acho bom, por que se não vou ficar magoado.

- Mais do que você me magoou?

- Mais. - ele disse fazendo biquinho. - não ter você comigo é um completo sofrimento.

- Será que posso confiar? - perguntei rindo da sua expressão.

- Você não confia em mim? - ele se aproximou.

- Deveria confiar depois das coisas que você fez? - perguntei baixando o meu olhar.

- Deveria, por que aquilo tudo só aconteceu por que você é perfeita demais e minha insegurança é grande.

- Olha só quem fala que eu sou perfeita...logo Max George, o que deixa as fãs loucas.

- Só preciso deixar uma garota louca. - ele disse segurando em minha cintura.

- Não acha que ela já esta louca o bastante não?- segurei em sua nuca, estávamos brigados? nem sei mais.

- Ela precisa enlouquecer mais um pouquinho, ainda não esta o suficiente.

- Eu acho que ela já está completamente maluca.

- Então não custa nada deixa-la satisfeita. - ele começou a beijar meu pescoço.

- Max, só te perdoei, não sei se... - falei puxando seu pescoço e fitando aqueles lindos olhos verdes.

- Você não me quer mais Megan?

- Não vai mais dar aquelas crises? Eu vou ainda continuar trabalhando com o Iglesias.

- Eu faço tudo o que for preciso pra te ter ao meu lado, mesmo que eu tenha que aturar aquele...

- Max... - o repreendi, sorrindo.

- Eu não ia xingá-lo... talvez não.

- Então... - mordi o lábio, sorrindo.

- Então... - ele se aproximou novamente.

- Era só isso? - toquei em seu braço musculoso.

- Na verdade... - ele desceu as mãos para o meu quadril - eu tava querendo algo a mais.

- Me diga então o que planeja? - sorri com seu toque.

- Pra que falar, se eu posso demonstrar... - ele disse me puxando para o seu colo.

- Você não perde tempo. - coloquei minhas mãos em seu pescoço.

- Temos que aproveitar cada segundo não? - ele mordeu o lóbulo da minha orelha me fazendo arrepiar.

- Talvez. - deslizei a mão por dentro de sua camisa verde, o arranhando levemente.

- Ainda mais quando se esta ao lado de quem você ama. - ele disse puxando a minha blusa.

- V-você me ama? - paralisei com o que ele disse.

- Eu acho que, se eu não amasse, não teria feito tudo isso. Então... sim Megan, eu te amo.  - meus olhos encheram de lágrimas, sim, pela primeira vez algo que eu sentia estava sendo correspondido por alguém.

- Max, eu também te amo. - falei rindo para ele.

- Você não sabe o quão bom é ouvir isso. - ele disse soltando um sorrisinho bobo.

- Esperava por isso?

- Com certeza não.

- Nem eu. - o abracei, puxando ele de volta a cama.

- Então Megan...eu tava pensando...

- O que? - me sentei na cama.

- Não acha, cama, quarto, um lugar muito comum?

- Você quer o que Maximillian? - perguntei incrédula com o que ele dizia, até um pouco envergonhada, talvez.

- Sei lá cozinha, jardim, varanda, poltrona... qual é Megan.

- Max! - bati em seu braço. - que pensamentos são esses?

- O que? Nunca pensou em mudar? Variar?

- Er...não. - senti minhas bochechas arderem.

- Vamos nos arriscar, toma como exemplo a Roxy e o Nathan, eles fizeram no banheiro de um pub.

- Será Max? Será que devemos? - o olhei.

- Por que não? O que temos a perder?

- A vergonha na cara. – brinquei.

- Idai? Já não tenho isso a muito tempo.

- E eu como fico?

- Comigo. – sorriu.

- Então...vamos, mas o local? - perguntei me levantando.

- vou deixar você escolher. – ele me deu um selinho.

- Max, eu não sei nada desses seus programinhas ai não. – ri.

- Fala um lugar qualquer Megan.

- Carro? - queria enfiar a minha cabeça em um buraco e nunca mais tirar pela vergonha que eu estava dizendo...foda-se, é o Max.

- Vou aonde você quiser.

- Então vamos logo. -falei e ele assentiu, pegando em minha mão e me puxando para fora do quarto quando descemos as escadas, vi Nathan passando na sala só de toalha na cintura e Roxy desembaraçava os cabelos no grande espelho da sala, também só de toalha.

- Mas o que é isso? - apontei para os dois e apertei a mão de Max, que me olhou.

- O que? – Nathan perguntou como se nada tivesse acontecido.

- Você só de toalha...a Roxy também...ai tem coisa. - comecei a rir.

- A gente tomou banho. - comentou Roxy rindo.

- Uhum, sei...banho. - Max começou a assobiar e o abracei.

- E dai? Nunca fizeram nada no banho? - Nathan perguntou indignado.

- Er...não. - abaixei os olhos e Max gargalhou alto, fazendo eu dar uma cotovelada nele.

- Sério Megan? – Roxy perguntou surpresa.

- Roxy eu não sou você que se agarra com o Nathan até em um banheiro de um Pub.

- Isso foi culpa dele, eu tava bêbada.

- Mas agora no banho ein sua safada.

- Sexo de reconciliação, não tem melhor. – comentou Nathan.

- Isso ai cara. - Max ia bater na mão dele, mas desistiu e voltou a me abraçar.

- Ai que toscos vocês. - falei revirando os olhos.

- Mas e vocês, por que resolveram descer? - perguntou Roxy.

- Er...nós...a gente - me enrolei toda pra falar e Max apertou minha cintura, me fazendo arfar um pouco.

- Ah não acredito, onde iam fazer? - Roxy gargalhou alto.

- Para Roxy! – gritei.

- Deixa ela saber... - Max sussurrou.

- Anda, to esperando.

- Não precisa vocês dois saberem da minha intimidade e do Max ok? - bufei fingindo raiva.

- Vocês estão sabendo da nossa então, não vejo problemas. - disse Nathan abraçando Roxy por trás.

- Vocês se entregaram.

- Você quer o que? Vocês descem do nada, não tem como a gente sair correndo de toalha.

- Vocês são dois idiotas. – sorri.

- Pode apostar que sim. - Max concordou.

- Mas... que vocês amam. – disse Nathan.

- Não Nathan, não. - falei séria.

- Ah então eu não devia me importar de quase ter feito no sofá. - ele disse dando de ombros.

- Nathan cala a boca. - Roxy riu fraco.

- Nunca mais sento nele.

- Não chegou a acontecer nada, já que fomos interrompidos pelos gritos do Max.

- Graças a deus não vou queimar um sofá.

- Mas a cama do Max sim. - Nathan comentou rindo.

- Esquece. - Max rolou os olhos.

- Bem o papo ta bom, mas eu e Max temos que ir tomar um café ali. - falei puxando ele.

- Mas...

- Mas nada Maximillian, café. - falei o olhando e ele riu.

- Megan não adiantar tentar enganar ta legal, é só falar que vocês vão pra um sexytime e pronto, vai ser bem menos constrangedor que essa tentativa de escape.

- Vai agarrar o Nathan e nos deixa em paz ok? - parei na porta a olhando.

- Com todo o prazer.

- Tchau vocês, vamos Max, vamos tomar nosso café. – sorri.

- Café ouviram crianças? - Max falou alto e saímos porta a fora em direção ao carro, ele deu a partida e saímos sem rumo pela cidade.

                                          Roxy's Pov

Depois que o Max e a Megan sairam do apartamento, eu e o Nathan nos trocamos e fomos assistir algum filme, bem... até a Meg me mandar umas quatro sms.

"Vem aqui pro café"
"Aquele que tem perto da praçinha"
"Não demora"
"Vem logo, que a gente ta esperando"

Falei com o Nathan e chamamos um táxi, trancamos o apartamento e descemos, quando chegamos lá fora esperamos uns cinco minutinhos e o táxi chegou, dez minutos depois já estávamos em frente ao café e fomos em direção a mesa onde os dois estavam sentados.

- Não vivem sem a gente não é? - perguntei rindo

- Amor para sempre. - Megan mandou beijos no ar.

- Eu sei disso sua prosti.

- Vaca.

- Nem pensem em começar com a troca de elogios. - interrompeu Nathan.

- Vão sentar ou não?

- Claro! – puxei a cadeira e me sentei ao lado dela.

- Não te quero aqui não.

- Vai ter que aturar.

- Por força, ainda bem que o Max ta aqui. - ela deu um selinho nele, que estava só observando.

- Me poupe de tanta melação. - eu disse rindo.

- Olha o café quente na sua cara...enfim, aproveitaram depois que saímos?

- A gente só colocou uma roupa e começamos a ver uns filmes. - dei de ombros.

- Esperava mais vindo de Você Nathan. - Max se pronunciou.

- A gente preferiu descansar um pouco depois de tudo o que aconteceu no banho. - ele riu.

- Tadinho Max, Roxy ta tirando as energias dele.

- Ta mais pra ele tirando as minhas. - falei e tenho certeza que corei.

- Vish que o assunto começou a esquentar. - Max riu pelo nariz.

- Vai pegar fogo daqui a pouco. - Nathan respondeu.

- Safado. - Megan bebeu seu Cappuccino.

- Um pouquinho só.

- Nathan você só pode ser assim comigo, larga da Megan. - comentei rindo

- Não larga não! Nathan safadinho. - Meg fez cara de safada.

- Agora eu fico alone!! - falei com a voz de choro.

- Tem eu serve? - Max riu.

 -Max é meu novo amante, tchau pra vocês.

- Não! Pode ficar com o magrelo porque o gostoso é meu. - Meg começou a rir da própria besteira.

- Só por que eu não tenho um corpo sarado, não quer dizer que sou dispensável. - Nathan fez biquinho.

- Então eu fico com ele, por que eu adoro um magrelo. - eu disse rindo.

- Te amo Baby Nath. - Meg apertou as bochechas de Nathan.

- To vendo que vou terminar sozinha. - revirei os olhos.

- Ta bom fica com ele porque eu to de olho em um carinha que ta sentado do meu lado - ela olhou de canto para Max que bebia seu MilkShake.

- Que cara? Não vejo nenhum. - comentou Nathan fazendo eu rir alto.

- Só não é mais idiota porque só é um.

- Vamos parar de encher o meu... o Sykes. - comentei.

- "meu" hmmm já ta assim né. - Megan riu.

- Eu não completei a frase.

- Mas deixou quase explicado.

- Ele não é nada meu direito. - disse rindo.

- COMO ASSIM NÃO SOU NADA SEU? - Nathan gritou fazendo drama.

- Simples, ela não te ama. – uma voz bem conhecida soou perto demais.

- Você? O que quer dessa vez?

- A Roxy me deve uma conversa. - engoli em seco assim que ele respondeu.

- Ela não te deve nada babaca. - Nathan revirou os olhos.

- Acho que você interrompeu nossa conversa mais cedo não?

- Motivos pessoais.

- Da pros dois pararem de discutir? Zach vai embora por favor... – comentei.

- Por favor, sem brigas! Aqui é um ambiente Público. – pediu Megan.

- Então vamos lá pra fora. - Nathan se levantou.

- Nathan não por favor. - pedi segurando em seu braço.

- Eu sei o que eu faço Roxy.

- Então vamos. - Zach se afastou um pouco e os dois saíram do café.

- Megan isso vai dar merda. - comentei me levantando.

- Vamos até lá. - Megan se levantou puxando Max pela mão.

- Qualquer coisa eu separo. - Max caminhou ligeiro ao meu lado.

- Acho que vai precisar. - continuamos caminhando e assim que chegamos lá fora me deparei com a cena dos dois se encarando um perto do outro, Nathan estava com a mão fechada, pronto pra acertar um soco na cara de Zach.

- Eu acho melhor você sumir da vida dela. - Nathan falou bravo.

- O que você é dela pra exigir alguma coisa?

- Ele é...é meu... - gaguejei.

- Bem acho que nada não é mesmo? - Zach provocou.

- Isso não vem ao caso, o que importa é você se afastar dela. Antes que algo pior aconteça.

- Vai dar uma de violento agora? Você não seria capaz.

- Você que pensa...

- PAREM POR FAVOR, CHEGA DISSO. - parei no meio dos dois de frente para o Nathan. - por favor Nath...

- Se distancia dele Roxy, ele não te quer. - Zach me puxou pela cintura, me colocando ao seu lado.

- Já disse pra você deixa-la em paz.

- E se eu não quiser? - Nathan nem precisou responder e já virou o soco na cara do Zach, ele revidou e os dois começaram uma briga ali mesmo, nem ligando pra quem estava em volta.

- PAREM OS DOIS! - Max se soltou de Megan e correu até eles, se colocando entre os dois para separá-los mas acabou levando um soco.

- AGORA CHEGA!! - gritei revoltada atraindo a atenção do dois. - VOCÊ ZACH, SOME DA MINHA VIDA, NÃO QUERO TE VER NUNCA MAIS. E VOCÊ NATHAN, bem você continua ai.

- MAX! Você ta bem? - Megan correu até Max que estava com a mão no queixo depois de ser acertado com algum soco de um dos dois.

- Ta esperando o que pra ir embora Zach? A guarda nacional? Vaza!! - falei e ele foi embora reclamando. - você ta bem Nath?

- Só estou com alguns machucadinhos no rosto eu acho, mas to legal, foi mal ai Max.

- Crianças. - Max resmungou.

- Vocês viram ali? - Megan apontou para algum local.

- O que? – perguntei preocupada.

- Fotógrafos. - ela andou um pouco, mas só tinha dois homens indo embora.

- Droga, droga, droga! – exclamou Nathan.

- Nathan... - Max o olhou, como se tentasse se comunicar pelo olhar.

- O que foi? - Meg perguntou.

- Amanhã isso vai estar nas revistas de fofocas. - Max passou a mão na cabeça.

- Ai que ótimo, tudo culpa minha. – comentei.

- A culpa foi nossa, todos estávamos envolvidos e todos deixamos isso acontecer. - Megan jogou o cabelo para trás.

- Não Megan, a culpa é minha, se eu não tivesse um ex tão babaca isso não tinha acontecido.

- Eu que comecei...eu que aceitei as provocações dele e o chamei aqui fora. - Nathan que estava sentado no meio fio da rua, olhou para mim.

- Chega de saber de quem é a culpa, já estamos nessa e acabou. - Max falou autoritário e nos calamos.

- Vamos embora? - Megan abraçou Max por trás.

- Vamos já tivemos aventuras de mais pra um dia. - estendi a mão para o Nathan e o ajudei a se levantar.

Entramos no carro e eu fui atrás com o Nathan, querendo ou não eu me sentia culpada,e minha cara de merda não escondia isso, já que o Nathan ficava me encarando de cinco em cinco segundos.

- A culpa não é sua. -  ele sussurrou e me abraçou de lado.

- Como não Nath? Eu não devia ter deixado isso acontecer.

- Para com isso por favor, eu comecei ta bom? Não quero ver você mal desse jeito, você ainda precisa cuidar de mim. - ele disse e eu sorri fraco, Megan nos olhou com aquele sorrisinho sarcástico dela e eu mostrei o dedo do meio recebendo um em troca.

- Já vão começar? - Max perguntou, sem desviar o olhar da rua.

- Desculpa Max. – comentei baixinho.

- Roxy pedindo desculpas sem antes me xingar ou ofender? Ta doente? - ele riu pelo nariz.

- Estou sensível.

- Nossa! - Meg arregalou os olhos.

- Bateu a cabeça Roxy? - Nathan perguntou.

- Sou problemática.

Chegamos em casa e os meninos nos acompanharam até o apartamento, fizemos uns curativos nos meninos para que parasse de sangrar um pouco e ficamos jogando conversa fora, ao escurecer eles foram embora, eu e a Meg nos jogamos no sofá da sala e ficamos vendo uma comédia romântica que estava passando na tv.

- Vamos dormir? Amanhã tenho que ir para a Academy ensaiar com o Iglesias.

- Vamos to caindo de sono. - Subimos as escadas e cada uma foi para o seu quarto, tudo o que eu queria fazer era esquecer de alguns acontecimentos desse dia.
 
                                            Megan's Pov

Acordei Cedo e me vesti (http://www.polyvore.com/cgi/set?id=67099328&.locale=pt-br) para ir para o Ensaio, desci as escadas e Roxy (http://www.polyvore.com/cgi/set?id=67099717&.locale=pt-br) já estava no sofá assistindo TV e comendo cereal.

- Tchau to indo ao ensaio. - falei pegando as chaves.

- Vai lá.

Sai do Apartamento e logo coloquei os fones de ouvido, uma caminhada básica até o local não seria nada mal. Enquanto andava pela calçada, passei em frente a uma banca de revista e vi o que eu mais pedia para não acontecer: a matéria sobre a briga de ontem, peguei um exemplar da revista e dei o dinheiro ao rapaz. Analisei bem a matéria que tinha escrita em letra grande THE WANTED X ENRIQUE IGLESIAS E ALLSTAR WEEKEND, tinha uma foto minha com Enrique e Max no dia que sai para Tomar café, eu saindo de mão dadas com Iglesias e Max nos olhando, ao lado tinha outra de Roxy conversando com Zach.

Matéria:

"Parece que esses galãs do cenário musical estão cobiçando as mesmas mulheres. De um lado, Max George e Enrique Iglesias disputam Por Megan Stark (21,Bailarina) enquanto do outro lado Nathan Sykes disputa com Zach Porter a atenção de Roxy Muller (19, Baterista atualmente no The Wanted). 

Enquanto que no primeiro triangulo amoroso, nada foi confirmado da parte de Iglesias, Max George parece esta mesmo com Megan, pois varias fotos revelam os dois juntos aos carinhos. Mas essa foto (-foto-) mostra Megan segurando a mão de Enrique Iglesias e sendo puxada por ele para longe de George. Nossas fontes confirmaram que ela esta ensaiando com ele pois participará da nova turnê do Iglesias.

Já o segundo Triangulo parece haver conflitos, depois que essas fotos (-fotos-) foram tiradas, mostram Nathan sykes e Zach Porter brigando no meio da rua por algo que não se sabe ao certo. Roxy Muller estava no meio da briga tentando separar (foto) enquanto Max também tentou separar e acabou levando um soco (foto) depois de minutos de briga, Zach foi embora deixando Roxy amparando Nathan (foto) Qual o envolvimento que essas seis pessoas estão tendo? Um está querendo roubar a garota do outro? Nos acompanhe para mais informações." 

Estava incrédula com aquela matéria. Quando percebi já estava parada em frente a Academy. Entrei na sala e dei de cara com Iglesias. ele estava sorrindo mas de um modo digamos...estranho.
  
- Oi. - falei timidamente;

- Oi Megan.

- Tudo bem por aqui...a turnê? - perguntei puxando assunto, já que as outras ainda não tinham chegado.

- Mais ou menos.

- O que houve? - me sentei no banco que tinha ali na sala e ele se sentou ao meu lado;

- Já viu as noticias?

- Infelizmente sim. - falei abaixando a cabeça, coitado estava envolvido nessa confusão toda sem ao menos saber de nada.

- Não são nada boas.

- Sim...olha me desculpa se seu nome está no meio ou essas merdas de paparazzi perseguem a gente mas... - tentei explicar.

- Não, tudo bem quanto a isso. - o olhei e ele estava mexendo os dedos das mãos e encarando o chão, algo não estava certo.

- Pode falar...com o que está preocupado? - perguntei, tocando seu braço descoberto pela blusa regata.

- Com você.

- Comigo? - falei um pouco alto, me assustando com meu próprio tom de voz.

- Olha Megan, querendo ou não eu acabei me envolvendo demais com você.

- Mas... - fiquei encarando ele, esperando uma explicação melhor.

- Eu sei que te peguei de surpresa, mas... eu gosto de você Megan.

- Enrique, eu acho que você confundiu as coisas.

- Megan eu só te peço uma chance.

- Mas...eu gosto do Max.

- Max? Ele não ta nem ai pra você.

- Ele disse que me amava.

- Até eu quando era mais novo disse que amei algumas garotas, e depois terminei com elas, depois que você cresce você amadurece e percebe que precisa de alguém ao seu lado e começa a reparar mais nas pessoas.

- Mas ele me disse que me amava com todas as letras, não é mentira dele...não é. - falei o encarando.

- Há quanto tempo vocês se conhecem?

- Mais ou menos um mês, não lembro direito. - falei tentando me lembrar do dia no Pub, quando eu o vi pela primeira vez.

- Me desculpe a sinceridade mas...você acha mesmo que em um mês ele iria te amar?

- Talvez....não sei. E...eu confio nele.

- Pois não deveria.

- Porque eu não deveria confiar em alguém que eu goste? Acha que eu deveria confiar em quem? em você? que eu mal conheço? - já estava ficando com raiva.

- Não to falando que deveria confiar em mim, mas não deveria confiar nele, vocês mal se conhecem também.

- Eu gosto dele e isso importa.

- Depois não diga que não te avisei.

- Mas...

- Esquece Megan, você não entende.

- Me explica, não me pede pra esquecer porque isso vai me fazer pior!

- Eu já te expliquei, ele é famoso, é jovem, não que eu não seja mas sou mais velho, ele pode ter quem quiser, falar eu te amo pra qualquer uma.

- Mas porque você esta falando isso? Logo para mim?

- Por que eu quero que você seja feliz Megan. - ele disse pegando em minha mão.

- E-eu seja feliz...

- Sim Megan. - me levantei do banco quando vi as outras garotas chegarem,  ele tinha me falado coisas que mexeram bastante comigo, e eu não sei se estavam certas... o ensaio começou e Enrique não parava de olhar para mim. Estava meio constrangida já...depois de longas horas de ensaio, finalmente fomos dispensadas, corri até minha mochila enquanto todos saiam da sala.

- Megan, espera... - Iglesias estava parado atrás de mim.

- Pode dizer. - falei baixo

- Eu preciso fazer isso antes que você vá embora.

Ele se aproximou rapidamente e quando percebi, selou nossos lábios de uma vez. Fiquei imóvel de olhos abertos tentando entender o que se passava, não senti nada ao seu toque, não era igual o de Max. Quando ele sentiu que eu não me movia, se afastou e me encarou.

- E-eu preciso ir. - sai correndo, descendo o mais rápido possível da Academy.

Não acredito que ele tinha feito aquilo, e o mais intrigante é que eu não reagi, simplesmente não fiz nada. Cheguei no elevador do apartamento imersa em meus pensamentos, ainda tentando entender tudo que ele dissera. Abri a porta do Apê e vi a sala lotada com os meninos lá, fazendo bagunça na frente da TV.

- Finalmente chegou. – comentou Roxy.

- É... - falei quase sussurrando.

- O que aconteceu? – perguntou Max.

- N-nada. - tentei olha-lo, mas eu estava com um pouco de vergonha. Joguei minha bolsa em cima de Tom que estava no sofá e fui para a cozinha beber um pouco de água.

- Megan o que aconteceu? - Max insistiu segurando em meu braço.

- Nada Max.

- Megan, fala logo.

- Não tem nada de errado Maximillian que droga! - bati o copo com força na pia, fazendo os olhares da sala se voltarem a nós.

- SE NÃO TIVESSE NADA ERRADO VOCÊ NÃO TAVA ASSIM.

- VOCÊ QUER QUE EU FALE A VERDADE? EU FALO! IGLESIAS FALOU QUE GOSTAVA DE MIM, QUE TUDO QUE VOCÊ FALOU FOI DA BOCA PRA FORA SÓ PORQUE É JOVEM E QUER PEGAR QUALQUER GAROTINHA GOSTOSA POR AI, E AINDA ME BEIJOU! ERA ISSO QUE QUERIA OUVIR? - comecei a tremer.

- EU SABIA QUE AQUELE IDIOTA IA TENTAR ALGUMA COISA, SE AFASTA DELE AGORA MEGAN. E QUEM É ELE PRA FALAR UMA COISA DESSAS SOBRE MIM? ELE É UM COMPLETO BABACA.

- EU NÃO VOU ABANDONAR OS ENSAIOS PARA A TURNÊ. - olhei para a sala e todos estavam em pé nos encarando de boca aberta.

- VOCÊ QUER CONTINUAR VENDO AQUELE IDIOTA NÉ? PUTA QUE PARIU MEGAN, VOCÊ NÃO SE IMPORTA COMIGO? VOCÊ SABE QUE EU NÃO SUPORTO AQUELE CARA.

- MAX JA FALAMOS SOBRE ISSO! EU NÃO QUERO CONTINUAR VENDO ELE, MAS ISSO VAI ME AJUDAR NA CARREIRA!

- A PARTIR DE AGORA EU VOU COM VOCÊ EM TODOS OS SEUS ENSAIOS NÃO QUERO VOCÊ SOZINHA COM ELE.

- O QUE? E A BANDA? - minha vontade era de rir da cara do Max só de pensar ele me seguindo por todo lugar.

- ELES PODEM ENSAIAR SEM MIM, OU A GENTE AJEITA OS HORÁRIOS.

- Max, por favor, eu não quero e nem vou brigar com você, então descarta essa ideia.

- A gente não precisa brigar, Megan eu to falando sério.

- Sem chances de você ir comigo nos ensaios. - caminhei de volta a sala onde os outros fingiam não ter ouvido nada.

- Roxy você vai com ela.

- Agora ta perfeito! Tenho uma babá que o Max quer assim HAHA não! - me joguei no sofá no meio de Siva e Tom. Max ficou na nossa frente me encarando.

- Beleza então Megan você venceu, depois não vem falar coisa pra mim que ele te agarrou, eu não vou defender ninguém.

-Max eu não preciso que ninguém me defenda, e ele me Beijou, mas eu não reagi.

- Ha deveria ter batido nele.

- Eu não!

- Se você quer que ele pare de te beijar você tem que parar de dar liberdade.

- Eu não dou liberdade a ele Max! Eu nunca dei, ele só me falou umas coisas que...

- Que fez você duvidar de mim.

- Não! É que sabe...

- FALA LOGO MEGAN, QUE VOCÊ ACREDITOU NAQUELE BABACA. E QUE SE DEIXOU ENGANAR POR ELE.

- MAX, VOCÊ ME AMA? - perguntei logo, o que estava me fazendo sufocar.

- VOCÊ ACHA QUE SE EU NÃO AMASSE EU ESTARIA DISCUTINDO COM VOCÊ ESSE ASSUNTO? QUE EU ESTARIA COMPLETAMENTE REVOLTADO POR VOCÊ TER ACREDITADO NELE?

- Fale a verdade por favor, eu não estou te pressionando nem nada, só quero a verdade.

- É CLARO QUE EU TE AMO MEGAN, SÓ VOCÊ NÃO PERCEBE ISSO.

- Ta, chega. - me levantei do sofá.

- Olha aqui vocês dois... - Roxy disse se levantando. - os dois se amam, e não tem motivos para brigarem ok?!

- Será mesmo? - a questionei. - será que isso dele não seja só uma paixão?

- Megan eu não acredito que to ouvindo isso de você. - Roxy comentou indignada. - me desculpa mas vou defender o Max, quem me diz se você também não ta com uma paixão passageira? Por favor Megan você acha que se ele não te amasse não estaria preocupado?

- Eu não sei é mais de nada. - me joguei outra vez no sofá, levando as mãos a cabeça.

-AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA. - Roxy gritou arranhando o rosto.

- O QUE FOI SUA LOUCA?! - me levantei do sofá em um pulo.

- VOCÊS SÃO UM PUTA CASAL PERFEITO E FICAM AI DISCUTINDO, ISSO ME DEIXA NERVOSA.

- DÁ PARA PARAR DE SER LOUCA? OBRIGADO! - sacudi a cabeça.

- NÃO, NÃO DA, E VOCÊS SABEM MUITO BEM QUE SÃO FEITOS UM PARA O OUTRO, SE VOCÊ DEIXAR ESSE CU DESSE IGLESIAS ATRAPALHAR A SUA VIDA EU TE MATO.

- NÃO FALA ASSIM DELE!

- VOCÊ TA DEFENDENDO ELE MEGAN?

- Só to pedindo pra não falar dele assim, aliás ele ainda é meu chefe e bom...meu ídolo também.

- Ta bom... - ela respirou fundo. - agora vocês podem por favor fazerem as pazes?

- Não to de mal com você. - falei olhando para Max, de braços cruzados.

- Não mesmo? - ele perguntou fazendo biquinho.

- Mais ou menos...talvez... Não, não to. - sorri para ele.

- Então eu quero um abraço e um beijo. – ele riu.

- Você no momento não esta merecendo isso. - falei e um dos meninos me deu um empurrão para perto de Max. - vadios!

- Apenas estamos ajudando. - comentou Jay.

- Idiota!

- Mas e então o que temos pra hoje? – perguntou Nathan.

- Você assado e entregue em uma bandeja que tal? - dei o meu melhor olhar maníaco e passei a língua no lábios.

- Retardada, ninguém vai ter meu corpo.

- Só a Roxy.

- Ela tem quantas vezes quiser, você não. - ele sorriu malicioso.

- Ai que chato, não sou pegável, nem o Sykes me quer. - rolei os olhos.

- Você não precisa dele. - Max me puxou para seu colo.

- Me mostre o porque. – sorri.

- NADA DE SEXO AQUI. – gritou Tom.

- Ciúmes Tom? – perguntei.

- Não to afim de presenciar essas cenas.

- Thomas você precisa de uma mulher. - comentou Siva.

- Ele já tem a mim. - mostrei a língua a Siva.

- Não se contenta com um não? - perguntou Jay.

- Não, quero os dois.

- Gente perai... vamos mudar de assunto por favor. - Roxy revirou os olhos. - já viram as Noticias?

- E-eu já. - comentei correndo até a bolsa e mostrando a revista.

- Quer dizer então que as damas estão em triângulos amorosos? - perguntou Jay lendo a revista.

- São fofocas. - Siva respondeu.

- Nathan batendo em alguém? - Tom gargalhou.

- Nathan se eu fosse você não deixava-falei rindo

- Ele ta pedindo pra apanha igual aquele idiota do Zach. - ele revirou os olhos.

- Enfim, o que mais tem ai cara? - Max apontou para a revista.

- Treta. – Jay falou.

- Mais? - Tom puxou a revista da mão de Jay, nem um pouco educado.

- Sobre o que é? – perguntou Nathan curioso.

- Outro triângulo amoroso, Iglesias, Megan e Max.

- Temos que desmentir. - Max falou encostando seu rosto em minhas costas.

- Não temos que falar nada, com o tempo isso some. - falei sentindo a respiração de Max em minhas costas.

- Deixa eles pensarem merda, eu sou a única que tenho que saber o que acontece na minha vida, assim como vocês. - comentou Roxy.

- Apoiada!

- Roxy só te aviso uma coisa...se aquele babaca aparecer de novo eu vou socar ele. - comentou Nathan.

- Você não vai fazer nada ouviu bem? Não quero brigas.

- É melhor ficarmos longe de confusão essa semana, porque na próxima começa a Turnê do...

- Do The Wanted. - comentou Roxy cobrindo o que eu ia falar.

- An? - Jay tentou entender o que ela falou.

- Nada! - sorri amarelo. Enquanto estávamos conversando, meu celular começou a tocar alarmante no bolso da minha calça.

- Pera ai. - sai do colo de Max e olhei o visor - Meus...Pais - olhei para Roxy que me encarou assim que falei.

- Droga! – ela comentou.

- Silêncio agora! Todos! - apontei para Tom porque eu sabia que ele ia tentar qualquer gracinha. Atendi o Telefone sobre o olhar de todos.

Ligação on

- Alô? – atendi.

- Alô Megan? - ouvi a voz de minha mãe.

- Sim, sou eu mãe.

- Megan, ainda bem que atendeu...você viu as Noticias? - temia ela dizer isso.

- S-sim.

- Que história é essa Megan? Que triangulo amoroso é esse? Você nunca foi disso! Você é uma menina decente, e Roxy? Tenho tanto orgulho de vocês duas e vocês querem destruí-lo? - ela não dava uma pausa sequer na bronca.

- Eu avisei. - ouvi a voz de meu pai ao longe.

- Mãe, esquece isso. - falei olhando os meninos.

- Não dá Megan, esta estampado nas revistas! Quero que me prometa uma coisa.

- Fale o que é?

- Me prometa?

- Não, primeiro me diga o que é. - perguntei já com raiva.

- Quero que se afaste desses meninos, desse The Wanted. Sei que Roxy entrou pra Banda, o que eu não gostei nada disso. - ela tratava Roxy como sua filha também, por isso esse zelo todo com nós.

- NÃO! ISSO EU NÃO VOU FAZER NUNCA. - gritei ao celular.

- Megan, me obedeça! Você tem que se afastar desse Bad Boy que você anda. - ela falou de um jeito de Max que me deu raiva, olhei para ele que me encarava com aqueles olhos verdes.

- NÃO VOU ME AFASTAR DELE E CHEGA DISSO! Já SOU DE MAIOR E POSSO ESCOLHER O QUE EU QUISER!

- Vou mandar Bel e Mandy para cuidar de vocês duas. - isso foi a gota d'água! ela queria mandar as duas Primas vadias da Roxy para tomar conta de nós! Odiávamos elas porque Bel foi a prima que Zach ficou e Roxy a odiava de Coração.

- NÃO FAÇA ISSO! - Gritei mais ainda, não me importando com alguém ali.

- Silêncio menina! Não grite! E o assunto esta encerrado. Tchau e se cuida - ela desligou na minha cara

- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAA QUE ÓDIO! QUE RAIVA! - gritei jogando o celular no chão com força.

- O QUE ACONTECEU? – Roxy perguntou desesperada.

- MINHA MÃE LEU A MATÉRIA DESSA MERDA E AGORA TA MANDANDO BEL E MANDY PRA CÁ CUIDAR DA GENTE, E QUER QUE NOS AFASTEMOS DOS MENINOS!

- AS PUTAS DAS MINHAS PRIMAS? ELA QUER ME MATAR SÓ SE FOR, EU NAO PASSO UM DIA COM AQUELAS PIRANHAS NEM EM UM MILHÃO DE ANOS.

- Quem são? - Tom perguntou.

- CALADO TOM QUE EU NÃO QUERO EXPLICAR SOBRE VACAS PORQUE AQUI NÃO É O CANAL DA PECUÁRIA!

- É A PUTA QUE PEGOU O ZACH!! - respondeu Roxy com raiva. 

- MEGAN COMO SUA MÃE PODE FAZER ISSO?

- EU NÃO SEI, EU JURO QUE EU NÃO SEI! CARA MANO QUE RAIVA! MAX! EU NÃO VOU FICAR LONGE DE VOCÊ. - apontei para ele respirando fundo, com raiva demais para abraça-lo.

- Calma Megan, a gente da um jeito, eu posso conversar com seus pais-Max caminhou até mim.
 
- NÃO DÁ, VOCÊ NÃO ENTENDE. - sai correndo em direção à escada, queria o meu quarto, ouvi alguém me seguindo e vi Roxy correndo atrás de mim. E o pesadelo estava para começar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário